ASSINE

Mãe que confessou matar filho de 2 meses no ES é levada para presídio

Márcia Gomes de Souza, de 20 anos, foi encaminhada para o Centro Prisional Feminino de Colatina, no final da manhã desta terça-feira (15)

Colatina
Publicado em 15/12/2020 às 13h08
Bebê de dois meses é encontrado enforcado e morto em Ecoporanga
Bebê de 2 meses é encontrado enforcado e morto em Ecoporanga. Crédito: Itamar Júnior

Márcia Gomes de Souza, de 20 anos, que confessou ter matado o próprio filho de 2 meses de idade, em Ecoporanga, Noroeste do Espírito Santo, foi encaminhada para o Centro Prisional Feminino de Colatina, no final da manhã desta terça-feira (15). A informação foi confirmada pelo delegado do munícipio, Leonardo Amorim. Bryan Henrique foi encontrado enforcado e morto dentro de casa no interior do município.

Segundo a Polícia Civil, a mãe do bebê foi autuada em flagrante pelo crime de homicídio qualificado e pelo crime previsto no artigo 347 do Código Penal: inovar artificiosamente, na pendência de processo civil ou administrativo, o estado de lugar, de coisa ou de pessoa, com o fim de induzir a erro o juiz ou o perito.

O CASO

De acordo com a Polícia Civil, o pai contou que saiu de casa, no Córrego Osvaldo Cruz, no interior do município, por volta das 5h de domingo para tirar leite. Ao voltar, encontrou a esposa com pés e mãos amarradas e o filho, Bryan Henrique, enforcado, já morto.

Na ocasião, o homem disse à polícia que vinha sofrendo ameaças por meio de cartas que eram colocadas debaixo da porta. 

Bebê foi encontrado morto em casa, no interior de Ecoporanga
Bebê foi encontrado morto em casa, no interior de Ecoporanga. Crédito: Arte | A Gazeta

Inicialmente, a mãe contou que duas pessoas arrombaram a janela, enforcaram o bebê e depois a amarraram. Entretanto, os policiais não encontraram indícios de arrombamento na casa. Depois, a mãe acabou confessando o crime. Ela disse que sofre de depressão pós-parto e assumiu que matou o próprio filho porque achava que o marido não quisesse a criança. Segundo a polícia, ela asfixiou o bebê e fingiu ter sido amarrada e vendada. 

A polícia acredita que a mulher premeditou a morte do bebê e escreveu as supostas ameaças para forjar o crime. Na semana passada, o pai já tinha registrado uma ocorrência na polícia porque alguém colocou veneno no frasco de vitaminas do bebê. Por isso, a polícia diz ter indícios suficientes de que ela já tinha tentado matar a criança antes.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.