ASSINE

Homem é suspeito de matar a ex e a mãe dela a tiros em Vila Velha

Crime ocorreu na manhã desta quinta-feira (25) nos bairros Zumbi dos Palmares e Jardim Marilândia. Ex-companheiro da jovem de 20 anos é o principal suspeito dos crimes

Tempo de leitura: 3min
Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 25/11/2021 às 13h00
Karina, de 20 anos, foi morta pelo ex-companheiro em Jardim Marilândia, em Vila Velha
Karina Freitas, de 20 anos, foi morta pelo ex-companheiro em Jardim Marilândia, em Vila Velha. Crédito: Reprodução

Mãe e filha foram assassinadas a tiros em bairros diferentes de Vila Velha na manhã desta quinta-feira (25). Elas foram identificadas como Karina Freitas, de 20 anos, e Silvanete dos Santos Freitas, de 38 anos. As execuções foram registradas nos bairros Zumbi dos Palmares e Jardim Marilândia. O principal suspeito é o ex-companheiro da jovem, Adenilton de Jesus Nascimento dos Santos.

Testemunhas relataram à reportagem que mãe e filha foram assassinadas porque o suspeito não aceitava o término da relação com a jovem. As vítimas moravam a cerca de três quilômetros de distância uma da outra. Primeiro, o executor tirou a vida de Silvanete, em Zumbi dos Palmares e, na sequência, em questão de minutos, foi até Jardim Marilândia e também executou Karina a tiros.

Karina Freitas, de 20 anos, foi morta pelo ex-companheiro em Jardim Marilândia
Karina Freitas, de 20 anos, foi morta pelo ex-companheiro em Jardim Marilândia. Crédito: Fernando Madeira

Karina, com quem o suspeito tem uma filha de apenas um ano, foi morta em seu local de trabalho, uma empresa de reciclagem — onde sua mãe também trabalhava. O dono do local, que preferiu não ser identificado, afirmou à reportagem que o homem chegou de motocicleta ao estabelecimento.

"Elas eram selecionadoras de plástico, a 'Net' foi quem trouxe a Karina para trabalhar aqui. O rapaz entrou, porque ele já teve um filho com ela e já veio aqui outras vezes, nunca havia causado problema, briga ou tumulto. Desta vez também não teve. Ele entrou, foi educado, tirou o capacete e pediu para falar com ela", disse.

Dono da empresa de reciclagem, em Jardim Marilândia, local onde Karina Freitas, 20, foi morta
Dono de empresa de materiais recicláveis, onde as vítimas trabalhavam, disse que suspeito estava calmo quanto cometeu crime . Crédito: Fernando Madeira

X.

Dono da empresa onde as vítimas trabalhavam

"Ela voltou com ele, sem discussão nenhuma, e ele deu um tiro na cabeça dela. Do jeito que ele estava, calmo, guardou o revólver na cintura, montou na moto e foi embora"

O assassinato de  Silvanete — ocorrido minutos antes da morte de sua filha — foi presenciado pela irmã dela, Elizangela dos Santos Freitas. Ela contou que o suspeito chegou à casa delas acusando a mulher de ter passado seu  número de celular para o novo namorado de Karina, pois ele havia recebido uma ligação dele o ameaçando. Silvanete teria dito que iria à delegacia, mas o homem afirmou que não daria tempo e matou a mãe de sua ex com um tiro na cabeça.

Elizangela disse ainda que, logo após o crime, tentou ir à empresa onde as vítimas trabalhavam para alertar a sobrinha, pois o suspeito lhe disse que iria até lá matar a ex-companheira. Entretanto, ela não chegou a tempo de impedir o assassinato da jovem.

"Entrei em estado de choque. Ele olhou para a minha cara e saiu correndo, só falou: 'Agora eu vou terminar'. Deu tempo de ir avisar a minha mãe, mas não deu tempo de avisar a Karina. Quando eu cheguei, já havia acontecido essa tragédia", disse.

Segundo a tia da jovem, Karina e o suspeito tiveram uma briga nesta quarta-feira (24), em que o homem teria dito para a vítima terminar o atual relacionamento ou ele a mataria. Ela disse que sua sobrinha respondeu ao suspeito que não terminaria, e que, mesmo que terminasse, não reataria o relacionamento com ele.

Demandada pela reportagem, a Polícia Militar informou, em nota, que "por volta das 11h desta quinta-feira (25), um homem foi até a casa da ex-sogra no bairro Zumbi, em Vila Velha, onde atirou contra a mulher, que teve o óbito confirmado no local. Em seguida, o indivíduo prosseguiu até o trabalho da ex-mulher, no bairro Cobilândia, onde também a matou com um disparo de arma de fogo e se evadiu após o fato".

Em nota, a Polícia Civil informou que os corpos das vítimas foram encaminhados para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória e que nenhum suspeito havia sido detido até as 16h50 desta quinta-feira (25). O caso é investigado pela Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM) e outros detalhes não foram passados.

"A população tem um papel importante nas investigações e pode contribuir de forma anônima por meio do Disque-Denúncia (181), que também possui um site no qual é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas. O anonimato é garantido e todas as informações fornecidas são investigadas", reforçou a PC.

Atualização

25 de Novembro de 2021 às 17:16

A Polícia Civil enviou nota sobre o caso e informou que ninguém foi detido. O texto foi atualizado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.