ASSINE

Guerra do tráfico em Vitória: presas lideranças do Morro do Cabral

Dois gerentes do tráfico e dois fornecedores de drogas do Morro do Cabral foram presos pela Polícia Civil; operação foi resposta a um duplo-homicídio no Morro do Quadro

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 08/02/2021 às 19h12
A Polícia Civil apreendeu armas, drogas, munições e celulares durante operação no Morro do Cabral, em Vitória
A Polícia Civil apreendeu armas, drogas, munições e celulares durante operação no Morro do Cabral, em Vitória. Crédito: Daniel Pasti

Polícia Civil prendeu dois gerentes do tráfico e dois fornecedores de drogas do Morro do Cabral, em Vitória, durante operação realizada na sexta-feira (5). A operação, segundo a polícia, foi uma resposta a um duplo-homicídio cometido no Morro do Quadro no último dia 2, quando um grupo de 15 pessoas invadiu uma casa onde estavam as duas vítimas e atirou.

Segundo o delegado Romualdo Gianordoli, chefe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o ataque aconteceu porque o tráfico de drogas no Morro do Cabral é comandado pela facção criminosa do Primeiro Comando de Vitória (PCV), que é rival do grupo que atua no Morro do Quadro. O delegado ainda detalhou que são 15 envolvidos no crime e que todos já foram identificados.

"Houve um duplo-homicídio no dia 2 de fevereiro no Morro do Quadro. Segundo levantamentos, os autores eram do Morro do Cabral e todos eles fazem parte da facção do Primeiro Comando de Vitória. Então, como resposta, nós fizemos essa operação no Morro do Cabral e colhemos vários elementos de informação que vão permitir que nós resolvamos esse inquérito do duplo-homicídio. São 15 autores, mas boa parte deles já está identificada e será presa futuramente", explicou, completando ainda que os quatro presos na operação de sexta não estiveram no ataque.

A Polícia Civil apreendeu armas, drogas, munições e celulares durante operação no Morro do Cabral, em Vitória
A Polícia Civil apreendeu armas, drogas, munições e celulares durante operação no Morro do Cabral, em Vitória. Crédito: Daniel Pasti

Mesmo assim, segundo o delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda, as prisões realizadas durante a operação representam o combate da Polícia Civil em relação a expansão do tráfico de drogas na Capital. De acordo com Arruda, se tratam de prisões importantes, por serem lideranças do tráfico local.

"As prisões de quatro pessoas, dois gerentes do tráfico e dois distribuidores, são prisões importantes e toda vez que houver esses ataques, nós vamos reagir dessa maneira, vamos buscar e prender todos. O tráfico de drogas tem esse comportamento de expandir território, então eles entram em guerra justamente para estender", disse.

Segundo o delegado Alexandre Falcão, titular do Departamentos Especializados de Narcóticos (Denarc), um dos fornecedores de drogas presos é de Minas Gerais. Ele era foragido da Justiça e, contra ele, havia um mandado de prisão em aberto. Segundo o delegado, ele foi preso no apartamento onde morava, no bairro Jardim Camburi, na Capital.

A Polícia Civil apreendeu armas, drogas, munições e celulares durante operação no Morro do Cabral, em Vitória
A Polícia Civil apreendeu armas, drogas, munições e celulares durante operação no Morro do Cabral, em Vitória. Crédito: Daniel Pasti

"Ele tinha um documento falso, mas nós já sabíamos quem ele era. É um dos grandes fornecedores e tem contato direto com os traficantes do Morro do Cabral. Foi uma prisão importante porque só conseguimos identificar com ele os nomes desses traficantes que distribuem e vendem essas drogas no local. Nos chamou atenção porque esses distribuidores não colocam as mãos diretamente nas drogas, mas ficam em bairros nobres e em contato direto com esses traficantes", explicou Falcão. O outro fornecedor foi preso em Vila Velha, no bairro Brisamar, também em casa.

Já os dois gerentes do tráfico de drogas foram encontrados no Morro do Cabral, durante a operação em Vitória. Todos foram levados para o sistema prisional capixaba e ficarão à disposição da Justiça. A polícia também apreendeu uma pistola com munições, drogas, dinheiro em espécie, celulares e material para o embalo de drogas durante a operação.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.