ASSINE

Empresário que usava rede de óticas para aplicar golpes é preso em Cariacica

O pastor e empresário de 52 anos é suspeito de aplicar vários golpes em funcionários e candidatos a vagas de emprego em Sergipe. Polícia investiga se ele cometeu crimes no Espírito Santo

Publicado em 18/08/2021 às 17h32
Suspeito de estelionato preso no ES já foi enviado para o estado do Sergipe
Suspeito de estelionato preso no ES já foi transferido para o Estado de Sergipe. Crédito: Divulgação | PCES

Pastor e empresário, um homem de 52 anos foi preso preventivamente na manhã dessa terça-feira (17), no bairro Campo Grande, em Cariacica, suspeito de ter aplicado vários golpes em funcionários e candidatos a vagas de emprego em uma rede de óticas no Estado de Sergipe.

De acordo com informações da Polícia Civil do Espírito Santo, o comerciante estava em território capixaba há cerca de cinco anos e chegou a abrir três óticas, que podem ter sido usadas por ele para a continuidade da prática do crime de estelionato. Os nomes do suspeito e dos empreendimentos não foram divulgados pela polícia.

Augusto Marques

Delegado da 4ª Delegacia Regional de Cariacica

"O suspeito está sendo investigado por golpes em três vítimas em Sergipe. Demos apoio operacional aos policiais de lá e vamos colaborar com as apurações, até para checar possíveis crimes praticados no Espírito Santo"

Conforme apontado pelas investigações, o pastor atraía pessoas de "natureza muito humilde" com uma proposta de emprego nas óticas. Após entrevistar as pessoas, o suspeito coletava os dados pessoais delas e os utilizava para fazer Cadastros Nacionais de Pessoa Jurídica (CNPJ), abrindo empresas.

“Após a abertura, ele realizava compras com fornecedores a fim de abastecer a rede, sem quitar as dívidas. As vítimas só tomavam conhecimento do golpe após serem procuradas pelas empresas responsáveis pela cobrança”, explicou a delegada Luana Guedes, da Divisão Especializada de Repressão aos Crimes Contra o Patrimônio (DRCCP).

A polícia informou que, além de praticar os estelionatos, o empresário usava os próprios funcionários como "laranjas". Ao colocá-los como sócios das empresas sem o conhecimento deles, o suspeito tentava se antecipar, caso sofresse possíveis processos judiciais devido aos golpes aplicados.

"O golpista convencia o funcionário a assinar documentos, sempre com o pretexto de estar com pressa para realizar outras atividades. Assim, as vítimas só descobriram após serem acionadas como donas da empresa, durante o processo de investigação do caso", esclareceu a delegada.

Para convencer as vítimas, o homem de 52 anos afirmava que o empregado seria o seu "braço direito" na empresa, ainda que a pessoa não tivesse experiência compatível com a função. Durante a madrugada desta quarta-feira (18), ele foi transferido para Sergipe e está à disposição da Justiça.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Cariacica Polícia Civil Sergipe crime estelionato sergipe

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.