ASSINE

Empresário e lutador é preso após agredir motoboy por demora em entrega no ES

Caso aconteceu na madrugada de domingo (29) em Colatina. Segundo a PM, Thiago Osmar Peichinho Mageste, de 38 anos, que é empresário do setor de transportes e lutador de Jiu-jítsu, disse que foi motivado por uma demora em uma entrega

Colatina
Publicado em 30/11/2020 às 12h48
Atualizado em 30/11/2020 às 13h02

Um entregador de comida foi agredido em Colatina, Noroeste do Espírito Santo, na madrugada deste domingo (29). As agressões foram registradas por câmeras e mostram a crueldade com o jovem de 18 anos. Segundo a Polícia Militar, o agressor disse que foi motivado por uma demora na entrega de produtos. 

O homem que aparece no vídeo, agredindo o motoboy, é Thiago Osmar Peichinho Mageste, de 38 anos. Ele é empresário e lutador de Jiu-jítsu. O vídeo mostra quando o entregador chega com o lanche. Em seguida, o cliente aparece e começa a discutir com o motoboy, que se afasta. O homem segue o trabalhador até a moto. Em outro momento, é possível ver quando o homem agride o jovem caído no chão.

De acordo com a Polícia Militar, a agressão aconteceu por volta das três horas da madrugada, no centro da cidade. Quando chegaram ao local, os militares encontraram o jovem caído com muitas lesões pelo corpo. O agressor estava em casa e tentou intimidar os policiais que atenderam a ocorrência.

“Foi preciso acionar o advogado para que ele saísse de casa. Ele estava muito alterado. Em determinado momento, ele começou a ameaçar os policiais e disse que eles seriam transferidos se ele fosse preso. Que eles não sabiam com quem estavam falando”, relatou o sargento Rodrigues, que esteve na ocorrência.

O entregador foi orientado a procurar por atendimento médico. O empresário foi encaminhado para a Delegacia Regional de Colatina e autuado pelos crimes de injúria, lesão corporal, dano e desacato. Ele foi levado para o Centro de Detenção Provisória. 

No final da manhã desta segunda-feira (30), Thiago passou por audiência de custódia. O juiz responsável concedeu liberdade provisória ao homem e arbitrou uma fiança de R$ 25.000,00. “O valor se justifica pelos sinais de riqueza demonstrados, já que é empresário, com renda superior ao comum do trabalhador brasileiro”, afirmou o juiz Marcelo Feres Bressan, em sua decisão.

Na polícia, já existe um registro contra Thiago por lesão corporal. Segundo o boletim, em 2017 ele teria agredido um entregador de farmácia durante uma discussão no trânsito.

O QUE DIZ A DEFESA 

Por telefone, Daniel Jabour Baptisti, advogado do empresário, disse que Thiago apresenta um quadro depressivo devido à pandemia do novo coronavírus. Segundo o defensor, recentemente ele perdeu a avó vítima da doença. Ele e a mãe também foram infectados.

O advogado explicou que, no sábado, Thiago misturou os remédios para tratar a doença com bebida alcoólica, por isso ficou alterado, o que não justifica a agressão, segundo o advogado. Daniel Jabour Baptisti destacou ainda que seu cliente está arrependido e que pede desculpas ao motoboy e também à Polícia Militar.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.