ASSINE

"Ele tirou uma vida e deixou filho, que mama no peito, chorando pela mãe", diz tia de jovem morta em Cariacica

Ludiane Braz Corrêa, de 20 anos, foi morta a facadas pelo marido, Leonardo Alves Soares, de 23, em Cariacica nesta sexta; seria a primeira vez que ela comemoraria o Dia das Mães

Tempo de leitura: 2min
Ludiane Braz Corrêa, de 20 anos foi morta a facadas por Leonardo Alves Soares Rios, de 23 anos
Ludiane Braz Corrêa, de 20 anos foi morta a facadas por Leonardo Alves Soares Rios, de 23 anos. Crédito: Reprodução

"Ele tirou uma vida, um sonho, deixou um filho de um ano, que mama no peito, chorando pela mãe". A fala é de Sirlene, tia da jovem Ludiane Braz Corrêa, de apenas 20 anos, que foi assassinada a facadas pelo marido Leonardo Alves Soares, de 23 anos, no bairro Oriente, em Cariacica, na noite de sexta-feira (3). Seria a primeira vez que ela comemoraria o Dia das Mães depois de dar à luz ao filho.

Leonardo foi autuado em flagrante por homicídio qualificado por motivo fútil contra a mulher por razões da condição de sexo feminino (feminicídio). Ele foi encaminhado para o Centro de Triagem de Viana. Sirlene fez um apelo à Justiça e pediu que ele permaneça preso pelo crime, temendo que ele seja solto e pratique outros crimes. 

Sirlene

Tia de Ludiane Braz Corrêa, morta a facadas pelo marido em Cariacica

"Do nada, um camarada acha que é dono e tira a vida de uma mulher. E a gente sabe que ele vai ficar um tempo e vir pra rua. Será que ele vai precisar de matar mais outra pessoa?""

Este domingo (8) seria o primeiro Dia das Mães de Ludiane após dar à luz ao filho. E vai ser o primeira data em que a mãe dela passa sem um dos filhos. "Vou passar o Dia das Mães de desgosto, eu criei meus filhos todos unidos, juntos", desabafou dona Maria.

LEONARDO NÃO ACEITAVA A SEPARAÇÃO

Ludiane tentava pôr fim ao casamento com Leonardo, com que estava junto há pouco mais de um ano e que não aceitava a separação, segundo a família dela. Os parentes da mulher também disseram que era agredida constantemente e, por isso, queria se separar. Na noite de sexta-feira (3), as agressões começaram quando a vítima estava fazendo comida.

"Ele pegou ela de costas e começou a bater nela, dar soco nela. Na hora, eu liguei para a mãe dele. Ele falou que não era para ninguém se intrometer. Quando eu vi, ele já estava com a faca na mão", contou uma irmã de Ludiane, que não quis se identificar, em entrevista para a repórter Daniela Carla, da TV Gazeta.

Irmã de Ludiane presenciou o crime
Irmã de Ludiane presenciou o crime. Crédito: Wagner Martins

Ela ainda contou que Ludiane gritou pedindo ajuda, mas que encontrou a irmã depois de já ter sido esfaqueada. Os vizinhos colocaram Ludiane em um veículo de aplicativo e a levaram para o Pronto Atendimento de Alto Lage, onde ela chegou já sem vida.

"Eu ouvi ela gritando 'Irmã, irmã, pede socorro porque o Leonardo me furou'. Quando eu fui para o quarto, minha irmã já estava toda esfaqueada na cama. Ele veio para o meu lado e eu saí correndo para a rua", lembra.

Leonardo foi preso no local do crime. Segundo a Polícia Civil, ele foi conduzido ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DEHPP). A repórter Daniela Carla, da TV Gazeta, tentou conversar com Leonardo quando ele saía do Departamento Médico Legal (DML). Contudo, ele não respondeu aos questionamentos. Confira no vídeo:

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.