ASSINE

Criminoso acusado de homicídio durante greve da PM no ES é preso no RJ

Lucas Azevedo Carvalho foi preso em Angra dos Reis na segunda-feira (19); Edson Coelho de Oliveira foi morto na frente da filha e da esposa, na Serra, em 2017

Publicado em 20/04/2021 às 16h50
À esquerda, Lucas Azevedo Carvalho; à direita, a vítima Edson Coelho de Oliveira
À esquerda, Lucas Azevedo Carvalho; à direita, a vítima Edson Coelho de Oliveira. Crédito: Divulgação | Polícia Civil do Espírito Santo

Acusado de homicídio qualificado, Lucas Azevedo Carvalho foi preso nessa segunda-feira (19), na cidade de Angra dos Reis (RJ). Ele responde pela morte do trabalhador Edson Coelho de Oliveira — que foi assassinado na frente da esposa e da filha, na Serra, durante a paralisação da Polícia Militar do Espírito Santo em 2017.

À frente da investigação, o delegado Rodrigo Sandi Mori classificou o crime como "covarde" e afirmou que foi o que mais chamou a atenção entre todos os que aconteceram no município, durante o período da greve, em razão da brutalidade. Edson morreu aos 33 anos, com um tiro de espingarda no peito.

Rodrigo Sandi Mori

Delegado titular da Delegadia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Serra

"A vítima não tinha envolvimento com atividade ilícita, trabalhava como operador de máquina há 13 anos, e foi morta de forma covarde na frente da esposa e da filha de 11 anos"

De acordo com as investigações, o trabalhador teria sido confundido por traficantes e implorado para viver. "No dia do crime (19 de fevereiro de 2017), a família voltava da casa de parentes da esposa de Edson, em Feu Rosa, por volta das 22h, e se dirigia a um ponto de ônibus, quando foi abordada", contou o delegado.

Delegado Rodrigo Sandi Mori está à frente da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Serra e concedeu coletiva sobre o homicídio nesta terça-feira (20)
À frente da DHPP da Serra, Rodrigo Sandi Mori concedeu coletiva sobre o homicídio nesta terça-feira (20). Crédito: Divulgação | Polícia Civil do Espírito Santo

"O criminoso perguntou o nome do Edson, que respondeu. O Lucas repetiu a pergunta, e a vítima respondeu. Ele implorou para que não fosse morto, afirmou que não tinha envolvimento com o tráfico. Mesmo assim, o acusado pediu para que a esposa e a filha se afastassem um pouco e desferiu o tiro", continuou.

Rodrigo Sandi Mori

Delegado titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Serra

"Na época, o Edson não morava mais em Feu Rosa. Segundo familiares, ele tinha deixado o bairro em 2016, em razão da violência"

Além do assassinato, Lucas Azevedo Carvalho, conhecido como "orelha", era um dos gerentes da Gangue do Poorf, que disputava o domínio em Feu Rosa. "Ela era uma das mais violentas do município da Serra, atuava em Ourimar e foi desarticulada no final de 2017, com a prisão de quase 20 indivíduos", contou Rodrigo.

O inquérito policial foi concluído em agosto de 2017. "Logo depois, ele (Lucas) se evadiu para o Rio de Janeiro, onde conhecia uma pessoa. Em abril de 2019, levantamos que ele estava em Angra dos Reis e tentamos prendê-lo, sem sucesso. Desde então, trocamos informações com a Polícia Civil fluminense", disse.

Acusado de homicídio qualificado por motivo torpe e por impossibilitar a defesa da vítima, Lucas Azevedo Carvalho, de 24 anos, já é réu em uma ação penal no Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) e está preso preventivamente. Ele será recambiado para o Estado capixaba, onde será ouvido em depoimento.

CRIMES DA ÉPOCA DA GREVE SEGUEM EM INVESTIGAÇÃO

No final da coletiva de imprensa realizada na tarde desta terça-feira (20), em Vitória, o delegado Rodrigo Sandi Mori reforçou que este é "mais um caso que aconteceu durante o período da greve da Polícia Militar" e que nenhum "foi esquecido". Ao todo, aconteceram 51 homicídios na Serra, durante a paralisação.

"Cerca de 60% desses crimes já foram elucidados. E desses 60%, a maioria das pessoas envolvidas está presa", garantiu. "Pedimos aos familiares das vítimas que nos procurem, para ajudar no fechamento dos inquéritos em andamento e na prisão dos autores. São crimes mais difíceis de serem elucidados, mas não medimos esforços", finalizou.

Espírito Santo Polícia Civil Serra Polícia Militar espírito santo feu rosa Greve da PM homicídio serra Rio de Janeiro (RJ) Angra dos Reis Angra dos Reis

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.