ASSINE

Comandante-geral da PM do ES lamenta morte de policial da reserva

O coronel Douglas Caus afirmou que as investigações estão em curso pela Polícia Civil e pelo sistema de inteligência da Polícia Militar

Publicado em 08/07/2020 às 17h51
Atualizado em 08/07/2020 às 20h54
Mario André do Carmo Morandi estava em uma padaria quando foi assassinato nesta terça-feira (7), em Vila Velha
Mario André do Carmo Morandi estava em uma padaria quando foi assassinato nesta terça-feira (7), em Vila Velha. Crédito: Reprodução | Facebook

O coronel Douglas Caus, comandante-geral da Polícia Militar do Espírito Santo, lamentou o assassinato do policial militar da reserva Mario André do Carmo Morandi, morto a tiros em uma padaria no bairro Itapoã, em Vila Velha. Durante coletiva de imprensa nesta quarta-feria (8), Caus afirmou que o caso segue em investigação pela Polícia Civil.

O comandante-geral lamentou a morte de Morandi e garantiu que o caso está em investigação pela Polícia Civil. Caus afirmou ainda que o sistema de inteligência da Polícia Militar está atuando nas investigações.

"Fato lamentável, mais uma vida humana e integrante da Polícia Militar. Estamos fortemente trabalhando com a Polícia Civil e o sistema de inteligência da Polícia Militar para elucidarmos esse caso", disse brevemente.

A Polícia Civil afirmou, por meio de nota, que o caso está em investigação pela Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vila Velha, que iniciou diligências logo após o fato e segue coletando informações. A polícia informou também que o carro encontrado na Rodovia Leste Oeste incinerado na noite de ontem foi periciado, mas nenhum suspeito foi detido.

A Polícia Civil alegou que outros detalhes da investigação não serão repassados para que a apuração dos fatos seja preservada.

ENTENDA O CASO

Conforme informou inicialmente a Polícia Militar, o crime aconteceu por volta das 17h30 de terça-feira, dia 7 de julho, em via pública, e o policial teve o óbito confirmado no local. Segundo testemunhas, o crime teria sido cometido por indivíduos que passaram em um carro preto. A perícia da Polícia Civil foi acionada. Nenhum suspeito foi detido.

O crime causou tumulto no local, e moradores relataram ter ouvido mais de cinco disparos. Mario André estava dentro de uma padaria, no bairro Itapoã, em Vila Velha, quando foi assassinado.

Morandi era assessor do gabinete do deputado Capitão Assumção (Patriota). A informação foi confirmada pela assessoria de comunicação do parlamentar. Mario André do Carmo Morandi foi admitido no gabinete no dia 12 de fevereiro de 2019 e trabalhava em regime comissionado, segundo o site da Transparência da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales).

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.