ASSINE

Caso Alice: família e comunidade de Vila Velha fazem ato por justiça e paz

Menina de 3 anos foi morta após ser atingida por bala perdida, no quintal de casa, na última semana

Publicado em 16/02/2020 às 09h41
Atualizado em 16/02/2020 às 12h47
Caso Alice: ato por justiça e paz realizado por familiares e comunidade em Aribiri, Vila Velha. Crédito: Darshany Loyola | A Gazeta
Caso Alice: ato por justiça e paz realizado por familiares e comunidade em Aribiri, Vila Velha. Crédito: Darshany Loyola | A Gazeta

A comunidade de Dom João Batista, em Vila Velha, bairro onde a pequena Alice da Silva Almeida, 3 anos, foi morta ao ser atingida por balada perdida, realizou um ato por justiça e paz na manhã deste domingo (16). 

O movimento começou por volta das 9 horas. Com o rosto de Alice estampado em camisetas personalizadas e balões brancos nas mãos, o grupo se concentrou na Avenida Jerônimo Monteiro, em Aribiri.  "Estamos chocados, sem chão. Não podemos aceitar isso. Queremos justiça e paz, estamos perdendo muitas crianças, isso não pode acontecer", afirma Rosângela Ximenes, a Zaninha, 59 anos, liderança da comunidade do bairro Dom João Batista.

Por volta das 9h30, manifestantes saíram em caminhada pelas ruas do bairro Aribiri e, em seguida, pelas ruas de Dom João Batista. Passaram a todo momento, gritos por justiça e orações. Depois, o grupo passou pela casa onde Alice morava e morreu. Em frente à residência fizeram uma nova oração. O ato acabou por volta das 11h20. Veja vídeos abaixo:

FAMÍLIA

Vários familiares de Alice estiveram presentes no protesto. O pai e a mãe, muito abalados, acompanharam o grupo seguindo primeiramente numa motocicleta. Após o protesto,  Amanda Guedes da Silva, mãe de Alice, conversou com a equipe de A Gazeta pela primeira vez após o crime.   

"Não tenho mais vida. Minha vida acabou. Não tenho sentido para viver mais", declarou, abalada. O pai de Alice não quis conversar com a imprensa.

A bisavó de Alice, Marlene Ressurreição também conversou com a A Gazeta. "Minha pequenininha foi atingida por uma bala. A gente não merece, pelo amor de Deus. Está sendo muito difícil para nós. Isso não pode ficar assim, não pode continuar, tirando vida de inocentes."

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.