> >
Casal é preso no ES por marcar encontros por aplicativos e extorquir vítimas

Casal é preso no ES por marcar encontros por aplicativos e extorquir vítimas

As vítimas também eram torturadas para realizarem transações financeiras para a conta dos criminosos; crimes ocorreram em Vila Velha e na Serra

Publicado em 3 de janeiro de 2024 às 18:21- Atualizado há 7 meses

Ícone - Tempo de Leitura 3min de leitura
Viatura da Polícia Civil do Estado do Espírito Santo
De acordo com a polícia, a descoberta dos suspeitos ocorreu depois da investigação sobre uma extorsão mediante sequestro em novembro do ano passado. (Carlos Alberto Silva)
Mikaella Mozer
Repórter / [email protected]

Um casal foi preso suspeito de torturar e extorquir as vítimas durante encontros marcados por aplicativos de relacionamentos no ES. Segundo a Polícia Civil (PC), os dois marcavam com as pessoas em casas nos municípios de Vila Velha e Serra, mas quando chegavam ao local, as vítimas eram imobilizadas, ameaçadas e ainda obrigadas a fornecerem senhas bancárias. 

Conforme apuração da TV Gazeta, a dupla é formada por Vanessa Santos, de 24 anos, e Igor dos Santos, de 25 anos, que praticavam a ação criminosa juntos. Em um perfil de rede social, Vanessa conta com 181 mil seguidores, onde ela divulga outras plataformas de mídia na qual ela possui cadastro. 

Conforme apuração da TV Gazeta, a dupla é formada por Vanessa Santos, de 24 anos, e Igor dos Santos, de 25 anos
Conforme apuração da TV Gazeta, a dupla é formada por Vanessa Santos, de 24 anos, e Igor dos Santos, de 25 anos. (Reproduçaõ | Redes Sociais)

Além disso, a corporação informou que a dupla ligava para familiares ou amigos das vítimas para pedir mais dinheiro para libertar os sequestrados. A prisão aconteceu nessa terça-feira (2), mas foi divulgada nesta quarta-feira (3). De acordo com a polícia, a descoberta dos suspeitos ocorreu depois da investigação sobre uma extorsão mediante sequestro ocorrida no dia 24 de novembro do ano passado.

A suspeita da PC é de que o casal não agia sozinho e atuava em conjunto com uma associação criminosa especializada em extorsão mediante sequestro. Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (4), em Vitória, a polícia informou ainda que, além da dupla presa nesta semana, um terceiro já foi levado à prisão no dia 19 de dezembro de 2023. Outros dois continuam sendo procurados.

Integravam organização criminosa

Conforme a PC, o casal participa de uma grupo criminoso, que conta com mais quatro pessoas, tendo um deles sido preso em 19 de dezembro em 2023. A associação atuava marcando encontros românticos em casa localizadas na Serra e em Vila Velha, porém quando as vítimas chegavam na residências eram presas, torturadas e extorquidas. 

As agressões, segundo a corporação, aconteciam com ferros de passar roupa, armas e facas. Os objetos eram usados para machucar os sequestrados até eles tranferirem todo o dinheiro existente na conta bancária. Depois de conseguirem os valores financeiros, a organização começava a ameaçar os familiares e amigos próximos de forma a conseguirem mais dinhei

Com a forma de agir os criminosos conseguiam diferentes valores financeiros que começam em R$ 5 mil e vão até R$ 50 mil reais, conforme a polícia. Os alvos não tinham um perfil único, tendo variações de idade entre 30 a 60 anos e de classes sociais diferentes.

“Eles tinham máquina própria. A associação criminosa é bem apurada no que fazia, tinha uma certa especialização em lidar com essa dinâmica de transferência de dinheiro e levantando de conta. Eles imitam a mesma tática do pessoal de São Paulo e Rio de Janeiro. Não são da mesma organização, mas copiavam. Eles podem pegar mais de oito a quinze anos por cada crime, fora a corrupção de menor, pois um participou de uma das ações, e tortura”, explicou Pequeno.

Casal é preso no ES por marcar encontros por aplicativos e extorquir vítimas

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais