ASSINE

Caminhoneiro é feito refém e tem carga roubada em Iúna

O crime aconteceu na quarta (1°), quando vítima parou em posto para descansar. Ele passou noite no mato com um dos bandidos até ser liberado no dia seguinte

Tempo de leitura: 2min
Cachoeiro de Itapemirim / Rede Gazeta
Publicado em 03/06/2022 às 11h25
Viatura da Polícia Militar
 Polícia Militar foi acionada . Crédito: Carlos Alberto Silva

Um caminhoneiro de 45 anos foi feito refém por dois bandidos durante uma parada para pernoitar em um posto, às margens da BR 262, em Pequiá, em Iúna, na Região do Caparaó. O crime aconteceu na quarta-feira (1º), mas ele somente conseguiu se libertar e acionar a polícia no dia seguinte. A carga de materiais de energia solar foi levada pelos criminosos. 

Segundo o registro da Polícia Militar, a vítima contou que, por volta das 18h de quarta, dois homens chegaram e o renderam, um estava armado com um revólver 38. Os bandidos o mandaram deitar na boleia da cabine da carreta. Os homens começaram a mexer na parte elétrica do veículo e, passado algum tempo, mandaram o motorista sair e o colocaram em um carro de passeio.

O motorista contou à polícia que os criminosos percorreram até a zona rural de Iúna, então pararam em algum lugar que ele não soube identificar. Um dos bandidos ficou com a vítima no mato e o outro saiu no veículo. Quando o dia clareou, já na quinta-feira (2), o carro veio e buscou o criminoso. Os homens mandaram o homem esperar uma hora para sair do local.

Ele contou ainda que esperou um tempo, saiu e conseguiu chegar em Iúna, onde procurou pela polícia. A Polícia Militar fez contato com a empresa, que rastreia a carreta, e informou que o veículo estaria no posto que o motorista foi abordado.

Os militares foram ao local e encontraram a carreta, porém somente a parte da frente (cavalo de força), mas a carroceria, carregada de materiais de energia solar, não estava no local. O valor da carga não foi informado.

O QUE DIZ A POLÍCIA CIVIL 

Polícia Civil foi acionada pela reportagem e informou que em casos em que não há detidos em flagrante, como este, a vítima deve registrar o fato junto à Polícia Civil para que a polícia tome ciência do caso e inicie as investigações. A população pode denunciar através do Disque-denúncia (181) qualquer tipo de irregularidade, ilegalidade ou repassar informações que ajudem as polícias na elucidação de delitos ou infrações.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.