ASSINE

SML de Colatina registra falta de funcionário mais uma vez

Nesta terça-feira (18), o local estava sem motorista para os veículos que realizam a remoção dos corpos, podendo atrasar a retirada de cadáveres de hospitais ou de locais de crimes ou acidentes

Publicado em 18/02/2020 às 20h32
Atualizado em 18/02/2020 às 20h32
SML de Colatina registra falta de funcionários mais uma vez . Crédito: Heriklis Douglas
SML de Colatina registra falta de funcionários mais uma vez . Crédito: Heriklis Douglas

Depois dos transtornos causados pela falta de água e a ausência de alguns funcionários nesta segunda-feira (17), o Serviço Médico Legal (SML) de Colatina, no Noroeste do Estado, voltou a apresentar falta em membros da equipe. Nesta terça-feira (18), o local estava sem motorista para os veículos que realizam a remoção dos corpos, podendo atrasar a retirada de cadáveres de hospitais ou de locais de crimes ou acidentes.

Os problemas causados pela falta de funcionários são antigos. Em outubro de 2019, o colunista Leonel Ximenes de A Gazeta já apontava que os SMLs de Colatina, Linhares e Cachoeiro de Itapemirim estavam sem efetivo para atender a população. No SML de Colatina, a situação se agravou ainda mais depois que três profissionais foram exonerados no mês de dezembro, dois eram motoristas.

Procurada pela reportagem, a Polícia Civil se limitou a informar que trabalha para garantir todos os serviços em funcionamento à população, e que está previsto um concurso, com 173 vagas, sendo 15 para médico-legista, 50 para perito oficial criminal e 20 para auxiliar de perícia médico-legal, mas não foi informado um prazo para a realização do processo. 

REVOLTA E DOR MARCAM ENTERRO DE JOVEM QUE O PAI TEVE QUE AJUDAR NA LIBERAÇÃO DO CORPO

O enterro de Breno Pereira da Silva Rubens, de 22 anos, foi marcado pelo sentimento de revolta, na manhã desta terça-feira (18), em Colatina. O corpo do jovem demorou a ser liberado do SML de Colatina, e o pai dele precisou ajudar na liberação, já que o local estava sem alguns funcionários. De acordo com a família, o atraso na liberação fez ainda com que o velório fosse mais curto que o esperado.

Ronildo Rubens 

Tio de Breno 

"A despedida foi muito rápida. A gente mal conseguiu ver o corpo dele, que já estava começando a entrar em decomposição. Eu acho que as autoridades deveriam ter mais amor pelas vidas e pelas famílias"
Revolta e dor marcam enterro de jovem que o pai teve que ajudar na liberação do corpo. Crédito: Reprodução/ TV Gazeta Noroeste
Revolta e dor marcam enterro de jovem que o pai teve que ajudar na liberação do corpo. Crédito: Reprodução/ TV Gazeta Noroeste

O jovem foi baleado no último domingo (17). Ele chegou a ser socorrido, mas morreu no Hospital Estadual Silvio Avidos. De acordo com a família, o corpo foi levado para o SML Colatina no início da madrugada desta segunda-feira (17), e só foi liberado durante a tarde, uma espera de mais de doze horas.

Outro tio do jovem, Israel Barcelos falou da revolta que tomou conta da família. “Essa demora na liberação do corpo só aumentou a dor da família, nós estamos todos revoltados com esse descaso, os pais dele estão muito tristes”, finalizou.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Colatina colatina

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.