ASSINE

"Gosto da ideia de hospital de campanha", defende médico do ES

O infectologista Lauro Ferreira Pinto afirma que Estado precisa de mais leitos, respiradores e dos hospitais de campanha para combater a pandemia da Covid-19

Publicado em 17/04/2020 às 09h26
Atualizado em 17/04/2020 às 14h05
O médico infectologista Lauro Ferreira Pinto durante entrevista à TV Gazeta
O médico infectologista Lauro Ferreira Pinto durante entrevista à TV Gazeta. Crédito: TV Gazeta/Reprodução

Todos os dias o Espírito Santo vê os casos confirmados do novo coronavírus crescerem. Apesar de, efetivamente, o Estado ainda não ter vivido o pico da contaminação da doença, a implantação dos hospitais de campanha é uma das saídas no combate à Covid-19, de acordo com afirmações do médico infectologista Lauro Ferreira Pinto em entrevista ao Bom Dia ES, da TV Gazeta, na manhã desta sexta-feira (17).

O especialista deu o exemplo do plano que a China, primeiro epicentro da doença, adotou assim que a situação começou a ficar alarmante. "Gosto da ideia do hospital de campanha. Na China, todos vimos que eles construíram hospitais rapidamente. Isso foi notícia. Construíram 18, sendo três fixos e 15 de campanha. Então não consigo pensar que o Espírito Santo está protegido disso (do hospital de campanha)", defendeu Lauro.

Segundo o médico, o Estado também precisa pensar em aumentar a quantidade de leitos com e sem respiradores, já que os pacientes que chegam a ser internados com o novo coronavírus têm precisado ficar sob observação ainda por um período após estabilizarem os sintomas da infecção.

"A pessoa sai do respirador e fica hospitalizada um tempo ainda. Essa doença as pessoas ficam, no mínimo, duas semanas no respirador. Imagina se chegar um paciente por dia... Tem que ter uma estrutura. Não temos leitos, precisamos de mais leitos", afirmou.

PICO DA CONTAMINAÇÃO AINDA NÃO CHEGOU

O infectologista também defendeu que as pessoas devem continuar em casa, sair quando for necessário e usar máscaras sempre que se submeterem a situações em que podem ser contaminadas. "Estamos longe de ter acelerado a curva. Estamos no período pré-pico", avaliou Lauro.

Lauro Ferreira Pinto

Médico infectologista

"Questionam muito sobre quando o pico vai chegar. Se quiser ver o pico, é só liberar todo mundo, se abraçar, se ver, mas vai morrer muita gente. Não é questão de apocalipse, é questão de matemática. Se até hoje não vimos o pico, é porque teve o distanciamento, o isolamento"

Questionado sobre possível relaxamento do isolamento, o médico disse que entende que serviços essenciais precisam funcionar, mas pensa que a sociedade não vai aderir de forma tão fácil ao retorno à rotina.

"Você acha que as pessoas vão sair com facilidade? Para comprar? Acho que tem muita coisa essencial que tem que funcionar, mas a situação não mudou. Ainda vamos subir a curva. As pessoas têm que manter distância, cautela e usar máscara", concluiu, frisando: "Se a situação não mudou, piorou, porque relaxar?".

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Coronavírus Coronavírus no ES Covid-19 doenca espírito santo Isolamento social

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.