ASSINE

Casos de suicídio de crianças e adolescentes acendem alerta no ES

Registros dessas mortes na faixa de 10 a 19 anos têm seguido um ritmo de crescimento desde 2017. As tentativas de suicídios também cresceram e causam preocupação

Publicado em 21/11/2019 às 15h09
Criança triste: um dos sinais demonstrados por crianças com ideação suicida é o isolamento. Crédito: Divulgação
Criança triste: um dos sinais demonstrados por crianças com ideação suicida é o isolamento. Crédito: Divulgação

O Espírito Santo registrou nos últimos três anos o aumento no número de casos de suicídio de crianças e adolescentes. Segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa),  em 2017 foram notificadas 10 mortes de pessoas de 10 a 19 anos. No ano seguinte, foram 13 casos e, agora em 2019, já são 16 mortes autoprovocadas. O aumento na incidência é motivo de preocupação.

Desde 2007, 122 crianças e adolescentes desta faixa etária cometeram suicídio no estado. O pior ano foi 2012, que registrou 18 casos. Em 2013 foram 5, em 2014, 10 casos, em 2016, 3, em 2017, foram 10 mortes e desde então o índice não para de subir. Situação que tem preocupado especialistas em saúde mental.

O médico psiquiatra da infância e adolescência Fausto Amarante, alerta que o suicídio é um problema de saúde pública que deve ser debatido. Ele indica que entre as causas está a depressão, doença que vem se tornando comum em nossa sociedade. E afirma que o adoecimento psíquico entre os jovens está relacionado ao acúmulo de estresse e ainda as falsa demandas da busca pela felicidade presentes na publicidade.

Nome do Autor da Citação

Cargo do Autor

"Estamos vivendo no mundo de muito estresse, de muita cobrança. Se for comparar a sociedade antiga para atual, o jovem não tinha essa demanda que tem hoje. O jovem atual vive em cima de uma publicidade que mostra que ele não será feliz se ele não viajar, ter isso ou aquilo"

NO BRASIL

Desde de 2009 o Brasil registrou um aumento exponencial em casos de suicídio. O índice saltou de 1,95 casos por 100 mil habitantes para 3,12, em 2017, segundo informações do relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância, o Unicef.

A coordenadora do Unicef, na Região Sudeste, Luciana Phebo afirma que os casos de suicídio vem aumentando ano a ano no país, entretanto ela alerta para outro problema, que é a subnotificação, que é quando não é registrado o suicídio como causa da morte para os órgãos oficiais de saúde publica.

“De modo geral, há um crescimento importante no número de suicídios entre crianças e adolescentes nos últimos 10 anos no Brasil. Passou de 714 mil para 1047. Mas essa é só a ponta do iceberg: embaixo da água existem as subnotificações, muitos casos que não ficamos sabendo”, alertou.

LESÕES AUTOPROVOCADAS

E não é só o número de mortes por suicídio que vem aumentado no estado. Outro dado preocupante é o crescente índice de notificações de lesões autoprovocadas intencionalmente também por pessoas de 10 a 19 anos. Em 2017 o Espírito Santo registrou 565 casos, em 2018 o número saltou para 1029 lesões, e em 2019 já são 1250 casos.

O médico psiquiatra Fausto Amarante, alerta que o crescente índice de lesões autoprovocadas pode estar relacionado ao isolamento entre pais e filhos.Ele detalha que a falta do contato humano pode ser prejudicial ao desenvolvimento psíquico das crianças, em que elas não aprendem a lidar com diversos sentimento como a tristeza, as decepções, e até a felicidade, e que diante disso elas se cortam para sentir algo, mesmo que seja a dor.

“Os pais estão se isolando de uma lado e os filhos ficam isolados do outro, todos nos aparelhos celulares. Se perdeu a relação de afeto e as crianças estão cobrando cada vez mais. Elas estão buscando esse espaço de contato. É uma geração que não se sente amada. Não se sente protegida e a automutilação não é para chamar atenção é busca do sentir”, alertou o médico psiquiatra.

DEPRESSÃO

Segundo os médicos, as crianças e o adolescentes manifestam sinais que indicam a depressão, como o isolamento, o baixo rendimento escolar e esportivo e mudanças no hábito alimentar. Características que devem ser observadas para se buscar ajuda de um profissional.

“Os pais precisam manter o contato com seus filhos. Observar comportamentos e também seu corpo, porque esses sinais são graves. Os sinais da auto mutilação, são sinais que realmente o adolescente está pedindo ajuda”, alertou.

O médico psiquiatra Vicente Ramatis, afirma que além da família, pessoas próximas precisam também se atentar as falas de quem pode ter depressão e não manifestar as características citadas acima.

“Pode ser uma depressão grave, mas muitas vezes é uma depressão leve em que o indivíduo faz as coisas. Mas ele está desesperançosos com as coisas, pessimistas e geralmente têm as palavras palavras chaves no discurso dele como ‘a minha dor está cada vez mais insuportável’, ‘Eu não vejo saída’, ‘Eu não acredito mais em soluções’”, disse.

A Gazeta integra o

Saiba mais
crianca suicídio

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.