ASSINE

Sim, vamos falar sobre suicídio

Pais devem ficar atentos a sinais de que o filho adolescente não está bem e iniciar o quanto antes uma conversa séria. Veja depoimentos de jovens que chegaram a tentar suicídio

Publicado em 05/10/2019 às 09h01
Jovem com sinais de depressão. Problema, se não for tratado, pode levar a atitudes extremas como o suicídio. Crédito: Shutterstock
Jovem com sinais de depressão. Problema, se não for tratado, pode levar a atitudes extremas como o suicídio. Crédito: Shutterstock

Seu filho sempre foi um adolescente como outro qualquer, com todos seus humores variados, suas vontades típicas da idade. Mas, de um tempo para cá, parece mais sério e quieto. Se alguém puxa papo, logo leva uma “patada”. E se alguém reclama, ele promete sumir. Talvez seja hora de chamar para uma conversa. Ignorar, achar que é coisa dessa fase, pode abrir brecha para um problema ganhar força: a depressão, uma das principais doenças em adolescentes, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Ela pode se manifestar em vários graus. Mas se não for tratada, pode evoluir para algo mais grave ainda e fatal. Deixar passar não é a saída. O tema vai guiar o próximo Encontros do Saber, no dia 9, um evento da Rede Gazeta em parceria com a Casa do Saber Rio, que tem como anfitriã a Revista.ag. Entre os convidados está Ricardo Krause, presidente da Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil. Com o tema “Precisamos falar sobre suicídio e homicídio entre os jovens”, o evento tem ainda a participação da psicóloga, terapeuta de família e comentarista da Rádio CBN Vitória, Adriana Muller.

“Discutir a depressão entre os jovens é importante porque essa faixa etária ainda não desenvolveu estratégias para lidar com a dor psicológica. Eles não têm experiência de vida, maturidade mesmo, para lidar com isso, e enxergam, muitas vezes, o suicídio como única saída para acabar com o sofrimento”, diz ela. São os pais que têm mais chance de perceber os sinais, que costumam acontecer dentro de casa. “Vivemos numa cultura que acredita que não se pode conversar sobre suicídio para não estimular. E que não adianta nada, porque quem quer vai se matar de qualquer jeito. O senso comum acha isso, mas as pesquisas mostram que é exatamente de diálogo que a pessoa precisa. Quanto menos ela fala, mais isolada vai ficando, e cresce a convicção de que não tem solução”.

Sentimento

Seu filho precisa se abrir. “Quando a gente fala consegue organizar o pensamento e transformar o sentimento de uma forma coerente e lógica para que o outro entenda. Isso faz com que a gente se escute e pondere sobre a situação que estamos enfrentando. Isso alivia. Mas se o contexto em que a pessoa vive não é aberto, ela tende a se isolar, o que faz com que o problema tome grandes proporções”, observa ela.

Tudo começa com um olhar mais atento. “Não é algo do dia para a noite. É um processo. A pessoa vai perdendo a esperança, tem ideias, vai planejando, a coisa vai crescendo. E ela vai dando alguns sinais”. Aí, o melhor é não esperar. “Esses comportamentos já são um pedido de ajuda. Deixar para depois pode ser tarde”. E se a iniciativa partir dele, pare o que estiver fazendo. “Nessa hora, não tem nada mais importante. Não pode virar as costas. Porque se alguém nesse grau te chama para conversar, está pedindo socorro. Não é qualquer ajuda”. Prepare-se: não vai ser fácil esse diálogo, garante Adriana. Mas esteja preparado para ele, mesmo que você esteja ouvindo desaforo o dia inteiro. É preciso ter o que ela chama de escuta generosa. “A conversa precisa ser num lugar calmo. Deve-se parar tudo e ouvir. Não é momento de dar conselhos, dizer que ele precisa se esforçar mais, se controlar mais. Não é hora de dar soluções, tentar resolver ou minimizar”.

Se não consegue fazer isso, procure outra pessoa que o faça. Mas não deixe seu filho encarar essa dor sozinho. 

O que fazer?

Observe os sinais: fique atento se seu filho está indiferente, sem planos. Ele pode estar mais isolado, se afastar dos amigos mais próximos e não curtir mais atividades que curtia antes. Veja se houve mudança no rendimento escolar, sono, apetite. Ele pode estar mais agressivo do que o habitual e soltar frases do tipo: “eu vou sumir”, “vou deixar vocês em paz”, “sou um perdedor mesmo” ou “os outros são mais felizes sem mim...”. 

Chame para uma conversa

Não espere para ter uma conversa. E se seu filho tomar essa iniciativa, pare o que estiver fazendo. Não deixe para depois. É um pedido de ajuda de alguém desesperado

Como conversar

Escolha um local calmo, confortável. Não vai ser na porta do prédio, no pátio da escola ou no shopping. Não tente dar conselhos, soluções, tentar resolver ou minimizar a questão. Pratique uma escuta generosa, sem julgamentos. Uma dica é fazer perguntas abertas, que não podem ser respondidas com um simples “sim” ou “não. Uma questão pode ser, por exemplo: “Qual foi a última vez que você viu seus amigos?”.

Peça ajuda

Se não for possível para você ter essa conversa, chame outra pessoa de confiança que possa fazer isso. Avô, avó, tio, tia, primo, um padre ou pastor, qualquer pessoa que possa ter a chamada escuta generosa, sem querer dar conselhos ou sugerir soluções. Alguém para simplesmente ouvir seu filho e acolhê-lo nesse momento.

A Gazeta integra o

Saiba mais
suicídio

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.