Imetame aguarda liberação para começar obras em porto e abrir 950 vagas

Construção deve se iniciar nas próximas semanas após o último trâmite burocrático ser concluído. Devem ser gerados até 650 empregos diretos e outros 300 indiretos no auge das obras

Publicado em 06/10/2020 às 16h08
Atualizado em 06/10/2020 às 16h12
Porto será construído pela Imetame no município de Aracruz
Porto será construído pela Imetame no município de Aracruz. Crédito: Divulgação / Imetame

A Imetame Logística Porto aguarda somente a assinatura do contrato de cessão com a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) para dar início às obras do terminal portuário que será construído em Aracruz, Norte do Estado. Segundo a empresa, o processo se encontra em trâmites finais de análise, e, assim que houver a liberação, dará início à construção, que deve criar cerca de 950 vagas de trabalho de forma direta e indireta.

A informação havia sido adiantada pelo governador Renato Casagrande durante pronunciamento em evento de renovação do contrato do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) com a Log-in Logística e inauguração do novo Cais de Atalaia, na segunda-feira (5).

“Estamos com uma perspectiva extraordinária na área portuária. Entre outros casos, temos perspectiva de investimentos fortes no porto da Imetame, cuja obra vai ter início nos próximos dias”, destacou o governador na ocasião.

Embora não confirme exatamente quando as obras começarão, a Imetame reforçou que a previsão é de que tenham início ainda em 2020. É estimado um investimento na ordem de R$ 1 bilhão para a conclusão dos trabalhos.

De acordo com a empresa, as obras acontecerão em duas etapas. “A previsão para a conclusão da primeira fase é de três anos que contempla a movimentação de contêineres e carga geral.”

A empresa informou ainda que os serviços serão realizados de forma gradativa, e as vagas serão disponibilizadas conforme avanço das obras.

Estão previstas 650 oportunidades diretas para motoristas, operadores de equipamentos, e profissionais da construção civil, e outras 300 indiretas, na cadeia de fornecimento.

Para a etapa de operação, quando o porto entrar em atividade com a sua capacidade máxima, a empresa estima criar 640 oportunidades diretas, além de outras 1.000 indiretas.

Mais detalhes sobre as vagas, serão divulgadas através dos canais de comunicação da empresa e outros meios a serem definidos, após a assinatura do contrato de cessão com a SPU.

A autorização para início das obras foi assinada em julho pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. Segundo a Imetame, o porto está modelado para atender os mais diversos setores produtivos com serviços de apoio à importação e exportação de cargas, como também embarque e desembarque de contêineres, carga geral, grãos e granéis líquidos.

Além disso, toda a programação será eletrônica, desenhada para uma operação 100% automatizada e apta para a próxima geração de navios do Brasil.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, o porto detém autorização para movimentação de carga geral, focadas em veículos e granito. Novos projetos de melhoria visam incluir outros tipos de carga, nos perfis de granel sólido, granel líquido e gasoso e carga conteinerizada.

Quando finalizado, a área total do porto será de 1 milhão de metros quadrados. No cronograma de obras estão previstas a dragagem do canal de acesso, construção de área do dique e quebra-mar, aterro, sinalização náutica e instalação de equipamentos.

A expectativa é gerar 25 mil empregos na cadeia produtiva portuária e de logística após o início da operação do porto, conforme já mostrado por reportagem de A Gazeta.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.