ASSINE

ES cria 23 mil novos empregos em 2019, melhor resultado em 5 anos

Mesmo sem acabar o ano, resultado já é o melhor desde 2014. Retomada do emprego foi puxada pelo setor de serviços

Publicado em 19/12/2019 às 17h45
Atualizado em 19/12/2019 às 19h47
Movimentação em shopping: comércio foi o setor que mais contratou em novembro. Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil
Movimentação em shopping: comércio foi o setor que mais contratou em novembro. Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil

O mercado de trabalho capixaba deve fechar 2019 como o melhor ano na abertura de empregos formais desde 2014. Só até novembro, o saldo no Espírito Santo foi de 22,9 mil vagas de carteira assinada criadas. O número já supera todo o ano de 2018, quando foram abertos 18 mil postos de trabalho. 

No auge da crise econômica, entre 2015 e 2017, as demissões superaram as contratações no Estado e mais de 80 mil postos de trabalhos formais foram fechados. O mesmo cenário tem sido registrado a nível de Brasil, que neste ano já registra a abertura de 948,3 mil vagas, melhor saldo nacional desde 2013.

Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Ministério da Economia. Assim como o resultado nacional, a geração de vagas no Espírito Santo foi puxada pelos setores de serviços e comércio.

CONSUMO DAS FAMÍLIAS IMPULSIONA CONTRATAÇÕES NO SETOR DE SERVIÇOS

Entre janeiro e novembro, o setor de serviços abriu 12,7 mil postos de trabalho no Estado e 44,2 mil no Brasil. Ou seja, o Espírito Santo foi o responsável por 29% da criação de vagas no setor em todo o país.

Na quarta-feira (19), durante a apresentação do resultado do Produto Interno Bruto (PIB) capixaba no terceiro trimestre, o coordenador de Estudos Econômicos do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) chegou a comentar sobre o bom momento do setor.

Antônio Ricardo Freislebem da Rocha

Coordenador de Estudos Econômicos do Instituto Jones

"Esse crescimento (do setor de serviços) é um bom sinalizador de retomada futura da economia, pois mostra que as famílias estão demandando e consumindo cada vez mais produtos e serviços"

A maior geração de vagas no setor de serviços foi no segmento de comercialização e administração de imóveis, valores mobiliários e serviços técnicos, com criação de 6,5 mil postos. Na sequência, aparecem os segmentos de serviços de alimentação, alojamento e manutenção (1,8 mil vagas), ensino (1,6 mil) e transportes e comunicação (1,6 mil).

Já o comércio abriu cerca de 3 mil vagas no ano, até novembro. O destaque é o segmento varejista, que acumula um total de 2,1 mil novos postos criados.

O terceiro setor que mais criou oportunidades foi o da indústria de transformação, que teve saldo de 2,5 mil empregos no ano. Na sequência estão a construção civil (2,4 mil vagas), agropecuária (1,1 mil), serviços industriais de utilidade pública (657), administração pública (264), e indústria extrativa mineral (167).

MÊS DE NOVEMBRO NO ES TEVE CRIAÇÃO DE 2,6 MIL VAGAS

Avaliando só o mês de novembro, as demissões superaram as contratações no Espírito Santo em 2.616 vagas. O saldo positivo no mês também foi puxado pelo comércio (com 1,8 mil vagas) e pelo setor de serviços (1,4 mil). 

O mês porém teve saldo de empregos negativo na construção civil (-319 postos de trabalho), na agropecuária (-247), indústria extrativa mineral (-64) e indústria da transformação (-11).

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
desemprego empregos es

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.