ASSINE
Carreiras surgem para atender novas tecnologias
Carreiras surgem para atender novas tecnologias. Crédito: rawpixel.com / Techi/ Freepik

Conheça as 14 novas profissões que surgiram após a onda de startups

UX Writer, agile coach, custumer success e startup hunter são apenas alguns exemplos desse universo de novas carreiras; confira os profissionais que o mercado tecnológico quer neste momento

Tempo de leitura: 4min
Vitória
Publicado em 09/01/2022 às 08h22

As revoluções tecnológicas causam sempre um grande impacto no mercado de trabalho. E com a chegada das startups não poderia ser diferente. Com toda esta movimentação, é natural surgirem profissões para solucionar novos desafios. UX Writer, agile coach, custumer success e startup hunter são apenas alguns exemplos desse universo de novas carreiras. Todas elas se complementam e, com a chegada da tecnologia 5G, outras tantas ainda vão surgir nos próximos anos.

Um outro exemplo de posição que passou a fazer parte do dia a dia das empresas é o de product designer, voltada para o desenvolvimento de produtos. Ana Claudia de Lima, de 35 anos, ocupa o cargo desde maio na fintech Will Bank, com sede em Vitória.

Formada em psicologia, ela trabalhou na área por alguns anos até que decidiu trocar de profissão e partir para uma segunda graduação. Desta vez, o curso escolhido foi o de Sistemas de Informação. Com as facilidades do home office, ela consegue atuar no banco digital em sua casa em Recife.

 Ana Claudia de Lima,  product designer da Will Bank. Crédito: Acervo pessoal
Ana Claudia de Lima, product designer da Will Bank. Crédito: Acervo pessoal

Ana Claudia de Lima

Product designer

"Logo após a minha formação, migrei para área de designer de produto. Minha primeira experiência foi no núcleo do hospital das clínicas e agora, atuo no banco digital. Gosto de trabalhar com coisas que impactam a sociedade e mesmo na área financeira consigo aliar a tecnologia com a psicologia. E uma dessas maneiras é avaliar como o usuário se comporta ao utilizar a plataforma"

O diretor-presidente da Associação Capixaba de Tecnologia (Act!on), Emilio Barbosa, lembra que muitas dessas profissões têm uma relação direta com a vinda das startups. Entretanto, algumas outras são transformadas para atender às novas demandas de mercado.

É o caso do user interface (UI), que se preocupava com a interface gráfica, e hoje é conhecido como UX (responsável pela comunicação com o usuário). Barbosa alerta que esta é uma carreira que já passa por outra transformação, recebendo a dominação de CX, ou seja, o profissional que olha para o cliente como um todo.

Uma nova posição destacada pelo diretor-presidente da Act!on é a voice experience, que é aquele que analisa as experiências do usuário ao utilizar os assistentes virtuais como Google Assistente. A ideia é oferecer experiências inovadoras, deixando claro para o usuário que ele não conversa com um robô.

Além disso, Barbosa cita que em alguns países já começa a surgir a carreira de walker talker, que é o especialista que ajuda pessoas idosas a usarem a tecnologia.

A diretora de Pessoas e Cultura do PicPay, Luiza Gomide, cita outros exemplos de funções que foram surgindo à medida que o mercado e a tecnologia foram amadurecendo. Entre elas estão especialistas em growth, lead of design, product manager e customer.

“Assim como provocou uma mudança de hábitos das pessoas, a tecnologia influenciou o mercado de trabalho. Várias dessas profissões, especialmente em tech, são inerentes ao surgimento de aplicativos, por exemplo. Então é difícil discernir quem veio primeiro, porque tanto startups como fintechs têm, muitas vezes, a tecnologia no core e buscam suprir suas demandas e necessidades no recrutamento e aperfeiçoamento de talentos, levando a uma modernização do mercado”, esclarece.

A diretora de Pessoas & Cultura do Will Bank, Marília Amêndola, elenca ainda os profissionais de DevOps, que são os especialistas que atuam com as equipes de planejamento do projeto, passando em seguida para o desenvolvimento. Eles lidam diretamente com o controle dos códigos e na integração dele com a segurança da rede.

Marília Amêndola

Diretora de Pessoas & Cultura do Will Bank

"As coisas estão se desenvolvendo e crescendo muito rápido e, às vezes, mudanças são necessárias para se adaptar melhor ao que o mercado está querendo. Para isso, precisamos de pessoas com capacidade de desenvolver suas soft skills, além de saber trabalhar em cenários instáveis e ambientes diversos, tomar decisões rápidas e avaliar riscos. Na empresa, os colaboradores fazem parte de times multidisciplinares e não mais divididos por departamento"

Luiza Gomide, do Picpay, ressalta que a vantagem dessas novas profissões é que elas envolvem habilidades que não necessariamente estão atreladas a uma formação específica, o que permite mais flexibilidade e variedade nas experiências de cada profissional.

“Por exemplo, um agile coach deve ter habilidades de ensino, resolução de problemas e coaching. O UX writer deve usar seu conhecimento não só da linguagem, mas também de comportamento, já que busca otimizar a experiência de quem usa a plataforma a partir do conteúdo. Essa lógica se aplica a todas essas novas carreiras. Nesse caso, falamos muito mais de soft skills e valores, que são reforçados pelo conhecimento técnico do que o contrário”, pontua a diretora.

Ela destaca que as novas profissões exigem mais habilidades comportamentais do que a maioria das tradicionais. Por conta disso, Luiza acredita que os valores e comportamento devem guiar o recrutamento.

Luiza Gomide

Diretora de Pessoas e Cultura do Picpay

"As competências técnicas são fundamentais e queremos ter as melhores pessoas do mercado. Mas nosso time será mais engajado, motivado e realizado se estiver trabalhando naquilo que acredita. Esse propósito deve ser compartilhado. No aplicativo, esse perfil se traduz em sete valores: atitude de dono, humildade, determinação, disponibilidade, disciplina, simplicidade e franqueza"

Em meados de 2020, o aplicativo contava com 1,5 mil funcionários. Hoje, já são mais de 3,6 mil. É um avanço de mais de duas vezes em um ano e meio, que está alinhado à evolução da companhia. A empresa acredita que o crescimento vai continuar forte no próximo ano, e isso também deve se refletir na contratação de pessoas.

Marília Amêndola, do Will Bank, cita que a fintech procura profissionais com visão de negócios financeiros, criação de produtos digitais, diversas linguagens de programação como java, node, go, entre outros. Também é necessário ter capacidade em trabalhar e tomar decisões em times multidisciplinares, fit cultural com nossa visão de decisão orientada por dados, trabalho colaborativo e interdependente, protagonismo e auto-gestão.

Outra característica necessária para trabalhar no setor de tecnologia da empresa é ter conhecimento em alguma linguagem de programação e em produtos digitais. Mesmo na pandemia do coronavírus, o Will Bank dobrou o número de profissionais. Desde janeiro deste ano, foram contratadas 800 pessoas. Só para se ter uma ideia, as equipes de tecnologia e dados cresceram 78%, enquanto que as de produtos, design e marketing, 164%.

“No próximo ano, queremos crescer 100% nosso time de tecnologia, que suportará a diversificação dos produtos e sustentabilidade da nossa plataforma. Puxados com esse crescimento, os times de dados, riscos e produtos cresceram em alta proporção”, afirma.

ALGUMAS PROFISSÕES QUE SURGIRAM COM AS STATUPS

  1. 01

    Startups hunter

    Profissional focado na descoberta de novas startups, geralmente atua dentro de empresas de investimentos. A maioria das startups tem pouco capital humano e alta necessidade de investimento externo e é o startups hunter que seleciona quais delas estão aptas para serem investidas. Ele faz a conexão entre a startup e as aplicações.

  2. 02

    UX writer

    Uma profissão que se modificou. Antes conhecido como roteirista, o UX Writer trabalha com o conteúdo que vai estabelecer a melhor relação com o cliente por meio do roteiro. Roteirizar o processo de relacionamento entre o consumidor e o produto ou serviço é fundamental para que o modelo de negócio das startups consiga atender de forma eficaz a relação com o consumidor. Um bom exemplo é o ciclo de perguntas e respostas para os assistentes virtuais. Uma função ocupada, geralmente, por jornalistas, publicitários ou até psicólogos.

  3. 03

    Satartup scanner ou investigadores

    Profissional que investiga a startup, faz o perfil da empresa baseado em dados coletados sobre quem está à frente da empresa. Como as startups têm a característica de serem empresas pequenas, às vezes de uma ou duas pessoas, esse profissional faz uma investigação sobre o comportamento psicológico do gestor. Como o diretor da empresa se comporta diante das condições de mercado. O investigador vai indicar se a startup oferece condições aos investidores, se a empresa não é uma opção equivocada, de acordo com o seu perfil psicológico comportamental.

  4. 04

    Curador startup

    Após a identificação das startups, o curador analisa quais as melhores empresas a serem investidas. Ainda no radar dos investidores, a curadoria analisa a capacidade e maturidade da startup em relação ao mercado. É o profissional que vai selecionar quais as melhores empresas para serem investidas, uma vez que os investidores têm mais de uma startups para compor a sua carteira de investimento.

  5. 05

    Startups SEO

    O SEO ( Search Engine Optimization) é o gestor de tráfego. O profissional responsável por organizar, analisar e liberar demandas, estratégias e ações para colocar a empresa em destaque na web. Ele é responsável por gerar a possibilidade de vendas e resultados a um cliente, por intermédio de ferramentas disponibilizadas pelo marketing digital. O gestor de tráfego (SEO) faz a organização das atividades, demandas e serviços oferecidos por uma agência de publicidade, marketing digital e afins. Este cargo funciona como um maestro que rege todos os processos que compõem a produtividade diária para que as empresas sejam encontradas na web.

  6. 06

    Data scientist

    É o profissional capacitado para reunir, interpretar e comunicar toda informação relevante contida em toneladas de dados que diariamente as empresas armazenam sobre o comportamento das pessoas, sejam elas seus clientes, prospects, funcionários, entre outros. Também conhecido como a Inteligência do Negócio, este profissional lida com a Big Data. É ele que vai contribuir com outros setores da empresa, como o Startup SEO, que precisa de informações sobre as características do comportamento, preferências, dados demográficos, entre outros.

  7. 07

    Startup API

    Uma profissão que trabalha com a engenharia dos sistemas. Um especialista que tem a visão Machine to Machine. É esse profissional de API (Application Programming Interface) que vai fazer com que os sistemas interajam uns com os outros. O profissional cria a interface que se comunica com os sistemas sem a interferência do ser humano. Como exemplo, os softwares de busca que consomem API para interagir com o que se procura e o que oferece a resposta.

  8. 08

    Arquiteto cloud

    É um dos cargos mais novos, é o arquiteto em cloud que é responsável pela infraestrutura de nuvem oferecida aos clientes. Ele avalia as necessidades do negócio e define como implementar a nuvem usando a tecnologia disponível.

  9. 09

    Startup redes públicas

    Uma das mais valorizadas profissões, o especialista em redes públicas é o profissional capaz de dimensionar, orçar e programar a complexa atuação dos aplicativos nas mais variadas redes: Amazon, Google, Google Cloud, Azure, entre outras. É ele quem consegue ter a visão das dificuldades e desenvolvimento necessário para que um aplicativo seja instalado nas plataformas públicas e funcione corretamente.

  10. 10

    Cyber AI ou especialista em inteligência artificial

    Com a premissa que não vai mais existir vida em TI sem a presença da Inteligência Artificial, este profissional é o responsável pela tecnologia de autoaprendizagem. O Cyber AI é o desenvolvedor que atua na segurança, na comunicação dos sistemas que realizam bilhões de cálculos baseados em probabilidades diante da evidência em constante evolução e, principalmente, na passagem pelas redes públicas.

  11. 11

    Agile coach ou delivery coach

    É um profissional capaz de orientar times extremamente técnicos e de maneira veloz. A metodologia agile está inserida no gerenciamento de projeto e utiliza ciclos curtos de desenvolvimentos de produtos e serviços.

  12. 12

    Costumer success

    É o profissional que se dedica a descobrir duas variáveis durante a experiência do consumidor: resultados necessários (o que o cliente deseja alcançar) e experiência apropriada (relacionada a como ele precisa alcançar). Resumidamente, é o profissional que auxilia o cliente a usar o software depois de adquirido.

  13. 13

    Desenvolvedor de aplicativo

    A profissão surgiu junto com a popularização dos smartphones. A atuação do desenvolvedor ou aperfeiçoar algum aplicativo. É ele quem define a arquitetura do programa, a linguagem, as etapas de criação, a navegação, entre outras.

  14. 14

    Product designer

    É o profissional que desenvolve a criação de um produto (físico ou digital) participando de todo o seu processo. O product designer tem como função criar ou evoluir um produto ou até resolver um problema, utilizando metodologias, abordagens e técnicas.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Carreira Tecnologia Mercado de trabalho Startup

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.