ASSINE

Após fracasso de negociação, Heringer continua tentando venda da empresa

Caso a empresa não seja vendida, o plano de recuperação judicial apresenta a possibilidade de venda de seis das 19 unidades de produção, comercialização e distribuição de fertilizantes que o grupo possui

Publicado em 07/01/2020 às 19h40
Unidade da Heringer em Viana. Unidade capixaba não está na listada para venda no acordo de recuperação judicial. Crédito: Heringer | Divulgação
Unidade da Heringer em Viana. Unidade capixaba não está na listada para venda no acordo de recuperação judicial. Crédito: Heringer | Divulgação

A administração da Fertilizantes Heringer, empresa criada no Espírito Santo e que está em recuperação judicial, vai seguir tentando uma negociação para concluir a venda da companhia. Recentemente a organização anunciou que a negociação com investidores russos não chegou a um consenso e a venda fracassou.

De acordo com representantes da Relação com Investidores (RI) da Heringer, em 2020 a empresa vai focar em seguir o plano de recuperação judicial já foi aprovado. “Este vai ser um ano desafiador, mas contamos com assessorias financeiras que estão auxiliando a empresa em busca de futuras negociações”, informou a equipe de RI.

Caso a empresa não seja vendida, o plano de recuperação judicial apresenta a possibilidade de venda de seis das 19 unidades de produção, comercialização e distribuição de fertilizantes que possui.

As unidades que podem ser vendidas são as de Rosário do Catete (SE), Dourados (MS), Três Corações (MG), Rio Verde (GO), Porto Alegre (RS) e Rio Grande (RS). Juntas, as unidades foram avaliadas em mais de R$ 238 milhões - considerando construções, laboratórios, terrenos, e máquinas e equipamentos.

A equipe de RI da empresa não falou sobre a possibilidade de demissões caso as unidades acima sejam vendidas. A unidade de Viana não aparece na lista para possível venda.

“2020 é o ano para seguir o plano de recuperação. Fazer os pagamentos que foram acordados e, se necessário, vender uma ou outra unidade”, comentou a equipe de RI da Heringer. O plano de recuperação, apesar de já ter sido aprovado, ainda não foi homologado pela Justiça. A expectativa é que isso aconteça até o final de fevereiro.

Segundo consta no plano de recuperação judicial, a empresa tem dívidas que somam mais de R$ 1,8 bilhão. O faturamento da companhia que chegou a R$ 5,3 bilhões em 2016 caiu para R$ 3,8 bilhões em 2018.

INVESTIDORES RUSSOS DEMONSTRARAM INTERESSE NA HERINGER

Em setembro passado a Heringer divulgou que investidores russos enviaram uma carta de intenções para a compra da empresa. Foi determinado um prazo até dezembro do ano passado para que a negociação ocorresse com exclusividade. Porém, ao término do prazo estabelecido, não houve acordo entre as partes.

Na época a empresa chegou a informar que a decisão já fazia parte de um plano de reestruturação da companhia diante da grave crise que ela vem enfrentando no mercado, especialmente desde 2018.

Em janeiro do ano passado, a Heringer informou que iria fechar algumas plantas no país e demitir funcionários. No comunicado, a empresa afirmava que estava impossibilitada, inclusive, de pagar os salários depois de ter as contas bloqueadas pela Justiça. Na época, a companhia contava com 3 mil trabalhadores. No mesmo mês, dois diretores renunciaram ao cargo.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Viana espírito santo viana

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.