ASSINE

Aeroporto de Vitória pode ganhar até lojas de grifes internacionais

Nova operadora do terminal quer explorar o conceito mais comercial do espaço e já negocia com marcas locais, nacionais e também do exterior

Publicado em 07/11/2019 às 18h00
Aeroporto Eurico Salles deve ganhar novas lojas. Crédito: Vitor Jubini
Aeroporto Eurico Salles deve ganhar novas lojas. Crédito: Vitor Jubini

A concessionária que vai assumir em janeiro a gestão do Aeroporto Internacional de Vitória quer ampliar as atividades comerciais no local. A ideia é transformar o terminal aéreo em uma espécie de shopping com lojas locais, nacionais e até com grifes internacionais. Para isso, negociações já começaram a ser feitas.

A ideia é explorar o fato de o sítio aeroportuário estar dentro da cidade e numa área nobre para permitir que ali seja um ambiente de encontro para um café, almoço, shows e outras atividades comerciais e de entretenimento. Ou seja, atrair o usuário para o aeroporto mesmo que ele não vá pegar um voo.

Os planos para o terminal foram anunciados na manhã desta quinta-feira (7) pelos representantes da empresa Aeroportos do Sudeste do Brasil (ASeB) - subsidiária da empresa suíça Zurich Airport, que venceu o leilão de concessão dos aeroportos de Vitória e Macaé

A ASeB anunciou nesta quinta-feira que passa a controlar as operações no terminal capixaba no dia 2 de janeiro. Até lá, a empresa está em período de transição, atuando em parceria com a Infraero para observar os procedimentos de controle e operação do terminal.

Matthias Poeter, CEO da ASeB, subsidiária da Zurich. Crédito: Vitor Jubini
Matthias Poeter, CEO da ASeB, subsidiária da Zurich. Crédito: Vitor Jubini

Matthias Poeter

CEO da ASeB, subsidiária da Zurich

"Esse terminal também pode desenvolver uma referência para a cidade, para os cidadãos. Para jantar, para entretenimento. Como já começou com a área de shows no aeroporto. Esse é o conceito que vamos seguir. Como temos as últimas áreas nobres da cidade para o desenvolvimento urbano, vamos trabalhar agora em como desenvolver essa parte do aeroporto como parte da cidade também. Precisamos dessa sinergia na cidade e na região"

Restaurantes, cafés e espaços para entretenimento estão no radar da empresa, que agora desenvolve um plano diretor para captar potenciais interessados. O estudo desenvolvido vai durar de seis a dez meses e tem como objetivo conhecer a região, empresas e possíveis negócios para o local. Após esse prazo, lojas nacionais e internacionais podem ser vistas em pleno funcionamento no Aeroporto de Vitória.

"Já pensamos em novas lojas, em uma nova oferta comercial. Iniciamos isso com pequenas coisas como quiosques para tomar um sorvete, comprar chocolate. Isso antes de introduzir um conceito mais global da oferta comercial aqui no aeroporto, que talvez também precise de alguma mudança na infraestrutura e na arquitetura do terminal”, explicou Poeter.

A Gazeta integra o

Saiba mais
aeroporto de vitória

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.