ASSINE

Trabalhadores em situação análoga à escravidão são resgatados em Vila Valério

Além da falta de salário e das péssimas condições de trabalho e moradia, parte deles testou positivo para Covid-19 e ainda assim eram mantidos juntos sem nenhum tipo de tratamento ou isolamento

Colatina / Rede Gazeta
Publicado em 07/05/2021 às 20h15
Atualizado em 10/05/2021 às 20h31
Trabalhadores vivam em
Trabalhadores vivam em alojamentos precários. Crédito: Gabriela Fardin/TV Gazeta

Atualização

10 de Maio de 2021 às 20:27

Após a publicação da matéria, que trazia a informação de que 62 trabalhadores foram resgatados, a SRTE-ES informou que foram identificados mais profissionais que estavam nas mesmas condições. O total de resgatados, então, passou para aproximadamente 80 trabalhadores. O texto foi atualizado.

Quase 80 trabalhadores vindos de Minas Gerais foram encontrados em condições análogas à escravidão em uma propriedade rural de Vila Valério, no Noroeste do Espírito Santo. Eles foram o local para trabalhar na colheita do café e, após denúncias, foram resgatados nesta sexta-feira (7) por auditores fiscais do trabalho em uma operação que contou com o apoio da Polícia Federal.

De acordo com a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE-ES), além das péssimas condições de trabalho e moradia e da falta de pagamento de salários e outros direitos trabalhistas, parte deles testou positivo para Covid-19 e eram mantidos no local sem tratamento de saúde ou isolamento. A propriedade fica na localidade de Jurama, interior do município.

Os trabalhadores foram resgatados por auditores fiscais do trabalho em uma operação que contou com o apoio da Polícia Federal
Os trabalhadores foram resgatados por auditores fiscais do trabalho em uma operação que contou com o apoio da Polícia Federal. Crédito: Gabriela Fardin

De acordo com o auditor fiscal do trabalho e superintendente substituto da SRTE-ES, Alcimar Candeias, os trabalhadores foram testados quando chegaram na cidade e alguns tiveram resultado positivo para a doença.

"Eles fizeram a testagem, mas não tomaram providência nenhuma relacionada aos protocolos contra a Covid-19. As pessoas, mesmo doentes, foram mantidas trabalhando e alojadas junto aos demais, sem que houvesse isolamento", afirmou Candeias.

Os trabalhadores atuavam na Fazenda Vargem Alegre, que pertence ao empresário Raul Alves Roberti. Ele é marido da secretária de Saúde de Vila Valério, Cazuza Rossini. 

Ainda segundo o auditor, ao tomar conhecimento de que haveria uma fiscalização, o proprietário da fazenda tentou retirar os trabalhadores do local. “A fiscalização chegou a tempo. Quando chegamos lá, as pessoas estavam com as bolsas prontas", detalhou. O dono da fazenda não foi encontrado no local. 

CONDIÇÕES DE TRABALHO E MORADIA 

Os trabalhadores encontrados em Vila Valério são de cidades do Vale do Jequitinhonha, em Minas. A região é uma das mais pobres do estado vizinho. Eles saíram de casa no dia 17 de abril e teriam sido agenciados por um homem que atua trazendo essas pessoas para trabalhar na colheita do café no Espírito Santo. Esse tipo de agenciador é popularmente conhecido como gato.

Ao chegarem em Vila Valério, os trabalhadores foram divididos em pequenos alojamentos que não tinham a estrutura adequada para abrigar os moradores. Os banheiros não têm água quente e em um único quarto ficavam 10 mulheres. Além disso, três adolescentes de 16 e 17 anos estavam trabalhando no local. 

Locais contavam com estrutura inadequada de trabalho e moradia
Locais contavam com estrutura inadequada de trabalho e moradia . Crédito: Gabriela Fardin

Além disso, os trabalhadores tiveram a carteira de trabalho retida pelos empregadores. Segundo Alcimar, além de não receberem salários, eles eram ameaçados pelo proprietário, que dizia que eles teriam que trabalhar para pagar o dinheiro gasto com suas passagens.

A alimentação também seria descontada deles no fim da colheita. Além disso, no local tinha uma venda, onde as compras também seriam descontadas dos valores a serem recebidos. Em função disso, eles eram impedidos de deixar a propriedade.

Os auditores fiscais vão lavrar autos de infração. O proprietário também terá que assinar a carteira e fazer a rescisão desses trabalhadores, quitando todos os débitos trabalhistas. Todos eles farão novos testes da Covid-19 e a expectativa é que voltem para a casa na próxima semana.

Procurada pela reportagem, a advogada Tatiana Costa Jardim, que defende o proprietário da fazenda, disse que nem ela nem o empresário receberam nenhuma notificação formal do caso e que Raul estava fora da cidade hoje.

O QUE DIZ A PREFEITURA

A Prefeitura de Vila Valério confirmou que a fazenda na qual foram constatadas as irregularidades pertence a familiares da atual secretária de Saúde.

No entanto, o município afirmou que a testagem para a Covid-19 foi realizada em trabalhadores de diversas propriedades rurais de Vila Valério e pontuou que não houve nenhum tipo de privilégio em relação à fazenda dos parentes da secretária. A Prefeitura disse, ainda, que Cazuza Rossini não sabia das irregularidades que aconteciam na fazenda do marido.

* Com informações da TV Gazeta e do G1 ES

A Gazeta integra o

Saiba mais
Agronegócio Vila Valério Café capixaba ES Norte Leis Trabalhistas

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.