Volta às aulas pode colocar em risco a estabilização da Covid-19 na Grande Vitória

Pós-doutora em Epidemiologia e professora da Ufes, Ethel Maciel, entende que retornar com atividades que concentrem número elevado de pessoas, como aulas presenciais, podem elevar novamente o quadro de contágio do novo coronavírus no Estado

Publicado em 06/07/2020 às 13h57
Atualizado em 06/07/2020 às 13h57
A pós-doutora em Epidemiologia e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Ethel Maciel, em entrevista à TV Gazeta
A pós-doutora em Epidemiologia e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Ethel Maciel, em entrevista à TV Gazeta. Crédito: Reprodução / TV Gazeta

Estabilizada, mas longe de estar controlada. Este é o cenário atual da pandemia do novo coronavírus na Grande Vitória, segundo a pós-doutora em Epidemiologia e professora da Ufes, Ethel Maciel. Embora o ritmo de contágio e mortes apresente sinais de estabilização na Região Metropolitana do Estado, o momento não permite uma flexibilização ainda maior, como o retorno das aulas presenciais, por exemplo.

A pós-doutora em Epidemiologia e professora da Ufes, Ethel Maciel, explicou, em entrevista à Rádio CBN Vitória na manhã desta segunda-feira (6), que os riscos ainda são elevados.

"Podemos dizer que temos uma tendência de estabilização, mas controlada eu não diria. Só quando tivermos um percentual de mortes menor poderemos afirmar isso", disse.

"Ainda estamos perdendo muitas pessoas. Chegamos a mais de 800 mortes. Estabilizamos, porém, na parte alta da curva. Não começamos a descer, é o que chamamos de platô, ainda estamos lá em cima. Não dá para dizer que está controlado, apenas estabilizado", disse Ethel, complementando que permitir que mais pessoas sejam expostas pode rapidamente alterar o quadro estável. Nesse sentido, o ambiente escolar tradicional deve ser mantido em desuso.

Muitos usuários do Transcol estão usando a máscara de proteção contra o coronavírus. Mas ainda é possível ver alguns em ela ´
Muitos usuários do Transcol estão usando a máscara de proteção contra o coronavírus. Mas ainda é possível ver alguns em ela ´. Crédito: Carlos Alberto Silva

"Temos uma parcela importante da população que ainda está em isolamento das atividades (estudantes, professores, servidores). Se contarmos todas elas, temos mais de um milhão de pessoas que estão em casa e não precisam se deslocar, pegar ônibus. Vamos ter de pensar muito bem, pois se você as coloca na rua, muda toda a curva epidêmica e também a tendência de estabilização. São mais pessoas que não tiveram contato com o vírus. Vão surgir os surtos em escolas e outros locais, por exemplo. Tudo tem que ser muito planejado a partir de agora. Infelizmente ainda não temos controle da doença, apenas uma estabilização na Grande Vitória", destacou.

INTERIOR PREOCUPA

O cenário de estabilização observado na Grande Vitória, ainda está longe de ocorrer no interior do Estado. Para a pós-doutora em epidemiologia, o cenário, em muitas cidades, é de pouca rede de assistência às pessoas. E como a Covid-19 está em processo de interiorização, a soma de mais casos com uma estrutura precária de atendimento pode, inclusive, sobrecarregar o sistema de saúde da Região Metropolitana ou municípios maiores, para onde esses pacientes são transferidos.

Novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com respirador no Hospital Jayme Santos Neves, na Serra.
A falta de rede de saúde estruturada em cidades do interior pode sobrecarregar os leitos na Grande Vitória, além de ameaçar a estabilização    . Crédito: Reprodução/TV

"No interior a doença vem com uma aceleração e alguns municípios não possuem sequer hospitais. Há uma preocupação enorme de como vai se dado esse manejo dos casos nesses locais, se a atenção primária de saúde vai conseguir atender esses casos. Será muito grave se esses pacientes precisarem ser transportadas para locais que tenham hospitais. Uma coisa é estar a 15 minutos de um hospital, outra é estar a 2, 3 horas com um paciente em estado grave e entubado. Paciente grave tendo de ser locomovido é preocupante e delicado. No trajeto pode haver mudança rápida do quadro clínico. Locomover um paciente em estado grave já é arriscado até mesmo dentro do hospital. Colocando-o na estrada, ainda que em uma ambulância equipada é muito arriscado", salientou Ethel.

INVERNO

Como se já bastasse o avanço da Covid-19 para o interior, a chegada da estação mais fria do ano pode sobrecarregar ainda mais à rede de atendimento e elevar o número de doenças respiratórias, além do próprio coronavírus. Para evitar que o percentual de casos aumente, Ethel Maciel orienta que as pessoas busquem pelas vacinas já existentes.

Frio em Santa Teresa
O Estado já registra baixas temperaturas na estação em cidades mais elevadas. No inverno, aumentam também os números de doenças respiratórias. Crédito: Internauta/Everton Moreira

"Nosso inverno não é tão rigoroso, mas algumas cidades do Estado têm temperaturas mais baixas. No inverno, já há uma tendência das pessoas ficarem em ambientes mais fechados e as doenças respiratórias aumentam naturalmente na estação. Por isso chamo a atenção para a vacinação. Teremos morte pelo H1n1, não existe só a Covid-19, há outras doenças respiratórias. A Influenza, por exemplo, causou muitos óbitos também em anos anteriores. Por isso é muito importante que não se vacinou, corra atrás da vacina. Ela existe é preciso que se aplique no maior número de pessoas", analisou a professora da Universidade Federal do Espírito Santo."

ESTRATÉGIA CORRETA

"Estamos no campo das incertezas ainda. Olhando para o passado, podemos fazer algumas projeções. Temos movimentação grande no transporte coletivo, que é comprovado ser um local de grande contaminação, inclusive o inquérito sorológico feito no Estado indicou isso. Sabemos que um contingente enorme de estudante usam esse serviço, principalmente, na educação básica. Colocaríamos muitas pessoas em risco, não temos medidas protetivas para garantir segurança. É o que ocorreu com os profissionais da saúde, por exemplo", disse.

Ethel acrescentou ainda que "não conseguimos nem resolver a questão dos profissionais que estão em flexibilização. Os motoristas, por exemplo, estão sob risco, ficam horas expostos. Tinham que ter a garantia de EPIs, teriam de ter testes se estão ou não infectados. Hoje só é testado quem apresenta sintoma. A OMS tem protocolos com testagem de 7 em 7 ou de 15 em 15 dias, dependendo do grau de exposição. As escolas são locais naturais de aglomerações, precisaríamos de ter protocolos como ocorre em outros países. A Espanha planeja só em setembro, e lá a situação está muito mais controlada. Na nossa realidade, seria mais difícil de colocar. A França, que reabriu quando a curva estava caindo, teve de voltar atrás e fechou 70 escolas porque surgiram muitos casos novos", explicou.

Para Ethel, só haverá segurança epidemiológica para o retorno das aulas presenciais e das demais atividades com o advento da vacina, além da ampla aplicação da mesma na população.

"A volta segura deveria ser quando tivermos a vacina. As duas mais avançadas, a chinesa e a inglesa, são esperanças concretas. Elas apresentaram resultados bons nas fases anteriores. Acredito que no início do ano que vem já tenhamos. Temos de planejar tudo isso. As questões não são triviais, precisam ser bem pensadas e elaboradas para que não coloquemos a vida de mais pessoas em risco", salientou a especialista.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.