ASSINE

Veterinários criam cadeira de rodas para cachorra atropelada em Colatina

Maysa perdeu os movimentos das duas patas traseiras após ser atropelada. Ela passou por cirurgia devido a uma lesão na coluna e, agora, se adapta ao equipamento e busca por um lar

Tempo de leitura: 2min
Colatina
Publicado em 23/06/2022 às 19h33

A cachorrinha Maysa perdeu os movimentos das duas patas traseiras após ser atropelada há cerca de três meses, mas, com a ajuda de médicos e estudantes de um hospital veterinário em Colatina, no Noroeste do Espírito Santo, ela ganhou uma nova chance de andar. Uma cadeira de rodas improvisada elaborada pela unidade para permitir que a cadelinha tenha mais mobilidade.

Após o atropelamento, Maysa foi socorrida e atendida pela equipe do Hospital Veterinário do Centro Universitário do Espírito Santo (Unesc), onde foi constatada uma lesão na coluna da cachorra, que a impediria de andar.

“Fizemos uma radiografia e constatamos uma fratura completa entre a transição da coluna torácica e lombar, uma fratura muito grave. E por meio de exame neurológico, detectamos que seria pouco provável que ela conseguisse andar como um animal normal”, explicou a médica veterinária residente Sara Palmejani.

Veterinários criam cadeira de rodas para cachorrinha atropelada em Colatina
Maysa usa uma cadeira de rodas improvisada que foi construída pelo hospital veterinário. Crédito: Hericklis Douglas

Depois da avaliação da equipe hospitalar, Maysa precisou passar por uma cirurgia, que estabilizou a dor e permitiu que a cachorrinha conseguisse se locomover sem depender totalmente da cadeira de rodas.

“Mesmo que ela não sinta esse membro e nem sinta dor, e não consiga controlar esse membro, ela começa a adaptar o resto da musculatura corporal. E esses reflexos desenvolvidos na medula são utilizados para tentar desenvolver um andar, que é chamado de andar atáxico, que não é um andar coordenado”, disse o professor e médico veterinário Igor Martins.

MAYSA ESTÁ EM BUSCA DE UM LAR

A cachorrinha continua fazendo terapia semanalmente para fortalecer os movimentos dos membros inferiores e está à procura de um lar. “Maysa requer alguns cuidados por conta da condição dela. Ela não pode ficar em um piso áspero, por exemplo, porque pode se machucar. Precisa ter tempo para cuidar e um espaço adequado. Mas ela é super alegre e tem muito amor para dar”, afirma a diretora do hospital veterinário, Jéssica Miranda Cota.

Veterinários criam cadeira de rodas para cachorrinha atropelada em Colatina
Cachorrinha atropelada é atendida por equipe de hospital veterinário em Colatina. Crédito: Hericklis Douglas

O veterinário Igor explica que o andar, mesmo descoordenado, junto com a cadeira de rodas, permitem que o animal tenha uma vida normal e muito ativa como a de qualquer outro bichinho de estimação.

Igor Martins

Professor e médico veterinário

"Ela tem total condição de sobrevivência, de qualidade de vida e oferece tudo que qualquer outro animal poderia oferecer. E pode oferecer momentos mais prazerosos de conquista mútua que você não conseguiria encontrar de outra forma"

Quer adotar a Maysa? Basta entrar em contato com o hospital veterinário pelo telefone (27) 3723-3113.

Veterinários criam cadeira de rodas para cachorrinha atropelada em Colatina
Veterinários criam cadeira de rodas para cachorrinha atropelada em Colatina. Crédito: Hericklis Douglas

A Gazeta integra o

Saiba mais
Colatina Espírito Santo Mundo Animal atropelamento cachorro Pets

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.