ASSINE

Trabalhadores usam bicicleta para evitar contaminação em ônibus

Dados da Federação Espírito Santense de Ciclismo (Fesc) indicam que a comercialização e uso das bicicletas na Grande Vitória aumentou cerca de 40%

Publicado em 24/08/2020 às 06h00
Atualizado em 24/08/2020 às 08h43
Trabalhadores usam bicicleta para evitar contaminação em ônibus
Trabalhadores usam bicicleta para evitar contaminação em ônibus. Crédito: Reprodução/Acervo pessoal

Acordar de madrugada, se arrumar, pegar a bicicleta e pedalar por cerca de 40 minutos de casa até o trabalho para encarar uma jornada na operação de máquinas pesadas. É assim a rotina de Uanderson Miranda Correia, de 40 anos. Morador do bairro São Judas Tadeu, na Serra, ele trabalha em Civit II, no mesmo município.

Para fugir da aglomeração e do risco por contágio do coronavírus nos ônibus do Sistema Transcol, Uanderson e diversos outros profissionais da Grande Vitória estão optando seguir o trajeto de casa até o trabalho em um veículo de locomoção alternativo aos ônibus.

Em julho, A Gazeta mostrou relatos, fotos e vídeos enviados pelos passageiros que utilizam os ônibus do Transcol diariamente.  Eles narraram a dificuldade de manter o distanciamento social, reclamaram da aglomeração e de organização nos terminais. 

A preocupação tem fundamento porque a quarta fase do inquérito sorológico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) apontou que 29,1% dos capixabas que testaram positivo passaram mais de 30 minutos dentro dos ônibus, onde quase nunca é possível respeitar a distância mínima de um metro, recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Quando opta pelo Transcol, Uanderson pega o ônibus que faz a linha 828 (São Marcos - Terminal de Laranjeiras) perto da casa dele às 5h50. Quando chega no terminal, segue caminhando até o trabalho. A viagem dura em torno de 60 minutos. Segundo ele, o período não é o problema, mas sim as condições da viagem.

Uanderson Correia Miranda

Operador de máquinas

"Eu pego ônibus às 5h50 e já sai lotado. Vou em pé. Do ponto de ônibus do Planalto Serrano em diante é que vai lotado mesmo. Todos os bancos ocupados, o pessoal aglomerado, nem parece que tem pandemia. A volta é pior ainda. A fila no terminal é gigantesca"

Há cerca de dois meses, o operador de máquinas pesadas foi diagnosticado com Covid-19. Após cumprir o isolamento, foi considerado curado. Mesmo após esse período, ele reclama que ainda não conseguiu recuperar o paladar. Das comidas e bebidas, consegue distinguir o que é doce e salgado. O sabor, sente somente o de refrigerante.

“Não sei como, onde e nem quando fui infectado. Mas me preocupo muito com minha família. De bicicleta, também é arriscado porque é preciso dividir espaço com os carros, ônibus e pontos sem estrutura adequada para receber ciclistas. Mesmo diante das dificuldades, prefiro seguir meus 40 minutos pedalando”

CRESCIMENTO

De acordo com Marcos Paulo Silva Duarte, presidente da Federação Espírito Santense de Ciclismo (Fesc) a comercialização e o uso de bicicletas durante a pandemia cresceram cerca de 40% na Grande Vitória. No Brasil, a partir da análise de publicações nacionais, ele estima um crescimento entre 50% a 70% na comercialização.

Marcos Paulo Silva Duarte

Presidente da Federação Espírito Santense de Ciclismo (Fesc)

"Mundialmente, já estava aumentando o uso da bicicleta como meio de transporte, não só como meio de lazer, desportivo e esportivo. A pandemia potencializou diversas áreas. As pessoas estão percebendo o avanço da ciclomobilidade, se sentindo mais seguro e aderindo"

Além de desafogar o trânsito, o presidente da Fesc também relaciona a prática do ciclismo ao melhor desenvolvimento físico e mental. Segundo ele, algumas empresas capixabas também estão estimulando o uso do veículo com a adequação de espaços para os colaboradores ciclistas.

Marcos Paulo

Presidente da Fesc

"A bicicleta veio para ficar como meio de transporte. As pessoas não estão passando aquele estresse diário como vivem dentro do Transcol. Na bike, quando você está concentrado para chegar no seu trabalho, pode ter um momento seu e isso tem fortalecido bastante a saúde física e mental"

Marcos Paulo defende a ampliação local e a integração da malha cicloviária da região metropolitana. Uma das propostas da Federação é a instalação de espaços públicos onde os ciclistas tenham acesso a ferramentas que facilitem o reparo dos veículos que apresentarem problemas no deslocamento diário.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.