ASSINE

"Não haverá festa de fim de ano em praias do ES", diz subsecretário

Subsecretário de vigilância em Saúde Luiz Carlos Reblin foi categórico durante pronunciamento desta segunda-feira (30); shows ou eventos fechados para a virada também estão proibidos

Vitória
Publicado em 30/11/2020 às 17h43
Atualizado em 30/11/2020 às 19h29
Fogos no ano-novo 2019/2020 na Praia de Camburi em Vitória
Queima de fogos de artifício encantaram capixabas na virada do ano de 2019-2020, na Praia de Camburi, em Vitória. Crédito: Vitor Jubini

A praticamente um mês para o Réveillon 2021, o subsecretário de vigilância em Saúde do Espírito Santo, Luiz Carlos Reblin, foi categórico ao afirmar que qualquer tipo de evento que suscite as típicas aglomerações das viradas de ano não é nem será permitido desta vez, por causa da pandemia do novo coronavírus.

Durante a coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (30), ele reforçou que já há portarias e instrumentos jurídicos publicados pelo Governo do Estado que sinalizam a "recomendação da não realização de atividades de passagem de ano em praias, com fogos de artifício, aglomeração e instalação de tendas".

Luiz Carlos Reblin

Subsecretário de vigilância em saúde do Espírito Santo

"Não haverá festa de fim de ano em praia, não haverá eventos, não são permitidos shows em praça pública, em boates ou eventos fechados. Infelizmente, essas festas de fim de ano serão diferentes"

Por isso, ele alertou os capixabas de que a venda e a aquisição de ingressos para eventos deste tipo não são posturas adequadas neste momento. "Se você oferecer ou verificar nas redes sociais a compra antecipada de entradas, saiba que essa atividade não será permitida", garantiu Reblin.

A despeito das orientações, há cerca de duas semanas, Guarapari anunciou que teria queima de fogos na praia — a única cidade da Grande Vitória a confirmar alguma programação de ano novo. No entanto, nesta tarde, a prefeitura afirmou que a definição só será divulgada em dezembro.

RESTRIÇÃO NÃO DEVE CHEGAR A COMÉRCIO E SERVIÇOS

Além da proibição de eventos de Réveillon, a coletiva desta tarde da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) deixou claro que as restrições mais rígidas não devem ser feitas às demais atividades econômicas, como lojas e restaurantes, até o final do ano, apesar da crescente de casos no Espírito Santo.

A exceção, segundo Luiz Carlos Reblin, seria se os municípios capixabas atingissem o risco alto para a transmissão da Covid-19. "Aí, então, haverá medidas restritivas de toda ordem", afirmou. "Por isso é necessário que toda a sociedade mantenha o risco moderado, seguindo as medidas de segurança", completou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.