ASSINE

Médico explica a relação entre casos de AVC e coronavírus

O médico José Antônio Fiorot Junior, que é neurologista e coordenador do setor no Hospital Estadual Central, diz que há relatos em que o AVC foi o primeiro sintoma da Covid-19

Publicado em 28/04/2020 às 09h11
Atualizado em 28/04/2020 às 09h16
O médico neurologista José Antônio Fiorot fala sobre a relação entre o coronavírus e o AVC
O médico neurologista José Antônio Fiorot fala sobre a relação entre o coronavírus e o AVC. Crédito: Reprodução / TV Gazeta

Por ser uma doença nova e ainda sem muitos estudos aprofundados do impacto que pode causar em outras partes do corpo, além do sistema respiratório, relatos de médicos ao redor do mundo começam a apontar o novo coronavírus como fator para outras implicações. E uma delas é o Acidente Vascular Cerebral (AVC). Especialistas estão, inclusive, registrando a doença neurológica em pacientes mais jovens, que não teriam motivo para tê-la.

Em entrevista ao Bom Dia Espírito Santo, da TV Gazeta, o médico José Antônio Fiorot Junior, que é neurologista e coordenador do setor no Hospital Estadual Central, explicou a relação entre as doenças.

“A doença (coronavírus) acaba causando inflamação em diversos vasos sanguíneos no cérebro. Essa inflamação provoca a formação de trombos, que vão entupir o vaso e impedir o fluxo sanguíneo. Trombo é como se fossem coágulos, o sangue que endurece. Então, a pele que reveste os vasos acaba tendo um receptor para esse vírus e isso gera uma inflamação, uma doença que a gente chama de vasculite. [...] Sem chegar sangue no cérebro, o cérebro morre, e é o que a gente chama de AVC isquêmico”, disse.

PACIENTES JOVENS

Ainda segundo o especialista, pessoas mais jovens e que não teriam motivos para ter um AVC por não terem fatores de risco - como a hipertensão, obesidade, e diabetes - estão tendo o Acidente Vascular Cerebral.

“Os relatos que a gente tem visto na literatura, principalmente internacional, é que algumas vezes o AVC foi o primeiro sintoma da doença. É surpreendente. Os pacientes não tinham sintomas respiratórios clássicos e abriram um quadro tendo um AVC, um paciente mais jovem tendo um AVC isquêmico”, destacou.

O AVC é a segunda doença que mais mata no Brasil. Segundo o médico, por medo de contrair o vírus, muitas pessoas estão deixando de procurar atendimento quando apresentam os sintomas. E isso é perigoso, já que o tratamento para a doença deve ser aplicado horas depois das primeiras mudanças.

“Grandes centros de AVC no mundo estão reportando uma redução de 30% a 40% no número de atendimentos. E os AVCs continuam acontecendo. É uma doença que você tem poucas horas para procurar o atendimento. Os tratamentos que podem ser feitos são no máximo de 4h30, e de 6 a 8 horas. Se o paciente espera demais, não tem muito mais o que a equipe médica fazer, e o paciente vai ficar com a sequela ou vai acabar falecendo”, avalia. 

SINTOMAS

Por isso, Fiorot explica os sintomas e o que o paciente deve fazer imediatamente ao identificá-los.

“Em 85% dos casos, é bem fácil identificar um AVC. O paciente tem uma paralisia em um lado do corpo, normalmente só em um lado, a boca entorta, a parte de baixo do rosto entorta, e o paciente tem dificuldade para falar. Se um desses três achados acontece de uma forma súbita, mais de 80% das vezes é um AVC que está acontecendo. Então, é fácil identificar um AVC. Quando identificar, tem que procurar no hospital que está preparado para atender o AVC, ou ligar para o Samu 192 para que ele leve para um hospital que está preparado para atender”, explicou.

Ainda de acordo com o médico, na Grande Vitória, o Hospital Estadual Central, na Capital, é a referência no tratamento de AVC. Além dele, há hospitais particulares que também têm a possibilidade de realizar o atendimento.

Coronavírus: Precisou ir à rua? Veja o que fazer ao voltar para casa

Ilustração de Amarildo - toalha
TOALHAS DE ROSTO E PANO DE PRATO - Quando há mais de um morador de casa, especialistas recomendam que cada um use sua própria toalha de rosto, assim como deveria acontecer com a tolha de banho. . Amarildo
Ilustração de Amarildo - alimentos
ALIMENTOS - Alimentos comprados nas feiras ou nos supermercados também devem ser higienizados. Por terem sido manipulados diversas vezes até chegarem à mão e à mesa do consumidor, a dica do doutor em ciência dos alimentos, Rodrigo Scherer, é que frutas e verduras sejam limpas com água e sabão e ainda submetidas a uma imersão composta por água potável e água sanitária. . Amarildo
Ilustração de Amarildo - alcool gel
MAÇANETAS E PUXADORES DE ARMÁRIOS  - Ao chegar casa, tire os sapatos, adereços, celulares, chaves e mochila. Se possível, tire as roupas e coloque em uma sacola plástica ou cesta de roupas (com demais roupas usadas para sair). O segundo passo é higienizar as mãos. Depois, limpar as maçanetas externas e externas com álcool 70º ou desinfetante. Se você teve de tocar em algum puxador, esse item também precisa ser limpo. Amarildo
Ilustração de Amarildo - chave - anel
ADEREÇOS E CHAVES - Adereços como joias e chaves podem ser limpos com desinfetante ou com álcool 70%. . Amarildo
Ilustração de Amarildo - sapato
SAPATOS E PISOS - A limpeza dos sapatos e dos pisos - porcelanato, cerâmica, madeira - deve ser feita de acordo com o que recomenda o fabricante do produto. O infectologista Wladimir Queiroz destaca que álcool, água e sabão ou desinfetante são eficientes na limpeza e eliminação do vírus da superfície que pode estar contaminada. . Amarildo
Ilustração de Amarildo - camisa
ROUPAS - Os especialistas recomendam que a roupa usada na rua seja imediatamente trocada por outra limpa, quando for permanecer em casa. Ao retornar da rua, as peças devem ser encaminhadas para a área destinada. . Amarildo
Ilustração de Amarildo - maçaneta
MAÇANETAS E PUXADORES DE ARMÁRIOS  - Ao chegar casa, tire os sapatos, adereços, celulares, chaves e mochila. Se possível, tire as roupas e coloque em uma sacola plástica ou cesta de roupas (com demais roupas usadas para sair). O segundo passo é higienizar as mãos. Depois, limpar as maçanetas externas e externas com álcool 70º ou desinfetante. Se você teve de tocar em algum puxador, esse item também precisa ser limpo. Amarildo
Ilustração de Amarildo - bolsa - mohila
BOLSAS E MOCHILAS - Esses recipientes podem ser higienizados com álcool 70% líquido ou em gel. Com papel toalha ou um pano, aplique o produto em uma pequena superfície para verificar se o objeto não será danificado. Se não, aplique a quantidade deseja. Amarildo
Ilustração de Amarildo - celular
CELULAR - Celular e tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região esbranquiçada. . Amarildo
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.
CELULAR - Celular e
tablet podem ser limpas com álcool isopropilico. Aplique uma pequena quantidade
na toalha descartável ou pano e limpe a tela. Nas partes de plástico, a
recomendação é usar um pano com desinfetante. O álcool pode deixar essa região
esbranquiçada.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.