ASSINE

Lei institui Cordão de Girassol para identificação de deficiências ocultas no ES

Medida sancionada pelo governador Renato Casagrande nesta quinta-feira (16) reconhece o acessório como ferramenta de identificação de pessoas acometidas com doenças não visíveis, como o autismo

Tempo de leitura: 2min
Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 17/12/2021 às 11h40
Cordão de Girassol
O cordão de girassol é um acessório que auxilia na identificação de pessoas com deficiências ocultas. Crédito: Divulgação

Para facilitar e humanizar o atendimento aos portadores de doenças ocultas, o governador Renato Casagrande sancionou, nesta quinta-feira (16), a lei n. 11.488, que reconhece o uso do Cordão de Girassol como instrumento auxiliar de orientação para a identificação de pessoas com deficiências ocultas, como o autismo.

De acordo com a lei publicada no Diário Oficial, o Cordão ou Colar de Girassol consiste em uma faixa estreita de tecido, ou material equivalente, sempre na cor verde, estampada com desenhos de girassóis, podendo ter ainda um crachá com informações úteis, este ficando a critério do portador ou responsáveis em utilizá-lo.

Além do autismo, também são classificadas como deficiências ocultas aquelas que não são fisicamente e visualmente identificadas, como o Transtorno de Déficit de Atenção (TDA), transtornos ligados à demência, Doença de Crohn, colite ulcerosa e fobias extremas.

USO FACULTATIVO

A utilização do acessório de identificação é facultativo. Desta forma, cabe aos indivíduos portadores das doenças, acompanhantes, tutores e atendentes pessoais definir se vai ou não usar o cordão. Ainda de acordo com a lei, de autoria do deputado Capitão Assumção (Patriota), o colar não garante fator condicionante a direitos assegurados à pessoas com deficiência, caso de quem é portador de Síndrome de Down, por exemplo.

Pelo menos 10 leis trazem direitos para proteger pessoas com autismo
O autismo é uma das deficiências classificadas como oculta, por não apresentar sinais visíveis de identificação. Crédito: Freepik

Com a lei já em vigor, os estabelecimentos públicos e privados devem orientar funcionários e colaboradores quanto à identificação de pessoas com deficiências ocultas mediante a utilização do Cordão de Girassol. O intuito é que o atendimento seja facilitado e atenue as eventuais dificuldades que estas pessoas possam ter.

Além do Espírito Santo, outros estados e também o Distrito Federal já implementaram o Cordão de Girassol no Brasil. O acessório ganhou notoriedade em 2016 após ser criado por colaboradores do Aeroporto de Gatwick, em Londres, para identificar pessoas com as deficiências ocultas e agilizar os trâmites dos portadores das respectivas doenças. 

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.