> >
Justiça manda soltar marido de médica morta em quarto de hotel em Colatina

Justiça manda soltar marido de médica morta em quarto de hotel em Colatina

Fuvio Luziano Serafim teve a prisão preventiva revogada na tarde desta sexta-feira (1º); ele é acusado de matar a esposa Juliana Pimenta Ruas El Aouar, no dia 2 de setembro

Publicado em 1 de dezembro de 2023 às 17:49- Atualizado há 3 meses

Ícone - Tempo de Leitura 4min de leitura
Fuvio Luziano Serafim e Juliana Pimenta Ruas El-Aouar
Fuvio Luziano Serafim e Juliana Pimenta Ruas El-Aouar eram casados; ele é acusado de matar a esposa. (Redes Sociais)
Mariana Lopes
Repórter / [email protected]

Fuvio Luziano Serafim, de 44 anos, acusado de matar a médica Juliana Pimenta Ruas El Aouar, de 39 anos, em um quarto de hotel, em Colatina, no Noroeste do Espírito Santo, no dia 2 de setembro deste ano, teve a prisão preventiva revogada e recebeu alvará de soltura na tarde desta sexta-feira (1).

A decisão foi tomada após a juíza Silvia Fonseca Silva, em audiência de instrução realizada na 1ª Vara Criminal de Colatina na manhã desta quinta-feira, entender que "não persistem os motivos que ensejaram a manutenção" da prisão de Fuvio.

O ex-prefeito da cidade de Catuji, em Minas Gerais, havia sido denunciado pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES) pela prática das condutas de feminicídio qualificado pela asfixia, fraude processual majorada e consumo partilhado de drogas. 

A denúncia foi ajuizada pelo MPES e aceita pela Justiça Estadual no dia 18 de outubro

A juíza entendeu ainda que "ao menos por ora, não se fazem presentes os requisitos ensejadores da decretação de prisão preventiva do réu, podendo esta ser substituída por medidas cautelares sem prejuízo ao andamento processual", decretou em documento.

No entanto, a magistrada frisou que devido às circunstâncias do fato, Fuvio não deve mudar de residência, sem prévia permissão do Juízo, ou se ausentar por mais de oito dias de sua residência, sem comunicar o lugar onde será encontrado.

O que diz a defesa

Em nota enviada à reportagem, a defesa de Fuvio Luziano Serafim, representada pelo advogado Pedro Lozer Pacheco, declarou que "conforme demonstrado nos autos, na realidade dos fatos referentes ao fatídico que infelizmente levou a óbito a Dra. Juliana, a prova colhida nestes exaustivos dias de instrução demonstrou, no entendimento da Defesa, que o Sr. Fuvio não contribuiu, de qualquer maneira, com o óbito. Que então, diante da ausência de elementos capazes de manter a prisão, requeremos a aplicação de medidas cautelares diversas da prisão, conforme Art. 319 do Código de Processo Penal", comunicou.

Relembre o caso

O ex-prefeito da cidade de Catuji, em Minas Gerais, Fuvio Luziano Serafim, de 44 anos, foi preso no dia 2 de setembro, então suspeito de matar a esposa médica Juliana Pimenta Ruas El Aouar, de 39 anos, em um quarto de hotel em Colatina.

O motorista do casal, Robson Gonçalves dos Santos, de 52 anos, também foi preso em flagrante, suspeito de participar do crime, mas teve a prisão revogada e recebeu o alvará de soltura no dia 18 de outubro

Cronologia dos fatos

  • HÓSPEDES RECLAMARAM | O gerente do hotel disse que outros hóspedes reclamaram de bagunça e barulho no quarto do casal;

  • MARIDO ALTERADO | De manhã, Fuvio foi até a recepção do hotel, bastante alterado, querendo pagar a conta e dizendo que a esposa estava passando mal e teria desmaiado. Nesse momento, a equipe do estabelecimento chamou o Serviço de Atendimento de Urgência (Samu/192) que constatou óbito no local;

  • INFORMAÇÃO DIFERENTE | Conforme consta no boletim de ocorrência da PM, um agente da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Colatina compareceu ao local do fato para realizar as diligências. Ao questionar Fuvio sobre o que teria acontecido dentro do quarto, o homem relatou que a esposa teria passado por um procedimento cirúrgico;

  • MACHUCADOS E SANGUE | Segundo o boletim de ocorrência, no quarto do hotel onde estavam hospedados foram encontrados pela perícia sangue nas roupas de cama e a médica toda machucada;

  • QUARTO REVIRADO | No documento consta também que os peritos encontraram o quarto revirado, com vidros de remédios quebrados e a janela do quarto onde o casal estava aberta. Isso levou aos profissionais a verificaram se se havia sido jogado para fora do espaço. A polícia informou que o caso está sendo investigado como feminicídio e homicídio;

  • LAUDO | O laudo do Serviço Médico Legal informou que a médica sofreu de hipoxemia (baixa concentração de oxigênio no sangue), asfixia mecânica; broncoaspiração (entrada de substâncias estranhas, tais como alimentos e saliva, na via respiratória) e traumatismo cranioencefálico (lesão física ao tecido cerebral que, temporária ou permanentemente, incapacita a função cerebral).
  • RELACIONAMENTO CONTURBADO | O casal estava junto havia cinco anos, mas segundo Samir Sagi El-Aouar, pai da vítima, Fuvio e Juliana viviam um relacionamento com problemas há algum tempo;

Este vídeo pode te interessar

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais