ASSINE

Itapemirim proíbe carnaval de rua, shows e caixas de som nas praias

Decreto proíbe shows artísticos, incluindo marchinhas, matinês, batucadas, desfiles e música ao vivo, funcionamento de boates e eventos com shows pirotécnicos

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 26/01/2022 às 16h45

A Prefeitura de Itapemirim publicou um decreto proibindo a realização de shows – incluindo marchinhas, matinês, batucadas e desfiles, previstos em carnaval de rua – e o uso de amplificadores de som nas praias do município, localizado no Sul do Espírito Santo. Segundo a administração municipal, as regras, editadas na segunda-feira (24) e já em vigor, são medidas sanitárias restritivas para prevenir a disseminação da Covid-19

Festa evento show
Decreto de Itapemirim proíbe a realização de shows como de música ao vivo no município. Crédito: Pixabay

As restrições contidas no Decreto nº 17.702/22: se aplicam a todo e qualquer evento independente da natureza, promovidos por iniciativa pública ou particular, seja em lugares públicos ou comércios. Veja o que fica proibido em Itapemirim, independente da classificação de risco divulgada semanalmente pelo governo do Estado:

  • Shows artísticos, incluindo marchinhas, matinês, batucadas, desfiles e música ao vivo 
  • Funcionamento de boates e eventos com shows pirotécnicos 
  • Permanência e circulação de instrumentos amplificadores de som, bem como som automotivo e equipamentos sonoros portáteis nas praias e vias públicas do município, ligados ou desligados sob pena de aplicação multas pela fiscalização ambiental

SOM ALTO: PREVISÃO DE MULTA 

A legislação especifica quais são os limites máximos da emissão de som. Para isso, determina os limites de decibéis toleráveis, durante o dia e a noite, em espaços urbanos ou rurais, além de ambientes comerciais e residenciais. Confira abaixo o decreto na íntegra:

Decreto nº 17.702/22, da Prefeitura de Itapemirim

Documento foi editado no dia 24 de janeiro de 2022

Para quem descumprir a legislação, há previsão de multa de R$ 631,30 para veículos leves de pequeno porte, R$ 1.893,91 para veículos pesados de grande porte, e R$ 1.262,61 quando o som for produzido em imóveis. Em todos os casos,  pode haver a apreensão dos equipamentos sonoros.

Segundo a Secretaria Municipal de Turismo, a fiscalização será feita pela Polícia Militar, Guarda Municipal, Secretária Municipal de Saúde por meio da Vigilância Sanitária, e pelos fiscais tributários do munícipio.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.