ASSINE

Guarapari cancela carnaval, proíbe carros de som e excursões

O objetivo é evitar aglomerações e o fluxo intenso de pessoas nas vias da cidade.  Decreto foi publicado nesta segunda-feira (01). Confira todas as regras

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 01/02/2021 às 19h08
Atualizado em 02/02/2021 às 13h57
Praia do Morro, em Guarapari, estava lotada na manhã deste sábado (26)
Praia do Morro, em Guarapari, estava lotada na manhã deste sábado (26). Crédito: Reprodução / TV Gazeta

Os turistas e também os capixabas que pretender passar o feriado do carnaval em Guarapari  devem se adaptar às regras da cidade este ano. Nesta segunda-feira (01) , a prefeitura publicou o decreto que define novas medidas de enfrentamento à pandemia do coronavírus, entre elas está a proibição de blocos e eventos carnavalescos. 

O objetivo é evitar aglomerações e o fluxo intenso de pessoas nas vias da cidade. 

Além do carnaval de rua, também estará proibida a entrada de ônibus de turismo, excursões, micro-ônibus e vans no município. Inclusive, serão realizadas barreiras sanitárias e blitz todos os dias para impedir o acesso desses transportes, segundo a Secretaria Municipal de Postura e Trânsito (Semap).

Também fica proibido  a utilização de veículos com equipamentos de som, fixo ou móvel, que reproduzam ou amplifiquem o som com níveis de intensidade acima de 55 decibéis. 

MULTAS

O decreto municipal também estabelece que, em caso de  descumprimento das normas, podem ser aplicadas multas de R$ 24 mil até R$4 milhões, conforme tabela estipulada pelo município. 

Quem vai curtir a areia da praia também deve estar atento. O uso de caixas de som nas praias do município segue proibido e, em caso de descumprimento, o proprietário poderá ter seu equipamento apreendido e receber multa no valor superior a R$ 2 mil. 

COVID-19

Na semana de 01 a 07 de fevereiro, a cidade está na classificação de risco alto para a transmissão do coronavírus, segundo o mapa de risco produzido semanalmente pelo governo do Estado. 

A classificação é feita com base em boletins epidemiológicos que consideram o número de pessoas infectadas, mortes e ocupação de leitos. 

No final do ano, a cidade teve presença forte de turistas mesmo com a suspensão das comemorações, o que os especialistas na área da saúde acreditam ter influenciado no avanço da pandemia na cidade. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.