ASSINE

ES deve chegar a 400 mortes por Covid-19 até dia 20 de maio, diz Sesa

O subsecretário de Estado de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, contou, em entrevista à jornalista Fernanda Queiroz, na CBN Vitória, que  a doença avança não apenas na Grande Vitória, como também em outros municípios do Estado

Publicado em 13/05/2020 às 13h48
Atualizado em 13/05/2020 às 13h48
Dados mostram mortes por dia que ocorreu e dia divulgado
Dados mostram mortes por dia que ocorreu e dia divulgado . Crédito: Divulgação

O número de mortes por Covid-19 deve chegar a 400 ainda no dia 20 deste mês de maio. A informação é do subsecretário de Estado de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, em entrevista à jornalista Fernanda Queiroz, na CBN Vitória, na manhã desta quarta-feira (13). Ele contou que o novo coronavírus avança não apenas na Grande Vitória, como em outros municípios do Estado, fazendo com que, consequentemente,  o número de mortes também cresça. Reblin ainda explicou como funciona o teste de anticorpos da doença, que já começou a ser realizado em domicílios no Estado para o inquérito sorológico

"A gente vê que, infelizmente, os óbitos entraram em uma curva mais considerável. Nos últimos dez dias, a média era dez óbitos por dia. Já nos últimos três dias, os óbitos saltaram para 15 por dia e 31 óbitos estão em investigação nesse momento. A estimativa é que a gente chegue no próximo dia 20 aos 400 óbitos. Isso ocorre porque o número de casos aumentou e a expensão da doença passou para todas as áreas do Estado, contribuindo para o crescimento dos óbitos", disse o subsecretário. Confira abaixo outras informações passadas por Reblin durante a entrevista.

Os testes da Covid-19 já começaram a ser feitos na população?

Sim, e nosso secretário (Nésio Fernandes, secretário da Sesa) esteve presente na iniciação dos trabalhos, apresentando ao capixaba essa constante atividade que tem interesse em desenhar o mapa do momento atual da doença no Espírito Santo. A partir dessa fotografia, poderemos melhorar nossas intervenções, as atividades de saúde e alterar o fluxo e a liberação da circulação de pessoas.

São 27 cidades escolhidas para a realização do inquérito sorológico?

Sim, iniciamos hoje com 19 cidades e na etapa seguinte serão as 27 cidades. A pessoa vai receber a visita de uma equipe da saúde, profissionais dos próprios municípios, que irão fazer abordagem, conversar com família e pedir a concordância para a realização do teste. O teste é muito simples: um furo no dedo para retirar duas gotas de sangue, que são colocadas em um leitor e em dez 15 minutos já há o resultado do exame. Se a pessoa for positiva, significa já teve contato com o vírus ou ainda está ativa, para saber isso, a equipe fará a leitura. Então, vamos estender o teste para as demais pessoas da família. É preciso pelo menos sete dias para a pessoa produzir anticorpos suficientes para dar resultado positivo no teste.

Como a primeira pessoa testada da família é escolhida?

A pessoa é escolhida mediante sorteio, assim como a casa. Todo mundo vai se dirigir para um setor censitário do IBGE, nesse local a casa é sorteada e na residência é sorteado um membro da família. Se ele der positivo, outros também fazem o teste. Serve para casas, condomínios e prédios.

As pessoas podem se candidatar para serem testadas?

Não. Não é recomendável porque precisa ser totalmente aleatório. Não pode ser porque tem sintomas, ou porque não tem. A seleção não pode ter nenhum tipo de interferência de sintoma, idade, etc. Tem que ser completamente aleatório. É amostragem do IBGE, tem que seguir à risca. Essa medida que vai valer para todo Estado, não para uma região específica.

Como é esse teste?

É o teste de anticorpo, que vai medir se a pessoa tem ou não anticorpos contra o coronavírus. Se tem, já significa que ela entrou em contato com o vírus. Se não, não teve contato. A partir desse resultado, vamos fazer uma análise estatística e a partir dessa análise conseguiremos fazer o mapa do espírito Santo de maneira regionalizada. Assim, poderemos saber onde a doença já circulou, onde teve maior ou menor intensidade, tanto para organizar serviço de saúde, quanto para trabalhar a flexibilidade atividades comércio serviço daquela região. A amostragem não é feita por bairro ou classe social, e sim,  por região, como Grande Vitória, por exemplo. Na segunda etapa iremos tentar saber como esse contágio caminhou. 

Como identificar o funcionário que fará a testagem?

O funcionário tem crachá e normalmente são equipes de agentes comunitários ou dengue que já atuam região. Eles trabalham uniformizados com capote, máscara, óculos de proteção e gorro. A cada visita ele vai descartar esse material e colocar o novo material na próxima residência, para garantir a segurança de todos. Todos os trabalhadores foram testados com resultado negativo.

Como está a questão do Laboratório Central do Estado (Lacen)? Há kits de análise?

Para realizar exame para Covid-19 temos três etapas: primeiro vem a coleta do material, aí o município leva o material ao Lacen, que precisa extrair o material molecular que será analisado, usando o kit de extração. Quando o material vai para a análise, é necessário outro kit, o de exames, do qual temos uma boa quantidade, pois nos preparamos. Mas o Brasil hoje tem falta do kit de extração. Recebemos agora um volume que vai nos permitira  colocar nossa análise praticamente em dia. Mas há falta desse material no Brasil e quando falta, a extração precisa ser feita de forma manual, o que diminui a capacidade de produção. Estamos equacionando com recurso próprio. Há, hoje, pouco mais de mil exames aguardando a chegada dese kit de extração. Sendo entregue, já vamos normalizar os números ainda essa semana. Com isso, podemos ter cerca de 300 novos casos que estavam aguardando resposta.

Vemos que o número de óbitos aumentou. Por que isso acontece e qual a expectativa para a próxima semana?

A gente vê que, infelizmente, os óbitos entraram em uma curva mais considerável. Nos últimos dez dias, a média era dez óbitos por dia. Já nos últimos três dias, os óbitos saltaram para 15 por dia e 31 óbitos estão em investigação nesse momento. A estimativa é que a gente chegue no próximo dia 20 aos 400 óbitos. Isso ocorre porque o número de casos aumentou e a expensão da doença passou para todas as áreas do Estado, contribuindo para o crescimento dos óbitos. 

Com informações de Fernanda Queiroz, da CBN Vitória.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.