ASSINE

ES autoriza vacina da Pfizer na 2ª dose de grávidas que tomaram Astrazeneca

Estado segue orientação do Ministério da Saúde após estudos comprovarem eficácia da vacinação com doses diferentes para casos específicos. Uso da Astrazeneca em gestantes foi interrompido em maio

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 24/07/2021 às 18h06
Vacina Pfizer-BioNTech
Vacina Pfizer-BionTech: OMS avaliou que, quando não for possível administrar a segunda dose com a mesma fabricante, é possível a adoção de esquemas de vacinas diferentes. Crédito: Carlos Alberto Silva

Espírito Santo vai aplicar a segunda dose da vacina da Pfizer contra a Covid-19 em grávidas que já tinham se vacinado, na primeira dose, com o imunizante da Astrazeneca. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), até a próxima terça-feira (27) será publicada uma resolução sobre a vacinação heteróloga de gestantes, que deve contemplar um pouco mais de 3 mil mulheres.

A medida segue uma recomendação do Ministério da Saúde que, após a morte de uma gestante que havia sido imunizada com a vacina da Astrazeneca, interrompeu em maio a aplicação da fabricante em grávidas e puérperas, que passaram a receber doses de outros fornecedores.

A nota técnica publicada pelo Ministério da Saúde informa que a escolha da Pfizer para substituir a Astrazeneca nestes casos foi decidida porque não havia dados suficientes sobre a intercambialidade – quando são usadas vacinas diferentes na primeira e segunda dose – utilizando a Coronavac, embora haja estudos em andamento.

Segundo o ministério, as pessoas imunizadas com vacinas diferentes deverão ser informadas sobre a limitação de dados e da relação entre risco e benefício. As pesquisas apontam, contudo, que é melhor imunizar este público com vacinas de outros fabricantes do que deixá-las sem proteção.

Organização Mundial da Saúde (OMS) também já se manifestou sobre o uso de vacinas de fabricantes diferentes. A entidade avaliou que "em situações onde não seja possível administrar a segunda dose com o mesmo produto, por falta do mesmo produto ou por outras preocupações, seria possível a adoção de esquemas heterólogos".

Apesar disso, pessoas que acidentalmente tomaram duas vacinas diferentes devem notificar o erro e serem acompanhados para observar a ocorrência de "eventos adversos e falhas vacinais".

A vacinação heteróloga em grávidas que tomaram a Astrazeneca na primeira dose é uma medida que já era defendida pela Sesa, que aguardava apenas a manifestação do Ministério da Saúde para colocar em prática.

A Gazeta integra o

Saiba mais
SESA Coronavírus gestação gravidez Pfizer Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.