Enem 2020: professores analisam prova de Linguagens e Códigos

Além de fazer a redação, candidatos responderam a 45 questões de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias e 45 questões de Ciências Humanas e Suas Tecnologias

Vitória
Publicado em 17/01/2021 às 21h36
Prova do Enem
Alunos chegam para fazer prova do Enem, em Vitória . Crédito: Fernando Madeira

Um time formado por professores de Linguagens do UP Centro Educacional comentou a prova  do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) aplicada neste domingo (17). De um total de 5,8 milhões de inscritos no país para fazer a modalidade impressa do Enem, 104.531 são capixabas. 

No primeiro dia de avaliação, os candidatos responderam a 45 questões de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias (língua portuguesa, literatura, língua estrangeira, artes, educação física e tecnologias da informação e comunicação) e outras 45 questões de Ciências Humanas e Suas Tecnologias (história, geografia, filosofia e sociologia), além da Redação.

Neste ano, o tema da redação foi "o estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira. Os candidatos tiveram de elaborar um texto dissertativo e uma proposta de intervenção sobre o tema. No próximo domingo (24), serão aplicadas 45 questões de Ciências da Natureza e Suas Tecnologias (química, física e biologia) e 45 questões de Matemática e Suas Tecnologias.

A novidade deste ano foi o Enem Digital, que acontece pela primeira vez, e que contou com a inscrição de quase cem mil participantes no país. Quem optou por esta versão vai realizar as provas nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. No Espírito Santo 1.283 pessoas se inscreveram para a versão digital.

COMENTÁRIOS

Na opinião dos professores do UP, Grijó, Marcela, Gina, Murilo, Beatriz, Paulo, Ana Paula e Valladares, a prova de Linguagens surpreendeu positivamente. Segundo eles, diferente dos anos anteriores, neste exame houve um equilíbrio entre o cânone e o popular. Para eles, o exame evidenciou a proposta do Ensino Médio, que é expor ao aluno o que se produziu em termos literários em outras épocas.

Outro ponto destacado pelo grupo é a importância da capacidade de interpretação textual. Para eles, o sucesso na avaliação de Linguagens e Códigos também pode estar relacionado ao conhecimento extraclasse do participante e "o uso do arcabouço intelectual particular". 

Na avaliação do time de docentes do UP,  a principal marca desta edição da prova foi o equilíbrio de questões que envolvem interpretação com questões mais conteudistas. Mais uma vez, variação linguística, teoria da comunicação, além de tipologia e gêneros textuais foram os tópicos mais abordados. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.