Enem 2020: "Redação não pode ser considerada difícil", avalia professora

O tema escolhido pelo Inep para o exame deste domingo (17)  foi "o estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira"

Vitória
Publicado em 17/01/2021 às 21h02
Prova do Enem
Primeiro dia de aplicação do Enem em Vitória. ES contou com mais de 100 mil inscritos. Crédito: Fernando Madeira

Na avaliação da professora de Redação do UP Centro Educacional, Ana Paula de Oliveira, o tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, "o estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira", “foi pertinente e não pode ser considerado difícil”.

Ana Paula de Oliveira

Professora de Redação

"Não pode ser considerada uma prova difícil. Os alunos que estavam atentos aos temas atuais, ou escreveram sobre esse tema, ou em algum momento pensaram nesse tema. Ele surpreende muito menos que o tema do ano passado, que falou sobre cinema"

De acordo com a professora, nessa proposta, “doenças mentais” representa o conceito-chave a ser explorado, enquanto a discussão, em sua especificidade, deve, de algum modo, contemplar a noção de “estigma”.  

"A presença dessa palavra sugere uma perspectiva negativa em relação a quem sofre de algum tipo de problema relacionado à saúde mental, e a não abordagem da ideia de estigma caracteriza tangenciamento do tema, com desconto significativo na nota. Julgamos a escolha temática bastante pertinente - tendo em vista os impactos provocados pela pandemia -, pois permitiu aos candidatos uma argumentação com abordagens autorais, a partir de suas experiências e seus olhares sobre a ideia", comentou.

ANÁLISE DO TEXTO I

Para Ana Paula, a argumentação em torno da saúde mental - compreendendo a forma de como uma pessoa “reage às exigências da vida” -, poderia ter sido desenvolvida dialogando com o contexto contemporâneo, marcado pela influência do capital, do consumo, das relações humanas e da tecnologia. "O suposto despreparo do homem atual para lidar com os desafios e as adversidades do cotidiano ganhou espaço na prova", ressaltou.

ANÁLISE DO TEXTO II

Segundo a professora de Redação, o texto II permitiu uma argumentação voltada à problemática presente no tema. A palavra “estigma”, também entendida como uma marca de valoração social negativa, abriu as possibilidades de discussão a partir da desinformação, do preconceito e de tratamentos precários. 

ANÁLISE DO TEXTO III

Ana Paula reforça que o texto III, com apresentação de dados dispostos em infográficos, comprovou a realidade de doenças psiquiátricas presentes no país e denunciou a urgência de medidas capazes de amenizar a realidade.

"A prova leva à sociedade a necessária discussão a respeito do tema e evidencia que transtornos mentais mostram-se mais presentes do que se imagina", finalizou.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.