ASSINE

De leitos a testagens, as 6 estratégias do ES no combate à Covid-19

Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) prepara uma série de medidas para enfrentar a aceleração de casos da doença que tem sido registrada no Espírito Santo

Vitória
Publicado em 30/11/2020 às 18h29
Atualizado em 30/11/2020 às 19h29
Lacen já realizou mais de 120 mil testes da Covid-19
Laboratório Central do Espírito Santo (Lacen) vai ampliar a capacidade de testagem, passando de 2 mil para 3 mil exames diários. Crédito: Governo do Estado/Divulgação

A aceleração de casos de Covid-19 no Espírito Santo, inclusive com aumento na média móvel de óbitos nas últimas semanas, levou a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) a adotar novas medidas de enfrentamento à doença. A ampliação da oferta de leitos exclusivos para pacientes com o coronavírus se somam a cinco estratégias de testagem, que visam identificar e isolar o maior número de contaminados pelo agente infeccioso. 

As ações foram anunciadas em coletiva na tarde desta segunda-feira (30) pelo secretário Nésio Fernandes e pelo subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, que, juntos, apresentaram o panorama da doença no Estado. A ampliação da oferta de leitos já vem ocorrendo gradativamente, assim que se começou a observar um aumento da pressão sobre os serviços de saúde que, agora, atendem também uma alta demanda de outras doenças. 

Reblin conta que, desde o início do mês, já foram colocados à disposição mais de 90 leitos para atender exclusivamente pacientes da Covid, totalizando 983 vagas entre UTI e enfermaria pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Pelos menos outros 160, segundo Nésio Fernandes, devem estar disponíveis até o final de dezembro para a população, no programa de expansão da rede própria.

"Vamos publicar, na próxima semana, a portaria que vai trazer o detalhamento dos leitos por região e hospitais. Nesta semana, estamos reabrindo leitos da Santa Casa de Colatina para a Covid-19 e reorganizando alguns leitos na Região Sul e na Metropolitana", adianta o secretário. 

FASES

Nésio Fernandes diz que o plano de expansão será dividido em quatro fases, mas terá características diferentes daquelas adotadas na primeira curva de aceleração da Covid-19 no Estado. O secretário observa que, no momento, não tem a mesma quantidade de leitos na rede privada, por exemplo, e tampouco poderá reduzir a oferta de vagas para outras doenças. 

"Também não iremos restringir amplamente as atividades econômicas e sociais como na primeira vez. Então, inaugurações que poderão ser feitas e novas adequações projetadas nos hospitais próprios, e que não foram previstas na primeira etapa, serão agora executadas. O Espírito Santo prepara novas obras, novas construções e adaptações nos hospitais de gestão pública direta", pontua. 

O secretário acrescenta que, neste momento, o planejamento aponta também para que a expansão não se dê por datas fixas, mas por  gatilhos. Em alguns casos, reconhece Nésio Fernandes, se a pressão sobre o sistema de saúde for maior que a capacidade da rede em atender os pacientes, algumas cirurgias eletivas poderão novamente ser suspensas. "Mas, mesmo diante de pior cenário, esperamos conseguir suportar o comportamento da doença", frisa.

Já em relação à testagem, a Sesa planeja cinco estratégias: passar de 2 mil para 3 mil testes por dia; credenciar laboratórios privados; realizar teste de antígeno; organizar central de triagem; e voltar a usar testes rápidos sorológicos. 

"Decidimos adiar em 21 dias, e não a cancelamos porque estamos ajustando a organização da testagem; vamos introduzir essas outras formas de fazer testes", explica. 

A ampliação da realização de testes possibilita a identificação de mais casos que, dessa maneira, são isolados para interromper a cadeia de transmissão da doença. 

Questionado sobre o prazo de validade dos testes recebidos do Ministério da Saúde, uma vez que há muitos kits com data próxima do vencimento nos Estados, Reblin esclarece que a situação do Espírito Santo é diferente, e que todos os insumos serão usados na validade original, embora, segundo ele, seja possível à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fazer o que chamam de "reaprazamento", ou seja, análise do material para estabelecer nova data de vencimento. 

CONFIRA AS ESTRATÉGIAS

  1. 01

    EXPANSÃO DE LEITOS

    A Sesa vai ampliar a oferta de leitos exclusivos para pacientes com a Covid-19 a partir da expansão realizada em hospitais da rede própria, com obras e adequações. A previsão, até o final do ano, é de mais 160 vagas por essa estratégia, além da possibilidade de aumento de unidades de internação com a contratação de serviços na rede filantrópica e privada. A princípio, não há previsão para reversão de leitos hoje usados para pessoas com outras doenças ou traumas. 

  2. 02

    AUMENTO DA CAPACIDADE DE TESTAGEM

    O Laboratório Central do Espírito Santo (Lacen) vai ampliar a capacidade de processamento de testes, passando de dois mil para três mil exames por dia. 

  3. 03

    CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS

    A Sesa vai publicar uma portaria com a Tabela SUS Capixaba, na qual estarão definidos os valores fixos para a realização dos exames de  swab e PCR. Com esses custos estabelecidos, laboratórios particulares interessados em prestar serviço para a rede pública poderão se credenciar. 

  4. 04

    REALIZAÇÃO DE TESTES DE ANTÍGENO

    São testes rápidos, com resultado de 15 a 30 minutos, capazes de identificar a Covid-19 na fase aguda da infecção, a partir do terceiro dia de sintomas. Não descarta a doença, mas serve como triagem. A Sesa está adquirindo 100 mil unidades para distribuir nos prontos atendimentos e hospitais. 

  5. 05

    ORGANIZAÇÃO DA CENTRAL DE TRIAGEM

    A Sesa está preparando um local, em Vitória, que vai funcionar como uma central de triagem de amostras biológicas que excedam a capacidade do Lacen e dos laboratórios particulares de realizarem o teste da Covid-19. Esse excedente será enviado para análise na Fiocruz. 

  6. 06

    VOLTA DA UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS

    O recurso será para realização dos inquéritos sorológicos. O material hoje utilizado demanda uma mobilização logística grande de coleta, processamento e reação, e não demonstrou melhora na prevalência dos marcadores relacionados à doença em comparação aos testes rápidos. A Organização Pan-americana de Saúde (Opas) vai doar 100 mil testes rápidos para o Estado. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.