ASSINE

Conheça os peixes venenosos e peçonhentos encontrados no litoral do ES

Aqui no Estado temos a presença de várias espécies que podem representar algum risco à saúde dos seres humanos.

Vitória
Publicado em 12/09/2021 às 11h35
Peixe-leão foi encontrado recentemente no arquipélago de Fernando de Noronha. Nenhuma aparição foi registrada no ES. Crédito: Pexels
Peixe-leão foi encontrado recentemente no arquipélago de Fernando de Noronha. Nenhuma aparição foi registrada no ES. Crédito: Pexels

Mergulhadores do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) capturaram recentemente peixes-leão no arquipélago de Fernando de Noronha, o que despertou preocupação e curiosidade a respeito desse tipo de animal. Isso porque, de acordo com especialistas, a espécie é considerada invasora e uma ameaça ao meio ambiente e aos seres humanos.  

O Pterois volitans, nome científico do peixe-leão, tem espinhos venenosos que contêm uma toxina que pode causar febre, vermelhidão e até convulsões aos seres humanos. O animal é nativo dos Oceanos Índico e Pacífico, e foi levado na década de 1990 pelo homem, de forma acidental, para o Caribe. Segundo o ICMBio, já era esperado que a espécie chegasse ao país em algum momento. No Espirito Santo não foi registrada nenhuma aparição. 

O Brasil com seus 8.500 km de costa, águas temperadas e tropicais, abriga praticamente todas as famílias e gêneros das 200 espécies consideradas peçonhentas ou venenosas de peixes conhecidos. São popularmente chamados de niquim, peixe-sapo, bagre, arraiá, baiacu, peixe-escorpião, entre outros. São encontrados em águas marinhas, fluviais e salobras, muitas vezes vivendo em locais rasos, em rochas, camuflados ou enterrados.

No litoral do Espírito Santo, de acordo com o biólogo Daniel Motta, mestrando em Biologia Animal na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), temos a presença de várias espécies de baiacus. Outro já encontrado por aqui é o peixe-escorpião.

As espécies mais comuns de serem encontradas no litoral do nosso estado são: Baiacu-arara (Lagocephalus laevigatus), Baiacu-pintado (Sphoeroides spp) e Baiacu de espinho (Chilomycterus spinosus). Sendo o Baiacu-arara, mais utilizado na culinária.

Baiacu de espinho
Baiacu de espinho é uma espécie muito comum no ES. Crédito: pixabay

Baiacu é a designação popular de diversos peixes da ordem dos Tetraodontiformes, onde o veneno está na carne. Comer a carne não tratada para a retirada da toxina pode levar à morte.

É considerado um peixe venenoso, mas não é peçonhento: não tem presas nem espinhos para injetar toxina em suas vítimas. Diferente do peixe-escorpião.

PEIXE-ESCORPIÃO

Peixe escorpião
Peixe escorpião já foi encontrado no ES. Crédito: pixabay

O nome científico do peixe-escorpião é Scorpaena plumieri. Essa espécie chega até 30 cm de comprimento e é originaria dos Oceanos Pacífico e Índico. Esse peixe chama atenção pelas grandes “bochechas” carnudas sustentadas por um osso e as grandes nadadeiras peitorais.

Mas o perigo está na sua nadadeira dorsal onde estão vários espinhos venenosos e como esses peixes ficam escondidos entre corais, é bem comum acidentes com mergulhadores. 

A picada do animal pode dificultar a respiração e os batimentos cardíacos, fazendo com que a pessoa tenha falta de ar, vômito e náuseas. Esse processo pode gerar acúmulo anormal de líquidos no pulmão.

Correção

15 de Setembro de 2021 às 15:10

O nome do biólogo é Daniel Motta, e não Danilo, como informado originalmente pela reportagem. O texto foi alterado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.