ASSINE

Capixaba que fez corte 'calvão de cria' fala de nova onda em barbearias

Estilo tem ganhado adeptos pelo país. Vídeo mostrando o corte feito por capixaba, publicado pelo barbeiro Marcos Fábio Lourenço Soares há um ano, tem mais de 1 mil curtidas

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 06/07/2022 às 14h45
À esquerda, o barbeiro Marcos Fábio Lourenço Soares; à direita, o programador Matheus Casimiro Matias, com o
À esquerda, o barbeiro Marcos Fábio Lourenço Soares; à direita, o programador Matheus Casimiro Matias, com o "calvão de cria". Crédito: Acervo pessoal | Montagem A Gazeta

Depois do cabelo platinado ao maior estilo "nevou", outra tendência parece estar fazendo a cabeça do público masculino: o chamado "calvão de cria" — nada mais, nada menos que um corte que imita uma calvície, ou seja, as laterais continuam com os fios e o topo da cabeça fica careca.

O sucesso — no mínimo, inusitado — fez o corte parar nos jornais. Em uma matéria publicada nesta segunda-feira (4), por exemplo, O Globo relata a crescente popularização, com adeptos em vários cantos do Brasil, como São PauloRio de JaneiroMinas Gerais e Bahia.

Segundo a reportagem, a nova moda surgiu há uns quatro meses, em uma barbearia na cidade de Três Passos, no Rio Grande do Sul, onde dois clientes fizeram o pedido do corte, baseados em uma imagem da internet. O resultado caiu na web e explodiu: foram mais de 3 milhões de visualizações.

ES PIONEIRO. SERÁ?

Mas se você estranhou a ausência do Espírito Santo na lista dos Estados adeptos ao corte, calma que lá vem história. Ciente da recente tendência, o barbeiro Marcos Fábio Lourenço Soares, de 17 anos, que trabalha na Serrarepostou um vídeo de quando fez o "calvão de cria". Detalhe: o original foi postado em junho de 2021.

"É um corte simples. Se quiser com a parte de baixo disfarçada, leva uns 15 minutinhos. Faço com a maquininha mesmo. Esse que eu postei tem cerca de um ano e chegou a bater 45 mil visualizações", conta o adolescente. Atualmente, a publicação tem quase 1.400 curtidas no Instagram.

Sentado na cadeira de cliente, estava o programador capixaba Matheus Casimiro Matias. "Um colega me deu a ideia, e eu fui lá e fiz, com a cara e a coragem. O cabelo cresce, então, não dava nada", comenta o jovem que ficou no estilo "calvo" até os fios do topo crescerem e, depois, fez um corte "normalzinho".

Matheus Casimiro Matia

Programador

"Fiz porque queria chamar atenção, mesmo. Não sei o que passava na minha cabeça"

Desde então, ele não voltou a adotar o estilo, nem o barbeiro fez outros cortes do tipo. "É muito difícil de sair. Cheguei a oferecer dinheiro, mas nem pagando as pessoas quiseram fazer", admite Marcos Fábio. "É difícil de usar no dia a dia, mas passar um dia para zoar, acho bacana", opina.

O programador Matheus tem posição semelhante e lembra que achou "engraçado" adotar o visual no ano passado, quando ainda tinha 17 anos. "Eu achei bem legal essa nova moda e mais ainda que, possivelmente, foi a gente do Espírito Santo que iniciou essa tendência", comenta.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.