ASSINE

Após adiar casamento devido à pandemia, moradora de Vitória morre de Covid

Veridiana Duarte de Oliveira, de 34 anos, era noiva e em março desmarcou o seu casamento, que estava programado para ocorrer neste mês de novembro. Seu noivo, o professor Vinícius Telles, informou que ela faleceu devido a complicações da doença

Vitória
Publicado em 17/11/2020 às 14h28
Atualizado em 17/11/2020 às 20h17
Veridiana Duarte morreu vítima da Covid-19. Ela iria se casar com o professor Vinícius Telles
Veridiana Duarte morreu vítima da Covid-19. Ela iria se casar com o professor Vinícius Telles. Crédito: Reprodução/Instagram

A pandemia não acabou e, entre os capixabas que perderam a vida devido à Covid-19 nessa segunda-feira (16), está  a gestora de redes sociais Veridiana Duarte de Oliveira, de 34 anos. Moradora de Vitória, Veridiana – conhecida como Veri – era noiva e em março desmarcou o seu casamento, que estava programado para ocorrer neste mês de novembro.

Ela e o noivo, o professor Vinícius Telles, se casariam no dia 13 de novembro, dia em que Veri – por uma triste coincidência da vida – já estava internada na UTI do Hospital Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, devido a complicações da doença. Em março deste ano, os dois, que estavam juntos há cinco anos, decidiram adiar o sonho do casamento quando os primeiros casos da doença começaram a surgir no Espírito Santo.

"Infelizmente, não deu mesmo. Logo no início, quando começaram a fechar os estabelecimentos, decidimos desmarcar. E optamos por não agendar por enquanto por não saber como ficaria. Estávamos esperamos sair uma vacina ou a pandemia ficar mais sob controle, mas estávamos planejando tudo e seria no próximo ano, o mais rápido que desse", contou, chorando, o professor após enterrar Veri no cemitério Jardim da Paz, na Serra.

Veridiana Duarte morreu vítima do coronavírus
Veridiana Duarte morreu vítima do coronavírus. Crédito: Reprodução/Instagram

Veridiana começou a sentir os sintomas no dia primeiro de novembro, inicialmente febre e uma tosse contínua. Segundo Vinícius, a doença foi "rápida e avassaladora". No dia 5 de novembro, a gestora de redes sociais – que também vendia bolos e caixas de café-da-manhã – tomou os primeiros medicamentos, ainda em casa. No sábado do dia 7 de novembro, sentiu uma forte dor no peito e foi a um pronto-atendimento, retornando para casa após ser atendida. No domingo, dia 8, o quadro se agravou e Veri passou a sentir falta de ar.

Dois dias depois, Veridiana já estava intubada na UTI do Hospital Dr. Jayme Santos Neves, onde ficou internada até a noite desta segunda-feira  (16), quando morreu. Segundo seu noivo, ela faleceu após ter uma parada cardíaca devido a complicações causadas pela Covid-19. Por ter obesidade, Veri era considerada do grupo de risco e precisou de lutar contra uma pneumonia que surgiu devido ao coronavírus.

TINHA MEDO DE SE CONTAMINAR

De acordo com Vinícius, Veri era consciente, tinha medo de se contaminar pelo coronavírus e sempre pedia aos familiares e amigos que se cuidassem. Era daquelas pessoas que até discutiam na fila do supermercado se os clientes não respeitassem o distanciamento social. Nos últimos meses, estava trabalhando em uma campanha eleitoral no município de Cariacica. Segundo o professor, ela respeitava todas as medidas de prevenção, mas não via os mesmos cuidados entre os moradores na rua.

"A Veri relatava que era muito comum ver moradores sem máscara. E quando você não usa máscara, acaba colocando outras vidas em risco. Infelizmente, as pessoas relaxaram até nos cuidados mais básicos, mas o coronavírus continua aí e os números estão aumentando", alerta o professor.

Abalado, Vinícius fez um apelo para que os capixabas retomem os cuidados contra a Covid-19: "Todo cuidado é pouco. A Veri tinha todo cuidado e infelizmente aconteceu isso. Que não aconteça mais com outras famílias. A doença é rápida, avassaladora e se não nos cuidarmos, mais pessoas como Veri podem morrer. É um momento para a gente se cuidar".

Veri está entre os mais de 4 mil mortos pela Covid-19 no Espírito Santo. Até o balanço divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) nesta segunda-feira (16), 4.030 pessoas morreram no Espírito Santo após serem contaminadas pelo coronavírus. O Estado já registrou mais de 170 mil casos da doença.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.