ASSINE

Aos 89 anos, agricultor de Iconha cria 'engenhocas' e já reflorestou área de 2 mil m²

Senhor Zezinho Antônio Lovatti já fez adaptações em moinho de fubá, construiu um pilador de café e fabricou outras peças. Mas seu maior orgulho é ter reflorestado 2 mil metros quadrados em sua propriedade

Cachoeiro de Itapemirim / Rede Gazeta
Publicado em 23/09/2021 às 07h04
Aos 89 anos, agricultor de Iconha é exemplo de criatividade
Aos 89 anos, agricultor de Iconha é exemplo de criatividade. Crédito: Gustavo Ribeiro

Aos 89 anos, o senhor Zezinho Antônio Lovatti é um exemplo de disposição e criatividade. O agricultor aposentado mora em Iconha, no Sul do Espírito Santo, e faz questão de mostrar as ‘engenhocas’ que faz para auxiliar a vida da família. Além de ser exemplo de vitalidade, se orgulha de ter reflorestado, há 16 anos, uma área de dois mil metros quadrados.

Na casa do aposentado, o que não faltam são peças feitas por ele. Mas o xodó mesmo são duas máquinas desenvolvidas por ele – como o pilador de café e o moinho de milho, usado para fazer fubá.

“Conserto panela, faço moinho, com este pouco serviço que tenho feito, mesmo pouco, para mim, é muito porque tenho muito amor a minha à família, então, invento para agradar ela e não paro não”, contou o aposentado, em entrevista ao repórter da TV Gazeta Sul, Gustavo Ribeiro.

O pilador de café foi construído pelo idoso e o moinho de fubá ganhou uma proteção, para evirar a entrada de pequenos invasores. “Os moinhos comuns são abertos, pode vir rato no fubá, até gamba, e esse aqui, não entra ninguém não”, revela.

Aos 89 anos, agricultor de Iconha é exemplo de criatividade

Além das peças grandes, ele faz objetos menores, como arco para atirar pedras e uma espécie de estilingue, objetos de decoração, casa para passarinhos e até uma furadeira de madeira manual.

Para a família, toda essa vitalidade do seu Zezinho, é motivo de grande orgulho. “Me sinto gratificante por nosso pai estar nesta idade com saúde, criando as coisas, me sinto orgulhosa e muito feliz”, disse a filha, Mari Lovatti.

De todas as invenções do senhor Zezinho, a paixão maior esta em sua pequena reserva florestal de 2 mil metros quadrados. Há 16 anos, ele plantou cada uma das árvores pensando no futuro.

Zezinho Antônio Lovatti
Zezinho Antônio Lovatti. Crédito: Matheus Martins

“É meu orgulho, para deixar uma coisa boa. Amo a natureza, porque nós, sem as árvores, sem oxigênio, sem a madeira, o Brasil não vive”, falou o Zezinho Antônio Lovatti.

Com informações de Gustavo Ribeiro, da TV Gazeta Sul

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.