ASSINE

"Alegre": bióloga capixaba descobre nova espécie de inseto no ES

Thayna Raymundo analisou cerca de 500 animais colhidos nos últimos dez anos no Estado; novo indivíduo leva nome do município onde foi encontrado

Tempo de leitura: 4min
Vitória
Publicado em 13/12/2021 às 17h19
Na fase adulta, o Thraulodes alegre tem a boca atrofiada
Na fase adulta, o Thraulodes alegre tem a boca atrofiada. Crédito: Reprodução

No dicionário, alegre é o adjetivo de quem tem ou manifesta alegria. O significado serve perfeitamente para descrever como está se sentindo a bióloga capixaba Thayna da Silva Raymundo neste fim de ano. Recentemente, graças a uma descoberta feita por ela, a palavra ganhou outro significado, relacionado à fauna do Espírito Santo. A pesquisadora descobriu uma nova espécie de inseto, batizada de Thraulodes alegre — uma referência ao município do Sul do Estado, onde o animal foi encontrado.

À esquerda, Thayna da Silva Raymundo no laboratório; e à esquerda, em um trabalho de campo na Cachoeira da Fumaça, em Alegre
Thayna da Silva Raymundo, à esquerda, no laboratório; à direita, em um trabalho de campo na Cachoeira da Fumaça, em Alegre. Crédito: Acervo pessoal | Montagem A Gazeta

Na última terça-feira (7), o estudo feito por Thayna como trabalho de conclusão da pós-graduação em Entomologia (ramo especializado no estudo de insetos) foi publicado na revista científica internacional Zootaxa, ou seja, foi revisado e validado por outros especialistas da área. Para a capixaba, foi um presente de Natal antecipado, mas que deu muito trabalho.

500 indivíduos

É a quantidade aproximada de insetos analisados pela bióloga até ela encontrar a nova espécie

"O gênero Thraulodes é um dos mais ricos em espécies no mundo. Para catalogar todas, usamos as chamadas 'chaves taxonômicas', que são listas com características dos animais conhecidos. Diante de cada característica você vai seguindo um 'caminho' indicado até chegar a uma determina espécie (ou não), pela combinação delas. Há também os artigos de descrição das espécies já conhecidas", explica a bióloga.

Este vídeo pode te interessar

Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre. Crédito: Reprodução

Segundo a pesquisadora capixaba, entre os principais atributos particulares ao "alegre" estão:

  • Final do abdômen esbranquiçado e parcialmente translúcido;
  • Lateral final do corpo tem manchinhas retangulares marrons escuras;
  • Asa transparente com uma coloração amarela esbranquiçada;
  • Três veias basais cruzadas em uma região específica da asa.

A bióloga afirma que, para conseguir cravar que esse inseto de apenas oito milímetros é uma espécie nova, os órgãos sexuais do animal foram muito úteis — e ainda comentou dois fatos bastante curiosos, mas que são comuns a todos os indivíduos da ordem Ephemeroptera (que tem a mesma origem da palavra "efêmero").

Thayna da Silva Raymundo

Bióloga e pesquisadora

"Em geral, eles só vivem quatro ou cinco horas e, na fase adulta, tudo que eles fazem é se reproduzirem. Vivem exclusivamente para isso e nem se alimentam"

De acordo com a pesquisadora, atualmente, apenas a fase adulta do "alegre" é conhecida. O estágio mais inicial, também chamado de "ninfa", é desconhecido. "Entre os insetos, é muito comum saber apenas uma dessas etapas da vida. Quando se conhece muito bem ambas, é quase um milagre", brinca.

Thraulodes alegre: o novo inseto descoberto no ES

Visão lateral do Thraulodes alegre
Visão lateral do Thraulodes alegre. Reprodução
Visão dorsal de um Thraulodes alegre do gênero feminino
Visão dorsal de um Thraulodes alegre do gênero feminino. Reprodução
Asa dianteira do Thraulodes alegre, em destaque; e a asa traseira, em menor tamanho, à direita
Asa dianteira do Thraulodes alegre, em destaque; e a asa traseira, em menor tamanho, à direita. Reprodução
Visão ventral do Thraulodes alegre
Visão ventral do Thraulodes alegre. Reprodução
Visão dorsal do Thraulodes alegre
Visão dorsal do Thraulodes alegre. Reprodução
Na fase adulta, o Thraulodes alegre tem a boca atrofiada
Na fase adulta, o Thraulodes alegre tem a boca atrofiada. Reprodução
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre. Reprodução
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre
Aspecto geral da genitália, mostrando as cores do dorso do Thraulodes alegre

Por enquanto, o que se sabe é que o Thraulodes alegre vive em ambientes aquáticos e pode servir de alimento para animais como aves, morcegos e sapos. Embora possa ser confundido com um mosquitinho comum, ele não representa nenhum tipo de prejuízo aos seres humanos, muito pelo contrário.

"Costumamos encontrá-lo em ambientes de água doce com correnteza, porque ele precisa de oxigênio para sobreviver. Assim, ele acaba sendo um bioindicador da qualidade de água. Se o encontramos em determinada água é um sinal potencial de que ela está boa", conta Thayna.

Cachoeira da Fumaça, em Alegre, onde o Thraulodes alegre é encontrado
Cachoeira da Fumaça, em Alegre, onde o Thraulodes alegre é encontrado. Crédito: Acervo pessoal

A informação é uma boa notícia para a Cachoeira da Fumaça, em Alegre, onde o inseto foi encontrado em 2011 por Jeane Marcelle Cavalcante do Nascimento, pós-graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e mestre em Entomologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Após ser coletado, o animal foi objeto de estudo da bióloga capixaba.

QUATRO ANOS DE MUITO ESTUDO

Na época em que a coleta foi feita, o objetivo era apenas identificar grupos taxonômicos. Ou seja, não houve um aprofundamento para descobrir espécie por espécie — trabalho árduo em que Thayna se dedicou a partir do final de 2017, analisando parte desse material que estava disponível na Ufes.

Thayna da Silva Raymundo intomóloga (especialista em insetos) e, atualmente, pesquisadora do Projeto de Borboletas da Ufes
Thayna da Silva Raymundo é entomóloga (especialista em insetos) e, atualmente, pesquisadora do Projeto de Borboletas da Ufes. Crédito: Acervo pessoal

"Eu estudei o gênero Thraulodes até meados de 2018. Na metade daquele ano, nós batemos o martelo de que tínhamos encontrado uma espécie nova. A partir daí, começamos a trabalhar na descrição, mas essas coisas científicas demoram e só em julho deste ano é que enviamos o material", lembra.

Thayna da Silva Raymundo

Bióloga e pesquisadora

"Eu fiquei muito feliz, me senti muito bióloga (risos). Acho que todos os biólogos têm, inicialmente, o sonho de descrever ou encontrar uma espécie desconhecida"

Além do Thaulodes alegre, ela e os companheiros de equipe fizeram novos registros e descrições para a fêmea do Thraulodes itatiajanus e registraram pela primeira vez, no Espírito Santo, o Thraulodes luisae — espécies que são "parentes". Os três feitos foram incluídos na mesma publicação científica.

Ponto vermelho do mapa mostra o local onde o Thraulodes alegre foi coletado; pontos em roxo, o Thraulodes luisae; e pontos amarelos, do Thraulodes itatiajanus
Ponto vermelho do mapa mostra o local onde o Thraulodes alegre foi coletado; pontos em roxo, o Thraulodes luisae; e pontos amarelos, do Thraulodes itatiajanus. Crédito: Reprodução

Junto da Thayna e da Jeane, também constam como autores do estudo Taís Barbosa Almeida, então aluna da pós-graduação em Biologia Animal da Ufes, e Frederico Falcão Salles, que era colega da Thayna na pós-graduação em Entomologia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Minas Gerais.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.