ASSINE

Turismo do ES no Verão e Carnaval 2021 foi movimentado por capixabas

Tempo de permanência no destino foi maior e gasto dos turistas reduziram, revela pesquisa da Setur

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 05/03/2021 às 15h52
Atualizado em 05/03/2021 às 15h52
Praia do Morro, em Guarapari, fica lotada nesta segunda-feira (12) mesmo com tempo nublado
A Praia do Morro, em Guarapari. Crédito: TV Gazeta/Reprodução

Entre o Verão 2020/2021 e o carnaval deste ano, o Espírito Santo não teve dos piores desempenhos no turismo apesar da pandemia da Covid-19 ter provocado baixas no setor por todo o Brasil. Majoritariamente moradores do Estado, os visitantes optaram por viagens curtas, de carro, mas também passaram mais dias nos destinos que escolheram para fugir de aglomeração.  No entanto, gastaram cerca de 23% a menos por dia por pessoa em comparação ao mesmo período do ano passado.

Os dados são referentes  à Pesquisa de Identificação do Perfil do Turista, realizada pelo Observatório do Turismo, braço da Secretaria Estadual de Turismo (Setur), no Verão e no feriado de Carnaval. A coleta dos dados foi realizada em 12 municípios capixabas por amostragem: Anchieta (140 entrevistados), Conceição da Barra (140), Divino de São Lourenço (64), Dores do Rio Preto (9), Guarapari (220), Iúna (47), Marataízes (140), Piúma (140), São Mateus (180), Serra (140), Vila Velha (200) e Vitória (200).

“O retrato do turista que procurou o Espírito Santo para passar alguns dias do Verão, como também no feriado de Carnaval, mostra que as pessoas estão atentas aos protocolos, buscando destinos mais isolados e próximos, correspondendo às orientações trabalhadas por nós com os municípios e o trade turístico capixaba, visando à preservação da vida”, destacou o secretário de Turismo, Dorval Uliana.

De acordo com os dados, 42,6% dos visitantes durante o verão foram capixabas. Mas os mineiros também marcaram presença, como em todos os anos. Em 2021, 32,9% dos turistas que visitaram o ES foram mineiros e 10,2% do Rio. São Paulo, Distrito Federal e Bahia aparecem com percentuais menores. No Carnaval, a sequência de locais se manteve com pouca diferença nas porcentagens.

GASTO MENOR NA VIAGEM

Em 2020, um turista no verão do Espírito Santo ficava em torno de 10 dias gastando R$ 88,55 por dia por pessoa. Neste ano, o mesmo indicativo revela que o tempo passou para 11 dias, mas o valor gasto caiu para R$ 86,60. Já no carnaval, a queda na receita foi um pouco mais forte: no ano passado, a média de gasto por pessoa por dia foi de R$ 117,28. Neste ano, R$ 90,54. Mas o tempo de permanência médio saltou de 6 para 7 dias.

“Esse valor está ligado ao serviço que os empresários dão, que é um serviço complexo. E cabe a nós requalificar os serviços para que eles se tornem atrativos para o turista, mas é um debate permanente que nós temos que manter. Informação bem direcionada para os visitantes é outra saída boa para apresentar ao turista as opções da cidade, para aumentar esse tíquete médio”, fala Dorval Uliana, indicando soluções que a Setur enxerga para fazer a receita subir na próxima alta temporada.

Sobre o tempo de permanência maior e viagens curtas priorizando carro próprio como meio de transporte, o titular do Turismo diz que esse indicador já era de se esperar. Segundo ele, medidas como essas promovem segurança às famílias, mesmo que, desta vez, a grande maioria dos turistas foi formada por casais sem filhos. No verão, 47,2% dos turistas foram familiares sem filhos. No carnaval, o mesmo dado somou 42% dos viajantes.

“A gente vê isso, também, como uma tendência de as pessoas quererem proteger as famílias no sentido de evitar que elas se exponham. O próprio uso do carro particular ou alugado e de viagens de pequenas distâncias, mas mais longas, também revelam que há essa preocupação quanto às aglomerações”, pondera o gerente de Estudos e Negócios Turísticos da Setur, Rafael Granvilla, que apresentou a pesquisa da Setur com o secretário nesta quinta-feira (4) à Gazeta.

O secretário de Estado do Turismo, Dorval Uliana, em reunião virtual para apresentar resultados de pesquisas da Setur
O secretário de Estado do Turismo, Dorval Uliana . Crédito: Reprodução/Zoom

O especialista também destaca que a casa de parentes e amigos liderou a preferência de hospedagem dos turistas e que houve diminuição na procura por pousadas, ao passo que hotéis também tiveram retração nas reservas, porém menor.

“A gente vê que o setor só vai ser recuperar após a vacinação em massa. Se a gente continuar no ritmo de vacinação que está, no País, temos tendências fortes de comprometimento do turismo o ano todo. Nós vamos entrar agora em um período que o Estado recebe visitantes para a temporada de inverno nas Montanhas Capixabas, Caparaó. Então, se não tivermos vacina ou sinal forte de que haverá vacina até lá, as pessoas que viajam nesse período para o Espírito Santo podem optar não vir. E aí nós teremos repetido esse turismo próximo, do verão e carnaval, que são ótimas. Mas temos que voltar com o Estado para a rota nacional”, opina Dorval.

Dorval Uliana

Secretário de Estado do Turismo

"A vacina é determinante para a nossa retomada. Mas o bom controle da pandemia que o mercado vê no Espírito Santo faz agências e turistas se interessarem em comprar e vender pacotes para cá "

GASTRONOMIA, HOSPITALIDADE E SEGURANÇA

Rafael confidencia que, dentro das avaliações feitas pelos turistas, o que mais chamou a atenção dos visitantes foi a boa gastronomia, hospitalidade capixaba e segurança pública – fatores que ele considera essenciais para que o visitante se sinta bem no destino escolhido. “Muitos turistas estão procurando destinos isolados para fugir da pandemia, mas querem se divertir. Os restaurantes e hotéis, pousadas com o selo do turismo seguro promovem isso. E os dados do que os turistas menos gostaram podem servir para o trade dialogar e ver de que forma pode melhorar”, defende.

Moqueca capixaba
A moqueca capixaba é um dos pratos mais tradicionais e mais pedidos no Espírito Santo. Crédito: Marcelo Moryan

Segundo a pesquisa, entre o verão e carnaval os visitantes avaliaram com notas baixas o serviço de atenção ao turista, disponibilidade de centros de informações para turistas, serviços de guia de turismo e transporte público das cidades.

No geral, a nota média de avaliação do verão em 2020 foi de 3,7 pontos e passou para 3,8 neste ano. No carnaval, o indicador se manteve com 3,8 nos dois períodos. Esses valores correspondem a avaliação na categoria “regular” com forte tendência à categoria “boa”.

Os dados completos das pequisas de perfil do turista no ES sobre o Verão e Carnaval 2021 podem ser acessados na página do Observatório do Turismo ES.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.