ASSINE

Morre Miss Biá, drag pioneira no Brasil e "Hebe Camargo dos gays"

A transformista Miss Biá, persona de Eduardo Albarella, morreu em São Paulo nesta quarta (3), aos 80 anos, vítima da Covid-19

Publicado em 04/06/2020 às 11h52
A drag queen Miss Biá, persona do estilista e maquiador Eduardo Albarella
A drag queen Miss Biá, persona do estilista e maquiador Eduardo Albarella. Crédito: Reprodução/Instagram @tairony13

A cena LGBT+ do Brasil perdeu um de seus grandes ícones nesta quarta (3). A drag queen Miss Biá, de 80 anos, persona de Eduardo Albarella, morreu aos 80 anos em São Paulo vítima do novo coronavírus. 

A Associação da Parada do Orgulho LGBT, responsáveis pela Parada LGBT+, lamentou a perda nas redes sociais e escreveu: "A APOGLBT SP tomou conhecimento do falecimento nesta data, dia 03 de junho, da transformista Miss Biá. Estamos em luto".

Miss Biá começou a atuar nos palcos de todo o País na década de 60 e, entre dezenas de outros trabalhos, acabou ficando conhecida como a "Hebe Camargo dos LGBTs".

De acordo com informações da colunista Fábia Oliveira, de O Dia, a transformista chegou até a ser estilista e maquiador da apresentadora. 

O coletivo artístico Distrito Drag também lamentou a morte de Miss Biá: "O Distrito Drag lamenta o falecimento de um dos principais nomes da história da arte transformista no Brasil, Miss Biá, aos 80 anos nos deixou por complicações da Covid-19, na cidade de São Paulo".

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.