ASSINE

Apostando no funk retrô, Gabily regrava de Buchecha a MC Sabrina

Cantora realiza o projeto "Eternos Clássicos", com novas versões de funks de sucesso dos anos 1990 e 2000

Publicado em 28/08/2020 às 09h00
Atualizado em 28/08/2020 às 09h01
Gabily lança
Gabily lança "medley" em homenagem a funkeiro Buchecha. Crédito: Felipe Braga

Após apostar no proibidão, com "Putaria Clássica", Gabily mira suas lentes rumo à nostalgia.  No projeto "Eternos Clássicos", a cantora presta uma homagem aos funks que ficaram gravados na memória dos fãs do gênero. São hits dos anos 1990 e 2000 que ajudaram o estilo a se popularizar no país, ultrapassando os "muros" dos guetos da periferia carioca. 

Nesta semana, a artista lançou nas plataformas digitais sua versão voz e violão para dois sucessos eternizados na voz de Buchecha: "Implacável", gravado originalmente com MC Sabrina, e "Fico Assim Sem Você".  Não está ligando o título à música? "Amor sem beijinho / Buchecha sem Claudinho / Sou eu, assim sem você", te lembra alguma coisa?

"Nessa quarentena, resolvi revisitar vários funks históricos, dando a eles um outro tom e uma outra melodia", adianta Gabily, em entrevista por telefone ao "Divirta-se". "Meu sonho era fazer uma releitura de sucessos que cresci ouvindo na periferia onde morava. São músicas de artistas que 'quebraram muita pedra' para a gente ter essa liberdade de cantar o que quiser."

O medley do Buchecha é o quinto single do projeto, e chega depois da versão voz e violão de "Dessa Vez" (MC Sabrina), "Adultério" (Mr. Catra), "Tô Tranquilão" (MC Sapão) e "Copo de Vinho" (MC Robinho da Prata). Confira a versão de "Dessa Vez", sucesso na voz de MC Sabrina.

NOVOS ARES

Dar uma outra roupagem ao funk casa perfeitamente com o histórico artístico de Gabily. "Vim do universo gospel e da cultura da Igreja. Por lá, estudamos música com rigor, especialmente no quesito vocal", explica, reafirmando que, com o novo projeto, aposta em faixas românticas, em um bem-vindo flerte com o funk melody. 

"Me considero funkeira de raiz. Porém, vejo uma oportunidade de mostar versatilidade, provando que o estilo não vive só de palavrão. Quero quebrar barreiras. Sou instrumentista, tenho esse lado musical muito aflorado... É hora de romper preconceitos e ver o funk com outro olhar", sintetiza.

Recentemente, o viés feminista e acústico dado pela cantora para "Adultério", de MR. Catra, deu o que falar. Em uma semana, a faixa teve mais de cem mil visualizações no YouTube. O trabalho, de acordo com Gabily, é uma prova de que a mulher pode, e deve, expressar a sua sexualidade livremente.  

"E uma constante evolução, né? Sinto que ainda temos um caminho longo a ser percorrido. Existem artistas que falam que não são machistas, mas continuam com atitudes capazes de condená-los. Hoje, a mulher tem a liberdade de cantar o que quiser, independente do teor sexual. Não somos mais submissas e limitadas, como visto em décadas passadas", avalia a cantora.  

Gabily lança
Gabily lança "medley" em homenagem a funkeiro Buchecha. Crédito: Felipe Braga

"Acredito na tendência de que o funk deixe o tom machista de lado e apoie a liberdade de expressão da mulher", pontua.

Por falar em conquistas femininas, elas devem dar o tom dos próximos lançamentos de "Eternos Clássicos". "Em setembro, vamos encerrar o projeto com músicas de Tati Quebra-BarracoValesca Popozuda. Tenho uma ligação muito forte com a Valesca, até porque moramos bem próximo.  Ela ganhará um espaço especial nesse resgate, especialmente por sua história de reconhecimento no universo do funk", complementa.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Música Cultura

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.