ASSINE

Pandemia aumenta procura por franquias que permitem trabalhar de casa

No ano passado esse segmento respondia por 7,1% do total de franquias no país. Neste ano, passou para 10,3%, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF)

Publicado em 20/06/2021 às 08h31

As redes home based, cujas operações não exigem que o franqueado tenha uma loja ou escritório e permitem que ele trabalhe em casa, estão entre as que mais cresceram na pandemia.

Home office
Mulher trabalha em home office. Crédito: Pixabay

Em 2020, esse segmento respondia por 7,1% do total de franquias no país; neste ano, passou para 10,3%, segundo Associação Brasileira de Franchising (ABF).

O crescimento foi ainda mais expressivo dentro do setor de microfranquias, cujo investimento inicial não ultrapassa R$ 90 mil. "Das dez maiores redes em número de unidades, 60% trabalham fortemente com o modelo home based", diz Felipe Buranello, coordenador da comissão de microfranquias da ABF.

Este vídeo pode te interessar

Entre os atrativos estão a possibilidade de investir pouco e operar com baixos custos fixos nos mais variados segmentos, de finanças a limpeza.

Em dezembro do ano passado, os sócios Misael Carvalho, 33, e Matheus Santana, 30, decidiram abrir uma microfranquia da Suporte Smart, especializada em consertos de celulares. Racharam o investimento inicial, de R$ 7.994, e fizeram o curso de capacitação – a rede não exige experiência prévia no ramo.

Em abril, os dois iniciaram os atendimentos, que podem ser feitos na casa deles, em São Paulo, ou na dos clientes. Até o momento, a dupla fez 30 consertos. Os serviços mais requisitados são troca de tela (a partir de R$ 180) e de bateria (R$ 105).

"Cada um fica na sua casa e quem inicia o atendimento pega o serviço. Como já conquistamos boas avaliações nas redes sociais, tem sido mais fácil atrair novos clientes", diz Misael.

Sócio-diretor da Suporte Smart, Vinicius Rochesk, 29, promete aos franqueados do modelo home based o retorno do valor aplicado em até seis meses. Das 360 unidades da rede, somente 13 são lojas físicas, que têm investimento inicial R$ 35 mil.

"Desde o início da pandemia, vendemos 160 franquias home based, sendo que 80% dos empreendedores não tinham experiência nesse tipo de serviço", afirma.

A PremiaPão, especializada na comercialização de espaços publicitários em sacos de pão, também apostou no modelo. O franqueado só precisa ter um computador e um telefone, para fazer contato com os anunciantes, e deve assumir a distribuição dos saquinhos pelas padarias.

Segundo os fundadores, Raphael Mattos, 31, e Pedro Machado, 33, a receita das 111 unidades da rede disparou durante a pandemia.

Donos de uma franquia da PremiaPão em Recife (PE) desde 2018, os sócios Gilsemir de Lima Junior, 39, Thiago Silva, 32, faturaram R$ 331 mil no ano passado.

A tarefa dos dois é conquistar empresas que queiram veicular sua publicidade em sacos de pão, que são distribuídos às padarias. O anúncio básico, do tamanho de um cartão de visitas, impresso em 30 mil unidades, custa R$ 500.

Segundo Raphael Mattos, o foco inicial do negócio eram pequenos anunciantes de bairro, sem verba para pagar por espaços publicitários de grande circulação. Hoje, porém, a PremiaPão já tem companhias de maior porte entre a clientela, como operadoras de celular e aplicativos de delivery.

Para garantir a atenção dos consumidores, os saquinhos estampam códigos para sorteios —os prêmios vão de eletrodomésticos a automóveis.

A franquia mais barata, que custa R$ 10 mil, permite que o empreendedor atenda a uma região de cem mil habitantes. A mais cara tem o dobro do preço e permite atingir uma área com o triplo de pessoas.

"A pandemia ajudou nosso negócio, porque as padarias continuaram funcionando e mantiveram a relevância desse canal de divulgação, enquanto vários outros, como os outdoors, deixaram de fazer sentido", afirma o empresário.

De acordo Felipe Buranello, da ABF, por mais vantagens que as franquias home based ofereçam, o empreendedor precisa levar em conta alguns requisitos básicos antes de assinar o contrato.

Mesmo que trabalhe de casa, ele precisa gostar de lidar com o público. Também deve ter afinidade com o produto ou serviço oferecido.

É importante pesquisar sobre a reputação da rede e conversar com outros franqueados para se certificar a respeito da idoneidade da empresa.

Além disso, é fundamental que o profissional tenha a organização necessária para tocar a empresa de casa. Ele deve trocar de roupa antes de iniciar o expediente, ter rituais definidos e saber a hora de desligar, orienta Buranello.

Quem comanda uma equipe home based deve confiar nos seus empregados. "Aquele líder da velha guarda, que fica ligando o tempo todo para confirmar se os funcionários estão a postos, não serve para esse tipo de negócio."

*

VEJA DEZ REDES HOME BASED QUE CUSTAM ATÉ R$ 10 MIL

1- Portal da Cidade

  • Atuação: Venda de anúncios e soluções publicitárias
  • Fundação: 2008
  • Número de unidades: 41
  • Investimento inicial: A partir de R$ 4.000
  • Retorno: 6 a 24 meses

2- +Ágil

  • Atuação: Intermediação da venda de serviços bancários 
  • Fundação: 2020
  • Número de unidades: 453
  • Investimento inicial: A partir de R$ 5.000
  • Retorno: 1 a 3 meses

3- Limpeza com Zelo

  • Atuação: Limpeza comercial e residencial
  • Fundação: 2013
  • Número de unidades: 125
  • Investimento inicial: A partir de R$ 5.000
  • Retorno: 6 a 18 meses

4- TZ Viagens

  • Atuação: Agência de viagens e intercâmbio
  • Fundação: 1986
  • Número de unidades: 92
  • Investimento inicial: A partir de R$ 5.500
  • Retorno: 1 a 24 meses

5- Tutores Educação Multidisciplinar

  • Atuação: Aulas particulares e reforço escolar
  • Fundação: 2007
  • Número de unidades: 32
  • Investimento inicial: A partir de R$ 6.000
  • Retorno: 24 a 36 meses

6- Drs. Protect

  • Atuação: Consultoria financeira para pequenas empresas
  • Fundação: 2015
  • Número de unidades: 11
  • Investimento inicial: A partir de R$ 8.000
  • Retorno: 12 a 18 meses

7 - Bellaza

  • Atuação: Cosméticos
  • Fundação: 2020
  • Número de unidades: 15
  • Investimento inicial: A partir de R$ 9.000
  • Retorno: 12 a 24 meses

8- Brasil Nutri

  • Atuação: Suplementos alimentares e produtos fit
  • Fundação: 2016
  • Número de unidades: 164
  • Investimento inicial: A partir de R$ 9.000
  • Retorno: 8 a 24 meses

9- RHF Talentos

  • Atuação: RH; Fundação: 2007
  • Número de unidades: 71
  • Investimento inicial: A partir de R$ 9.900
  • Retorno: 3 a 6 meses

10- Vendastech

  • Atuação: Soluções tecnológicas para vendas
  • Fundação: 2018
  • Número de unidades: 62
  • Investimento inicial: R$10 mil
  • Retorno: 3 a 12 meses

Fonte: ABF e franquias mencionadas

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.