ASSINE

Guedes considera natural preocupação de Bolsonaro com combustível

A demanda de caminhoneiros levou o presidente a encomendar uma desoneração no preço do diesel, após sucessivos reajustes nos preços anunciados pela Petrobras

Publicado em 16/03/2021 às 16h00
O presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em cerimônia no Palácio do Planalto
O presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em cerimônia no Palácio do Planalto. Crédito: Carolina Antunes/ PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira que o presidente da República, Jair Bolsonaro, é um "animal político" e um "fenômeno político" e, por isso, considera natural a preocupação dele com o preço dos combustíveis. Guedes citou à CNN a proximidade de Bolsonaro com o segmento dos caminhoneiros. A demanda do grupo levou o presidente a encomendar uma desoneração no preço do diesel, após sucessivos reajustes nos preços anunciados pela Petrobras.

Bolsonaro também acabou demitindo o presidente da companhia e indicando para seu lugar o general da reserva Joaquim Silva e Luna.

"É claro que ele, politicamente, é um animal político, é um fenômeno político. É natural que ele se preocupe com isso", disse Guedes, ressaltando que cabe a ele expor o custo econômico de qualquer medida a ser adotada.

No caso da desoneração dos combustíveis, foi preciso elevar a tributação dos bancos sobre a aquisição de carros por pessoas com deficiência, além de acabar com um regime diferenciado da indústria química, para compensar o incentivo.

REAÇÕES DO MERCADO

Na entrevista, Guedes foi questionado se o mercado estava exagerando na reação diante das mudanças na Petrobras ou da anulação das sentenças condenatórias do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Nesses episódios, a Bolsa inicialmente desabou, enquanto juros e câmbio subiram, todos sinais de forte deterioração da percepção sobre o Brasil.

"Esse simbolismo (dos mercados)... Os mercados somos nós", afirmou Guedes.

Ele afirmou que a interferência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Petrobras gerou um "custo econômico pesado" e que o problema criado com a estatal ainda "é uma questão em aberto".

"O que dissemos ao presidente é que isso tem um custo econômico pesado. Se o objetivo era baixar o preço do combustível, o que aconteceu foi que os mercados começaram a subir o câmbio, a Petrobras perdeu valor", disse o ministro em entrevista à CNN Brasil.

OPERAÇÃO LAVA JATO

Perguntado sobre a atuação da Lava Jato, o ministro defendeu a operação e disse, sem citar nomes, que houve uma quebradeira em estatais como Petrobras e Eletrobras. "Alguém coordenou toda essa política", comentou Paulo Guedes.

CONGRESSO

Após a ameaça de desidratação profunda da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria os gatilhos de ajustes em despesas, o ministro da Economia disse nesta terça que o governo tem conseguido um coeficiente de 70% de aprovação nas medidas econômicas enviadas ao Congresso Nacional, apesar do "fogo amigo".

Em entrevista à CNN, Guedes não deu detalhes sobre a quem se referia ao citar o "fogo amigo". Nos últimos dias, o ministro e sua equipe precisaram debelar uma série de pressões para desidratar a PEC emergencial, vindas inclusive do presidente Jair Bolsonaro e de aliados no Congresso Nacional.

Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo, Bolsonaro patrocinou a tentativa de tirar os gastos com Bolsa Família de dentro do teto de gastos, a regra que limita o avanço das despesas à inflação.

Aliados do presidente como o deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO) e a bancada da bala, por sua vez, tentaram emplacar exceções para as categorias da segurança pública nos gatilhos que congelam salários quando há elevado comprometimento das finanças

A pressão foi tão grande que o governo precisou ceder e abrir mão do congelamento em progressões e promoções nas carreiras de servidores, que também resultam em aumentos na remuneração. Sem essa concessão, a equipe econômica corria risco de ver todo o pacote fiscal da PEC naufragar no Congresso, que aprovaria apenas a autorização para a nova rodada do auxílio emergencial.

"Considerando todos os fatores, temos um Congresso reformista. Ele já avançou algumas questões da Previdência, da cessão onerosa. Estamos fazendo muita coisa que estava parada. O saneamento, por exemplo, 100 milhões vão poder ter água e esgoto, 35 milhões vão poder ter água corrente. Por todas essas pautas que estão passando, vemos um coeficiente de desidratação de mais ou menos 30%. Mandamos a Previdência e foram aprovados em torno de 70% do texto", disse Guedes. "Quando você me pergunta se eu temo alguma desidratação... o presidente já me dizia que na democracia, assim como no futebol, goleada é difícil, é raro. Ganhar de 5 a 0, 4 a 0 é raro. Normalmente é 3 a 2, 2 a 1. Temos conseguido um coeficiente de 70%, considerando o fogo amigo, o que é satisfatório", afirmou.

Guedes disse ainda que o governo levou dois anos fazendo a sua base parlamentar, e essa base agora "acaba de destravar as pautas". No diagnóstico do ministro, a reforma administrativa deve ter aprovação "relativamente rápida".

Já a reforma tributária, segundo ele, é "mais complexa". "Não queremos cair na armadilha que está preparada para elevar impostos", afirmou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.