Coronavírus: Ministério da Saúde abre seleção para 5,3 mil médicos

A medida faz parte do plano para evitar mais vítimas da Covid-19 no Brasil. Os selecionados receberão bolsa no valor de R$ 12.386,50

Publicado em 16/03/2020 às 16h34
Os selecionados serão distribuídos entre locais com maior facilidade de circulação da doença. Serão pelo menos 1.864 municípios. Crédito: Freepik
Os selecionados serão distribuídos entre locais com maior facilidade de circulação da doença. Serão pelo menos 1.864 municípios. Crédito: Freepik

O Ministério da Saúde abre 5.318 vagas de médicos temporários para o programa Mais Médicos. A medida faz parte do Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus. As inscrições foram abertas nesta segunda-feira (16) e vão até as 18h desta terça-feira (17).

Os selecionados serão distribuídos entre locais com maior facilidade de circulação da doença. Serão pelo menos 1.864 municípios e 19 distritos sanitários especiais indígenas. As capitais dos estados e centros urbanos com grande concentração de pessoas também fazem parte do programa.

Para participar da seleção, o interessado de ter diploma de graduação em Medicina e registro no Conselho Regional de Medicina (CRM). Os concorrentes não podem estar participando de programa de residência médica ou prestando serviço militar obrigatório.

O tempo de contratação será de um ano com uma carga de trabalho de 40 horas semanais. Os participantes terão direito a uma bolsa no valor de R$ 12.386,50.

As inscrições deverão ser feitas no site do Programa Mais Médicos. O candidato deverá preencher um formulário eletrônico e prestar declarações que ficarão registradas no termo de aceite do processo seletivo.

VEJA MAIS INFORMAÇÕES SOBRE AS VAGAS

Cargo: Médico
Vagas: 5.318
Requisitos: Graduação em Medicina e registro no Conselho Regional de Medicina (CRM)
Inscrições: www.maismedicos.saude.gov.br
Locais de atuação (o candidato pode indicar durante a inscrição em qual área deseja atuar):

  • Perfil 1: áreas referentes aos 40% dos setores censitários com os maiores percentuais de população em extrema pobreza dos municípios dos grupos III e IV do PAB fixo conforme Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE);
  • Perfil 2: áreas referentes aos 40% dos setores censitários com os maiores percentuais de população em extrema pobreza dos municípios do grupo II do PAB fixo conforme IBGE;
  • Perfil 3: áreas referentes aos 40% dos setores censitários com os maiores percentuais de população em extrema pobreza das Capitais e Regiões Metropolitanas, conforme IBGE;
  • Perfil 4: áreas referentes aos 40% dos setores censitários com os maiores percentuais de população em extrema pobreza dos municípios do grupo I do PAB fixo conforme IBGE;
  • Perfil 5: municípios que estão entre os 100 municípios com mais de 80.000 habitantes, com os mais baixos níveis de receita pública "per capita" e alta vulnerabilidade social de seus habitantes;
  • Perfil 6: áreas referentes aos 40% dos setores censitários com os maiores percentuais de população em extrema pobreza dos municípios que estão em regiões de vulnerabilidade (Vale do Ribeira, Vale do Jequitinhonha, Vale do Mucuri, municípios com IDH-M baixo ou muito baixo e Região do Semiárido), que não se encaixam nos demais perfis;
  • Perfil 7: município com 20% ou mais da população vivendo em extrema pobreza, com base nos dados do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), pasta ministerial incorporada ao Ministério da Cidadania;
  • Perfil 8: área de atuação de Distrito Sanitário Especial Indígena.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.