ASSINE

A história dos túmulos da época da Gripe Espanhola às margens da BR 101 no ES

Pelo menos duas sepulturas se destacam à beira da principal rodovia do país no trecho que corta a cidade de Mimoso do Sul, na região Sul do Estado. Lendas locais não recomendam oferecer carona no trecho. Conheça a história

Publicado em 12/08/2020 às 08h08
Atualizado em 12/08/2020 às 15h52
Mimoso do Sul
A sepultura às margens da BR 101 é o que restou do antigo Cemitério de Santa Rosa, onde foram enterradas pessoas que morreram da Gripe Espanhola. Crédito: Renato Mofati/Historiador

Quem costuma trafegar pelas rodovias que cortam o Espírito Santo já deve ter reparado a presença de cruzes e até mesmo pequenos monumentos à beira da estrada como homenagens ou lembranças de pessoas que perderam a vida em acidentes de trânsito, mas em um trecho da BR 101, mais especificamente no km 457, em Mimoso do Sul, na região Sul do Estado, a presença de túmulos antigos tem chamado a atenção. E não é de hoje.

Mas por que existiriam sepulturas às margens da rodovia federal mais importante do país? Quem são as pessoas que ali foram sepultadas? Estas foram algumas das perguntas que a proprietária de uma casa de festas de Cachoeiro de Itapemirim, Maria Celeste Pascini, se fazia há anos e não encontrava respostas. Em busca de alguma história, ela e os filhos Eduardo e Juliana pegaram o carro e foram até o local no último domingo (09).

Para a surpresa dela e dos filhos, existiam além dos dois túmulos bem conservados, outros três danificados e escondidos em meio ao mato alto.

Mimoso do Sul
Mais para dentro do mato, há uma segunda sepultura também em bom estado de conservação. Crédito: Maria Celeste Pascini/Internauta

"Já faz muito tempo que eu me perguntava sobre esse túmulo naquele lugar e como estou com meu negócio parado por conta da pandemia, chamei meus filhos e decidimos ir até lá. Foi surpreendente porque encontramos mais de uma sepultura, sendo que duas em ótimo estado de conservação. Chegamos até a limpar um pouco a área para ver se encontrávamos alguma lápide ou algo que identificassem as pessoas que ali foram enterradas, mas nada encontramos", disse ela.

QUEM PROCURA, ACHA!

A dúvida da dona de casa de festas foi a mesma que motivou a reportagem a procurar pela Prefeitura da cidade e também um historiador de Mimoso do Sul. Não é por acaso que no referido quilômetro existam sepulturas. Onde hoje é margem da rodovia, há cerca de um século existia um cemitério, como confirmado pelo secretário Municipal de Cultura, Gilberto Braga Machado.

Mimoso do Sul
Renato Mofati é historiador, memorialista e pesquisador da história e lendas da cidade de Mimoso do Sul. Crédito: Arquivo pessoal

Quem traz os detalhes dessa história secular é o historiador Renato Pires Mofati, de 61 anos. Nascido e criado em Mimoso do Sul, o pesquisador relatou a origem do cemitério, que foi a última moradia de pessoas que perderam a vida para a Gripe Espanhola, muito antes da construção da BR 101 por volta da década de 1950. Segundo ele, onde hoje está a rodovia Federal era no passado o Cemitério de Santa Rosa e foi construído no ano de 1918.

"Esse cemitério foi construído no intuito de dar condições mais favoráveis para o sepultamento das pessoas que por ali viviam, que são das localidades de Baixo Rio Preto, São José das Torres, Independência e Santa Rosa. Ele foi feito devido à distância entre o cemitério de Mimoso do Sul, que ainda nem existia oficialmente e era apenas um terreno doado, e esse propriamente dito. As remoções eram complicadas antigamente. Como muitas pessoas morriam de Gripe Espanhola, elas acabaram ali sepultadas", detalhou o historiador.

1918

Este foi o ano que o Cemitério de Santa Rosa foi construído

FAMÍLIAS DA REGIÃO

Para quem ainda não se localizou ou não conhece a região, as sepulturas estão localizadas a cerca de um quilômetro do acesso para a sede de Mimoso do Sul e ficam no sentido da BR 101 em direção ao Rio de Janeiro. Segundo Mofati, a área onde existia o cemitério pertencia à família Cizenando de Freitas.

A história por trás das sepulturas às margens da BR 101 em Mimoso do Sul

Mimoso do Sul
A sepultura às margens da BR 101 é o que restou do antigo Cemitério de Santa Rosa, onde foram enterradas pessoas que morreram da Gripe Espanhola. Renato Mofati/Historiador
Mimoso do Sul
Com mais de um século de existência, a sepultura segue despertando a atenção no trecho da rodovia. Renato Mofati/Historiador
Mimoso do Sul
O local onde hoje estão as últimas sepulturas será trecho da duplicação da BR 101 em Mimoso do Sul. Maria Celeste Pascini/Internauta
Mimoso do Sul
No dia em que Celeste foi até o local, havia um chapéu sobre a sepultura. Maria Celeste Pascini/Internauta
Mimoso do Sul
Não há lápide para identificar quem foi enterrado no local, apenas uma cruz na sepultura. Maria Celeste Pascini/Internauta
Mimoso do Sul
O local onde está a sepultura fica às margens da BR 101, em Mimoso do Sul. Maria Celeste Pascini/Internauta
Mimoso do Sul
A sepultura encontra-se em bom estado quase um século após a construção do Cemitério de Santa Rosa. Maria Celeste Pascini/Internauta
Mimoso do Sul
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato. Maria Celeste Pascini/Internauta
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato
Algumas sepulturas estão quebradas e encobertas pelo mato

"Ali foram sepultados os antepassados de algumas famílias da cidade, entre elas Rodrigues, Fragoso, Dalbon, Vieira e Lopes. Até onde se sabe, a maior parte dos restos mortais dessas pessoas foram retirados e levados para o cemitério da cidade depois que o mesmo foi descontinuado e a rodovia foi construída. Todos os sepultamentos antes de 1930 eram registrados em São Pedro do Itabapoana (distrito de Mimoso do Sul). Além das distâncias existentes, muitos cemitérios foram criados próximos às vilas, comunidades e até fazendas. E esse cemitério foi um deles. Ele tinha como medida cerca de 40 metros quadrados", contou o memorialista.

LENDAS

Quem mora na região é firme em dizer que o local é recheado em lendas e a principal delas é a da "noiva vestida de branco". Um dos que já ouviu falar desse causo é o professor de Português Jorge Fabelo, de 63 anos, também mimosense.

Jorge Fabelo

Professor e morador de Mimoso do Sul

"Quando eu era criança muitas pessoas falavam que ali era um local assombrado, que as almas das pessoas enterradas pediam carona aos motoristas que passavam ali. A que mais me recordo é a da 'noiva vestida de branco'. Sempre à noite e vestida a caráter, ela pedia que caminhoneiros a deixassem na cidade de Mimoso, só que estes motoristas não chegavam à cidade e nos dias seguintes ela retornava ao local e tudo se repetia"

DUPLICAÇÃO

A BR 101 no Espírito Santo foi privatizada e por contrato será duplicada. E o que acontecerá com essas sepulturas centenárias? Em contato com a reportagem de A Gazeta, a assessoria da Eco101 explicou que serão realizados estudos arqueológicos no local para preservar o material que possa existir.

Mimoso do Sul
O local onde hoje estão as últimas sepulturas do antigo cemitério será utilizado no trecho da duplicação da BR 101 em Mimoso do Sul. Crédito: Maria Celeste Pascini/Internauta

"A concessionária realiza o monitoramento da rodovia e o diagnóstico arqueológico antes e durante as obras de ampliação com a finalidade de evitar intervenções sobre objetos de valor histórico ou cultural. Para este trecho, as atividades de prospecção arqueológica deverão ser mobilizadas antes de eventual intervenção e paralelamente às obras de ampliação no trecho correspondente, previstas para o 23º ano de concessão (2036)", diz a nota da Eco101.

Caso não aconteça nenhuma mudança em relação ao cronograma estipulado para a ampliação da BR 101 no trecho, por pelo menos mais 16 anos o que restou do Cemitério de Santa Rosa permanecerá no local. Mesmo que a duplicação sepulte os túmulos restantes, permanecerão as lendas e mistérios que a região envolve. Na dúvida, melhor não aceitar dar carona caso alguém peça à margem da rodovia em Mimoso do Sul.

Mimoso do Sul BR 101 Cemitério Eco101

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.