ASSINE

WhatsApp confirma envio ilegal de mensagens em massa nas eleições

Executivo da empresa admitiu pela primeira vez uso indevido do aplicativo durante o pleito de 2018

Publicado em 08/10/2019 às 20h52
Atualizado em 08/10/2019 às 20h52

O WhatsApp admitiu que a plataforma foi usada na eleição brasileira de 2018 para envios massivo de mensagens. A informação foi dada em palestra em Medelín, na Colômbia, por um executivo da empresa, na última sexta-feira (04).

"Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios maciços de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas", afirmou Ben Supple, gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp.

A declaração foi feita durante o Festival Gabo de jornalismo, que homenageia o jornalista Gabriel Garcia Marques. As informações foram publicadas nesta terça (08) pela Folha de S. Paulo. 

Supple disse que o WhatsApp não apoia o "uso dos grupos como listas de transmissão" de conteúdos, meio de difusão de informações comum entre apoiadores políticos. O executivo ressaltou que o aplicativo foi criado para "conversas orgânicas entre famílias e amigos".

"Vemos esses grupos como tabloides sensacionalistas, onde as pessoas querem espalhar uma mensagem para uma plateia e normalmente divulgam conteúdo mais polêmico e problemático", disse.

As regras eleitorais não permitem contratação de empresas para envio em massa de mensagens por plataformas como o WhatsApp, muito menos sem a declaração dessas despesas à Justiça eleitoral.

Em outubro passado, a Folha revelou que empresários contrataram empresas de marketing para disparar as mensagens de cunho eleitoral usando CPFs de forma fraudulenta e até contratando agências estrangeiras. Uma das reportagens mostrou que apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL) bancaram disparos em massa contra Fernando Haddad (PT).

Jair Bolsonaro, presidente da República. Crédito: Carolina Antunes/PR
Jair Bolsonaro, presidente da República. Crédito: Carolina Antunes/PR

Ao ser questionado se o uso do WhatsApp por campanhas políticas violava as regras, Ben Supple afirmou: "Não viola desde que se respeitem todos os termos de uso [que vedam automação e envio massivo]. Todos estão sujeitos aos mesmos critérios, não importa se quem usa é um candidato à Presidência ou um camponês do interior da Índia".

eleições 2018 whatsapp

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.