ASSINE

Mourão diz que golpe está fora de cogitação, mas reconhece "estresse"

“Quem é que vai dar golpe? As Forças Armadas? Que que é isso, estamos no século 19?", questiona o vice-presidente da República

Publicado em 28/05/2020 às 18h57
Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão
Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão minimizou declarações de um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro. Crédito: Isac Nobrega/PR

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, afirmou que uma eventual ruptura democrática está “fora de cogitação” e que “não existe espaço no mundo para ações dessa natureza”. As declarações foram publicadas pela jornalista Andréia Sadi, do G1, nesta quinta-feira (28). Mourão também minimizou as falas do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, que falou em “momento de ruptura” em uma live.

“Quem é que vai dar golpe? As Forças Armadas? Que que é isso, estamos no século 19? A turma não entendeu. O que existe hoje é um estresse permanente entre os poderes. Eu não falo pelas Forças Armadas, mas sou general da reserva, conheço as Forças Armadas: não vejo motivo algum para golpe", declarou Mourão.

A fala de Mourão ocorre depois de Bolsonaro adotar um tom de ameaça ao comentar as medidas tomadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no inquérito que apura fake news e tem como alvos aliados bolsonaristas. Bolsonaro disse que não vai admitir “decisões individuais” e que “ordens absurdas não se cumprem”. “Acabou, porra!”, esbravejou o presidente a jornalistas nesta quinta-feira.

Na quarta-feira, o deputado Eduardo Bolsonaro também criticou a atuação de ministros do STF na investigação sobre a suposta interferência do pai na Polícia Federal e no inquérito das fake news que autorizou mandados de busca e apreensão contra aliados da família. “Falando bem abertamente, opinião de Eduardo Bolsonaro, não é mais uma opção de se, mas, sim, de quando isso (ruptura institucional) vai ocorrer”, disse em uma transmissão.

Mourão minimizou as declarações do filho “03” do presidente Bolsonaro.“Me poupe. Ele é deputado, ele fala o que quiser. Assim como um deputado do PT fala o que quiser e ninguém diz que é golpe. Ele não serviu Exército. Quem vai fechar Congresso? Fora de cogitação, não existe situação para isso”, afirmou.

À jornalista, o vice-presidente reforçou que, em sua avaliação, o inquérito das fake news deveria ter sido enviado à Procuradoria-Geral da República, para que o Ministério Público decidisse se abriria ou não a investigação, e defendeu que o tema fosse debatido pelo plenário do STF.

GENERAL HELENO NEGA INTERVENÇÃO MILITAR

Mais cedo, Heleno negou ‘intervenção militar’

Também nesta quinta-feira, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, afirmou que ninguém no governo está pensando em uma “intervenção militar” e que uma ruptura democrática no país “não resolve nada”. “Não houve esse pensamento (de intervenção) nem da parte do presidente, nem dos ministros”, disse nesta quinta-feira após se reunir com Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

Heleno declarou ainda que sua nota, em que menciona “consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional” caso o celular do presidente fosse apreendido, era “genérica” e “neutra”, e não um recado ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF). “Não falei em Forças Armadas, não falei em intervenção militar”, defendeu.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.