ASSINE

Coronavírus: Trump diz considerar proibir voos do Brasil aos EUA

"O Brasil não tinha problema até há pouco tempo. Agora os números estão subindo", afirmou Trump

Publicado em 31/03/2020 às 22h03
Atualizado em 01/04/2020 às 07h25

O presidente Donald Trump disse nesta terça-feira (31) que considera suspender os voos do Brasil que chegam aos EUA, para tentar conter o avanço do coronavírus.

07/03/2020 Jantar oferecido pelo Presidente dos Estados Unidos da América (Mar a Lago - Flórida, 07/03/2020) O Senhor Presidente dos Estados Unidos Donald Trump aplaude a visita do Senhor Presidente da República Jair Bolsonaro.
Jantar oferecido pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no início de março. Agora, americano avalia barrar voos, em meio à pandemia de coronavírus. Crédito: Alan Santos/PR/Flickr

Durante coletiva na Casa Branca, Trump não deu detalhes sobre a possível medida, mas afirmou que estuda essa possibilidade ao responder a jornalistas sobre novas restrições de viagem ao exterior.

Um dos repórteres mencionou o comportamento do presidente Jair Bolsonaro, que nega o distanciamento social e defende que as pessoas circulem e voltem ao trabalho.

Donald Trump

Presidente dos EUA

"Estamos observando muitos países e suas posições. O Brasil, você mencionou o presidente. O Brasil não tinha problema até há pouco tempo. Agora os números estão subindo e, sim, estamos considerando um veto [de viagens]"

Desde a semana passada, o governo dos EUA tem monitorado o crescimento vertiginoso dos casos confirmados de coronavírus no Brasil e autoridades americanas diziam não descartar a restrição de voos entre os países.

O número de casos confirmados no Brasil chegou a 5.812 nesta terça, com 202 mortes. Nos EUA, por sua vez, o número é de 187 mil casos e mais de 3.700 mortes.

De acordo com um integrante do Departamento de Segurança Nacional americano, não deve haver proibição de voos da América Latina como um todo com destino aos EUA, como foi feito com a Europa, mas Trump tem olhado com preocupação para países como Brasil e Equador de maneira individual.

Em 11 de março, Trump anunciou a suspensão de voos vindos da zona Schengen (que reúne 26 países europeus) aos EUA e, poucos dias depois, incluiu Reino Unido e Irlanda à medida restritiva. China e Irã também estão na lista.

Americanos que estejam retornando aos EUA não são impedidos de entrar no país.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.